A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
A importância da socialização na educação infantil

Pré-visualização | Página 3 de 4

lúdicas possibilitadas às crianças, favorece 
também segurança e autoestima destes estudantes, além de ampliar os laços de amizade 
8 
 
 
 
e afetividade com outras crianças, na medida em que a ajuda mútua existente durante as 
brincadeiras, cria vínculos de amizade. 
 
Os aprendizados sociais vivenciados através das brincadeiras ocorrem na medida 
em que a escola dá continuidade aos aprendizados morais e sociais iniciados na família, 
através da interação das crianças com outros colegas vindos de outras famílias e com 
culturas e valores diferentes dos seus. Por meio das brincadeiras e suas ações e reflexões 
a criança aprende regras de conduta sociais e morais que vai utilizar no seu dia a dia e 
futuramente também. É inclusive através da ludicidade, principalmente nas brincadeiras 
de faz de conta que a criança experimenta diversos papéis sociais, levando a perceber as 
diferenças existentes na sociedade, diferentes formas de pensamentos, enfim, 
apropriando-se e compreendendo o mundo social na qual está inserida. 
 
Os professores e toda a comunidade escolar, são transmissores de normas e valores 
que norteiam e preparam o indivíduo para viver coletivamente. Assim, é importante que 
as questões de vida em sociedade faça parte, com clareza, da organização curricular, 
levando a ética ao centro de reflexão e do exercício da cidadania. 
 
Contudo não podemos esquecer que a cidadania dos alunos não começa e nem 
acaba na escola, e deve ser encarada como um projeto global e participativo, envolvendo 
em prol de um mundo mais justo e democrático. Ela conquista-se no dia-a-dia, nas 
relações dos indivíduos, no conjunto das organizações da sociedade. 
 
 
3. MATERIAIS E MÉTODOS 
 
O procedimento metodológico utilizado para este trabalho foi qualitativo, que 
possui como características o pesquisador como principal instrumento da pesquisa alvo, 
a obtenção de dados predominantemente descritivos a partir do contato do pesquisador 
com a situação estudada. 
Pode-se então afirmar que a pesquisa é de caráter exploratório, uma vez que a 
pesquisa exploratória permite o controle dos efeitos desvirtuadores do pesquisador, 
possibilita que a realidade seja percebida tal como ela é, e não como o pesquisador pensa 
que seja. De acordo com Prodanov e Freitas (2013, p.14): 
 
A metodologia é compreendida como uma disciplina que consiste em estudar, 
compreender e avaliar os vários métodos disponíveis para realização de uma 
pesquisa acadêmica. A metodologia, em um nível aplicado, examina, descreve 
e avalia métodos e técnicas de pesquisa que possibilitam a coleta e 
processamento de informações, visando ao encaminhamento e à resolução de 
problemas e/ou questões de investigação. 
 
9 
 
 
 
O trabalho será produzido em forma de pesquisa bibliográfica sendo a primeira 
etapa com o levantamento do material bibliográfico, que se refere a classificação do 
material selecionado como fonte da pesquisa, por exemplo: livros, coletânea de textos, 
teses e dissertações, periódicos (Citando o nome daqueles que forma consultados). Na 
segunda etapa é o teste do instrumento para levantamento das informações, selecionando 
o material bibliográfico e realização de leituras. 
Realizar um pesquisa bibliográfica não significa apenas analisar informações, é 
necessário uma busca, analisar e verificar novas fontes de pesquisa que tenha uma base 
teórica, é necessário a busca aprimorada em lugares apropriados a trabalhos reconhecidos. 
 Para Gil (2007), os exemplos mais característicos desse tipo de pesquisa são sobre 
investigação, sobre ideologias ou aquelas que propõem à análise das diversas posições 
acerca de um problema já existente, através do problema localizado, a busca da pesquisa 
bibliográfica ira auxiliar no processo do desenvolvimento na construção do 
conhecimento. 
A pesquisa bibliográfica tem uma importante função no desenvolvimento nos 
mais diversos tipos de pesquisas, ela está presente em todos os estudos, as pesquisas 
desenvolvidas exclusivamente a partir de fontes bibliográficas. 
 
 
FIGURA 1 – SOCIALIZAÇÃO NA ESCOLA
 
 
FONTE: Disponível em: < http://pluraleducacional.com.br/?p=1048>. Acessado em: 2 
de Jun. 2019 
 
 Na imagem temos um desenho de um ambiente com algumas crianças, com a 
presença de um professor, representando um espaço escolar com crianças diferentes entre 
elas. E por meio desta imagem, pretendemos mostrar a diferença cultural presente na sala 
de aula, e pensado nela como todo um espaço de socialização e não apenas nos momentos 
ditos “livres” como a hora do recreio, lanches e semelhantes. E sim ver a escola no total 
como formadora de seres integrais, nos aspectos intelectuais, emocionais e sociais. 
 
 
 
http://pluraleducacional.com.br/?p=1048
10 
 
 
 
 
 
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 
 
Antigamente, muito se via a função da escola apenas com o papel de desenvolver 
os aspectos intelectuais dos alunos que nela ingressavam. Apenas os saberes referente a 
cálculos e linguagens e afins como algo importante a ser abordado nas escolas. 
Com isso o recreio e as brincadeiras, não passavam de momentos de descontração 
no ponto de vista dos adultos e muitas vezes interpretados até mesmo como 
desnecessários para alguns, sendo esses os poucos momentos de real socialização. Já que 
na sala o único que expressava suas opiniões era os professores. 
No entanto, ao longo do tempo, com pesquisas aprofundadas de estudiosos e 
filósofos, foi se percebendo a importância que esse tinha na educação das crianças. Assim 
as brincadeiras não só passaram a estar mais presentes nas escolas como a fazer parte das 
atividades cotidianas da educação infantil. 
Visto os benefícios de tudo isso, também se mudou a percepção que se tinha de 
socialização e os momentos de interação e troca entre os alunos passou a ser constante 
visto sua importância em um ambiente que engloba diversas culturas. 
 
 
5. CONCLUSÃO 
 
Através deste trabalho foi possível concluir que a educação infantil desempenha 
um papel de fator que contribui grandiosamente no desenvolvimento da criança enquanto 
um ser pensante e social. Pois escola é o primeiro contato da criança com a sociedade e 
entendemos que esta fase é primordial na formação de conceitos e valores, que muitas 
vezes são construídos através das brincadeiras em grupo. 
É também neste período, que a criança começa a construir seu ser social em um 
ambiente fora do contexto familiar, onde confronta com a diversidade sociocultural. Toda 
essa diversidade é trabalhada nas brincadeiras, onde as crianças começam a compreender 
valores primordiais para convivência em grupo. 
E assim começa a se ver como um membro ativo de sua própria sociedade, e 
entender que como parte desta sociedade precisa aprender a conviver com outros 
membros da mesma, mas que no entanto são diferentes, e sabendo que cada um possui 
direitos e deveres. 
Podemos concluir que as interações sociais são um aspecto chave para a educação 
infantil e que por conta disso merecem mais valorização e até mesmo um assunto que 
deve ser mais explorado e abordado durante a formação dos professores. 
 
 
 
11 
 
 
 
 
REFERÊNCIAS 
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC 
Versão Final. Brasília, DF, 2018. p. 36. 
 
FORTUNA, Tânia Ramos. Brincar é aprender: a brincadeira e a escola. 
Marista Sul: revista da Província Marista do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 
n.7, p.20-21, 31,maio/ago. 2007. 
 
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007. 
 
HAETINGER, Max. G. O universo criativo da criança na educação. 2 ed. Porto 
Alegre: Instituto Criar, 2005. 
MOYLES, Janet R. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto 
Alegre: Artmed, 2002. 
PAPALIA, Diane E., OLDS, Sally Wedkos e FELDMAN, Ruth Duskin. 
Desenvolvimento Humano. 10. ed. Porto Alegre: Armed, 2010. 
PRODANOV, C. e FREITAS, E.C. Metodologia

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.