Resumo sobre o covid 19
5 pág.

Resumo sobre o covid 19


DisciplinaBiomedicina4.683 materiais11.649 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PROFESSOR: DR. CIRO JOSÉ SOUSA DE CARVALHO
CURSO: BIOMEDICIMA TURMA:( A ) 
ALUNA: CREONICE RODRIGUES DOS SANTOS 
MATRICULA: 01570007620
 RESUMO Artigo de revisão
A epidemiologia e patogênese da doença por coronavírus ( COVID-19) surto
A doença de coronavírus (COVID-19) é causada por SARS-COV2 e representa o agente causador de um potencial.
Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. O novo agente do coronavírus foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. Provoca a doença chamada de coronavírus coronavírus. É um dos principais patógenos que tem como alvo principal o sistema respiratório humano e incluem a síndrome respiratória aguda grave , é caracterizados como agentes que representam uma grande ameaça à saúde pública.
 No mundo inteiro tem casos, trata-se de uma doença fatal principalmente para os grupos de riscos, e paciente com complicações. Os primeiros caso de coronavírus foi relatodo em dezembro de 2019 onde 5 pacientes foram internados com recidiva aguda, síndrome do desconforto respiratório. Um desses pacientes morreu em janeiro, dai em diante os número de pessoas infectadas foram aparecendo na china e nas províncias, Um total de 571 novos casos de coronavírus foi relatado em 25 províncias (distritos e cidades) Em 25 de janeiro de 2020, um total de 1975 casos foram confirmados como infectados com o coronavírus na China continental, com um total de 56 mortes.
 O primeiro caso confirmado nos Estados Unidos levou a conclusão de sintomas leves iniciais do paciente na apresentação e progressão para pneumonia no dia 9 da doença Além disso, o primeiro caso de transmissão humano-a-humano de coronavírus foi relatado nos EUA em 30 de janeiro de 2020. Onde levou as autoridades adotar medidas como, examinar os passageiros chegando nos aeroportos dos EUA para o novo coronavírus. Na triagem inicial, 443 indivíduos foram testados para infecção por coronavírus em 41 estados nos EUA. Apenas 15 (3,1%) foram positivos, 347 foram negativos e os resultados dos restantes 81 restaram pendentes. Já na china as autoridades de saúde concluíram que tiverm 31.161 pessoas contamidas e mais de 630 mortes pela contaminação. As características clínicas reveladas por uma tomografia computadorizada do tórax são visualizadas como uma pneumonia; no entanto, havia características anormais, como RNAemia, síndrome de angústia respiratória , lesão cardíaca aguda e incidência de opacidades tipo vidro fosco que levaram à morte. É importante ressaltar que os pacientes infectados com coronavírus desenvolveram sintomas gastrointestinais, como diarreia; uma baixa porcentagem de MERS-CoV ou pacientes com SARS-CoV apresentaram sintoma gastrointestinal semelhante, Portanto, o desenvolvimento de métodos para identificar os vários modos de transmissão, tais como amostras de urina e fezes são urgentemente necessárias para desenvolver estratégias para inibir e / ou minimizar a transmissão e desenvolver terapêuticas para controlar a doença.
Sintomas
Os sinais e sintomas clínicos do novo coronavírus são principalmente respiratórios, semelhantes a um resfriado. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias.
 Principais sintomas são:
Febre.
Tosse.
Dificuldade para respirar
Os sintomas da infecção aparecem após um período de incubação de aproximadamente 5,2 dias.O período desde o início dos sintomas de até a morte variaram de 6 a 41 dias com uma média de 14 dias. Este período depende da idade do paciente e status do sistema imunológico do paciente. Foi mais curto entre os pacientes >70 anos de idade em comparação com aqueles com menos de 70 anos de idade. Os sintomas mais comuns no início da doença são: febre, tosse, fadiga, enquanto outros sintomas incluem produção de expectoração, dor de cabeça, hemoptise, diarréia, dispneia e linfopenia 
Patogênese
China foi a região onde se concentra o maior numero de mortes pela infecção e os sintomas graves do coronavírus, a Comissão Nacional de Saúde da China informou os detalhes das primeiras 17 mortes e, em 25 de janeiro de 2020, a mortalidade aumentou para 56 mortes. A porcentagem de mortes entre os 2684 casos relatados de coronavírus era de aproximadamente 2,84% em 25 de janeiro de 2020 e a idade média das mortes foi de 75 anos (faixa de 48 a 89)
Os pacientes infectados apresentaram alterações nos leucócitos e no sistema respiratório. Amostras dos pacientes colhidas em laboratórios mostraram leucopenia com contagem de leucócitos de 2,91 × 10 ^9 células / L, dos quais 70,0% eram neutrófilos. Além disso, em um valor de 16,16 mg / L de sangue foi observada proteína C reativa (PCR) acima da faixa normal(0\u201310 mg / L). Alta taxa de sedimentação de eritrócitos (VHS) e dímero D também foram observados. A principal patogênese da infecção no sistema respiratório era uma pneumonia grave, RNAaemia, combinado com a incidência de opacidades em vidro fosco e cardiopatia aguda.
Níveis significativamente altos de citocinas e quimiocinas no sangue foram observados em pacientes com infecção por COVID-19 que incluíam IL1-\u3b2,
IL1RA, IL7, IL8, IL9, IL10, FGF2 básico, GCSF, GMCSF, IFN\u3b3, IP10, MCP1, MIP1\u3b1, MIP1\u3b2, PDGFB, TNF\u3b1 e VEGFA. Alguns dos graves casos admitidos
na unidade de terapia intensiva apresentaram níveis elevados citocinas próinflamatórias, incluindo IL2, IL7, IL10, GCSF, IP10,MCP1, MIP1\u3b1 e TNF\u3b1 que
estão diretamente ligados à gravidade da doença.
Transmissão
 Na cidade de Wuhan exitem exposições de animais no mercado onde animais vivos são rotineiramente vendidos, sugere-se que esta seja a provável origem zoonótica do coronavírus.
Esforços foram feitos para procurar um hospedeiro ou reservatório intermediário em portadores dos quais a infecção pode ter se espalhado para os seres humanos. Relatórios iniciais identificaram duas espécies de cobras que poderiam ser um possível reservatório do coronavírus. No entanto, até o momento, não houve evidência de reservatórios de coronavírus que não sejam mamíferos e pássaros. A análise da sequência genômica do coronavírus mostrou 88% identidade com síndrome respiratória aguda grave derivada de dois morcegos, como coronavírus, indicando que os mamíferos são a ligação mais provável entre coronavírus e humanos. 
Vários relatórios têm sugerido que a transmissão de pessoa para pessoa é uma rota provável para propagação da infecção por coronavírus. Isso é suportado pelos casos que ocorreram dentro de famílias e entre pessoas que não visitaram o mercado de animais frescos em Wuhan. A transmissão de pessoa para pessoa ocorre principalmente via contato direto ou através de gotículas espalhadas por tosse ou espirros de um indivíduo infectado.
Devido os meios de transmissão a OMS orienta o distanciamento social e o isolamento de que esta com os sintomas da coronavírus ou sintomas gripais.
Análise filogenética
A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o coronavírus como um \u3b2 CoV do grupo 2B Dez sequências genômicas de coronavírus obtidas de um total de nove pacientes exibiram 99,98% de identidade de sequência
Os estudos e análise filogenética indicam que o coronavírus pertence ao gênero betacoronavírus, que inclui o SARSCoV, que infecta humanos, morcegos e animais selvagens que provavelmente se desenvolveu a partir de coronavírus de origem de morcego.
Outra evidência que apóia a origem do morcego para o coronavírus é da existência de um alto grau de homologia do receptor ACE2 de uma diversidade de espécies animais, implicando assim que essas espécies animais são possíveis hospedeiros intermediários ou modelos animais para infecções por coronavírus. Além disso, esses vírus têm um único quadro de leitura aberto intacto no gene 8, que é um indicador adicional de coronavírus de origem de morcego.
Opções terapêuticas / de tratamento
Cientistas estão tentando encontrar antivirais específicos para o coronavírus. Drogas como cloroquina, umifenovir, remdesivir e favipiravir estão sendo testadas em estudos clínicos para o tratamento da coronavírus. Alguns resultados