A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
A-HISTÓRIA-DA-EDUCAÇÃO-APOSTILA

Pré-visualização | Página 9 de 10

isso, é também necessário um trabalho árduo e contínuo, para que a preparação 
das novas gerações seja feita de maneira satisfatória, tornando o homem mais conhecedor 
de si e preparado o suficiente para lhe dar com a realidade. Ratificando, portanto, o que é 
exposto mais acima, "a escola deve tornar-se um mundo real e prático". Mas ainda nos 
permite inferir a significativa influência de que o professor não só pode, como deve exercer 
para com o aluno. Desta forma, o seu papel torna-se cada vez mais desafiador no sentido 
de tentar inovar suas aulas, suas metodologias e mais além, de maneira qualitativa a 
construção da criança, do jovem e do adulto. 
28 
 
 
Outro aspecto que acreditamos ser relevante, é lembrado por Cambi (1999), quando 
destaca as propostas de socialização e de ativa colaboração entre os próprios indivíduos, 
nas escolas fundadas por Edmond Demolins. Assim, estes processos de ações 
comunicativas devem sim, ser amplamente incentivado pelos homens e pelas instituições 
para a organização da vida comum, com propósito de vida harmônica entre os meios, que 
até nos divergem, e os indivíduos que acabam por se integrar no contexto social. Desta 
forma o trabalho também é um instrumento importante para a construção gradativa do 
homem, livrando-o da ociosidade em meio à prática experimental como para as relações 
interpessoais, com aquele propósito de socialização. Por isso, é sempre de grande 
relevância salientar que as novas instituições inovem também neste sentido, de elaboração 
de atividades grupais, realização de práticas e teorias no ensino, mas sempre incentivando 
o trabalho coletivo. 
O idealismo complementa com suas novas teorias pedagógicas, "capazes de repensar 
de modo novo e radical a identidade e o papel cultural e político da pedagogia" (CAMBI, 
1999, p.534). Foi assim, proposto com este idealismo na Europa, modelos de pedagogia 
como saber histórico, crítico, dialético, científico e político. Modelos de educação que 
abrangessem a forma igualitária, libertária, baseada no trabalho, enfim, uma escola 
renovada por fins e estruturas. A pedagogia, então, no século XX é reestruturada e 
renovada principalmente em seu plano teórico, fazendo surgir um novo modelo pedagógico 
onde a filosofia e a ciência, principalmente como pesquisa experimental ganham espaço. 
Portanto, educação nova consiste em uma "corrente que trata de mudar o rumo da 
educação tradicional, intelectualista e livresca, dando-lhe sentido vivo e ativo". 
(LUZURIAGA, 1987, p.227). John Dewey se tornou um grande nome devido suas 
propostas a cerca de uma teoria empírica, e sua pedagogia caracterizada por um 
pragmatismo associado entre as teorias e as práticas. 
John Dewey, foi o maior pedagogo do século XX, o seu pensamento pedagógico foi o 
mais amplo possível, trabalhou a educação nova de forma crítica, delineando suas 
deficiências. (CAMBI, 1999, p.546) 
Segundo Larroyo (1989), em suas referências também constatamos a educação nova, a 
partir da criação das escolas novas que superaram as escolas memoristas livrescas com 
seu conceito intelectualista da educação. As escolas novas se manifestaram promovendo 
importantes transformações sociais, mediante trabalhos manuais e técnicos. Assim, elas 
tornaram-se órgãos de coordenação de toda obra educativa, favoreceram a pedagogia 
29 
 
 
experimental, os estudos da criança e a comprovação objetiva do trabalho escolar, entre 
outros. 
Larroyo (1989), lembra que mesmo com o surgimento das escolas novas do século XIX / 
XX, não foram as primeiras instituições docentes criadas com este propósito de renovar a 
educação. Ele cita diversas escolas em sua pesquisa que haviam se manifestado para este 
fim, porém, se preocupou em estudar as instituições mais atuais sobre este assunto. 
As escolas novas que obtiveram êxito em seus ensaios para tais modificações 
educacionais tinham objetivos em comum. Propunham, além das transformações radicais e 
progressistas da educação, o princípio de liberdade da criança e do adolescente, em 
contato com a vida, com o meio social mesmo fora do ambiente familiar. 
Assim, foi criado o chamado boarding-house, onde a educação de grupos de alunos 
vivendo em casas separadas seria de extrema importância na ajuda da construção de um 
ser voltado para a sociedade, que tivesse uma visão de mundo abrangente, sem falar no 
processo de integração do indivíduo ao meio. Devido a isto, tornava-se cada vez mais 
contundente a perspectiva de acabar com os internatos da época. Desta forma, a citação 
abaixo bem justifica o que expomos acima: "As mais importantes características das 
últimas escolas era a ideia de educação em comunidade sobre a base de um regime 
autônomo pelo qual se governavam mestres e alunos". (LARROYO, 1989, p.718) 
Por fim, consideramos que a educação nova, com sua proposta emancipatória de 
preparar o indivíduo desde cedo para a vida em sociedade através dos processos de 
socialização e da tentativa de igualdade entre os membros inclusos dentro de uma 
proposta democrática, tem acarretado sim melhoras para o campo educacional. Mas, 
infelizmente, ainda sofremos com deficiências de ensino por uma série de fatores tanto 
econômicos, quanto sócio-políticos. 
Esta nova roupagem das escolas vem promovendo uma redefinição na pedagogia 
tornando os processos educativos mais articulados, as finalidades pedagógicas destinadas 
a formar cidadãos críticos e conscientes, as instituições educativas estimuladoras do 
desenvolvimento e dos ideais formativos, sendo, desta forma, totalmente contrária aquele 
modelo de pedagogia tradicional. Compreende-se então, que a educação nova veio para 
transformar os pensamentos dos próprios indivíduos, de maneira a ser um grande ponto de 
partida para transformar não somente o campo educacional, mas também a sociedade. É a 
partir de uma junção destes aspectos sociais que ocorrerá o desenvolvimento do meio 
social, a evolução das técnicas, da modernidade e as transformações educativas. 
30 
 
 
 
REFERÊNCIAS 
 
 
Aranha, m. l. a. Filosofia da Educação. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1996. 
 
 
Aries, p. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. 2. ed. Rio 
de Janeiro: LTC, 2006. 
 
Berger, p. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. 10. ed. Petrópolis: 
Vozes, 1986. 
 
Bujes, m. i. e. Que infância é esta? In: 23ª Reunião Anual da anped, 2000, Caxambu. 
Anais da 23ª Reunião Anual da ANPEd. Caxambu, 2000. Disponível em: 
<http://23reuniao.anped.org.br/textos/0712t.PDF>. Acesso em: 20 dez. 2016. 
 
 
Cambi, f. História da pedagogia. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: feu, 1999. 
Chaui, m. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2000. 
 
Corazza, s. m. História da infância sem fim. 2. ed. Ijuí: unijuí, 2004. (Coleção Fronteiras 
da Educação) 
http://23reuniao.anped.org.br/textos/0712t.PDF
31 
 
 
Donzelot, j. A polícia das famílias. Tradução de M. T. da Costa Albuquerque. 3. ed. Rio de 
Janeiro: Graal, 2001. 
 
Fonseca, m. a. O indivíduo moderno. In: fonseca, m. a. da. Michel Foucault e a 
constituição do sujeito. 3. ed. São Paulo: educ, 2011. 
 
Ghiraldelli jr. p. A modernidade segundo as teorias sociais clássicas, 2008. Disponível 
em<https://ghiraldelli.files.wordpress.com/2008/07/a_modernidade_segundo_as_teorias_so 
ciais_clicas_rtf.pdf. Acesso em: 18 dez. 2016>. 
 
Ghiraldelli jr. p. O que é filosofia da educação – uma discussão metafilosófica. In: 
ghiraldelli jr. Paulo (Org.). O que é filosofia da educação. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 
2002. 
Hall, s. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 
2006. 
 
Hermann, n. Pensar arriscado: a relação entre filosofia e educação. Educação e 
Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 217-228, jan./mar. 2015. 
 
Pagni, p. a. Infância, Arte de Governo Pedagógica e Cuidado de Si. Educação & 
Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 99-123, set./dez., 2010. 
 
Rodrigues, a. t.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.