A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
290 pág.
Questão Social e Serviço Social

Pré-visualização | Página 36 de 50

subcontratações. Parte desses subsídios 
apresenta-se na forma dos programas de transferência de renda. 
Segundo a Anfip (2011), a importância desses programas na conjugação 
das estatísticas positivas do trabalho não foi pequena e a Seguridade cumpriu um 
papel importante ao financiar as políticas de reajustes reais para o salário mínimo, de 
programas de benefícios assistenciais de prestação continuada, do Bolsa Família e 
de outros benefícios de natureza assistencial. (ANFIP, 2011, p. 10; grifos nossos). 
Vejamos, então melhor, como a preeminência dos programas de transferência 
de renda incide sobre o crescimento econômico e a justiça social do governo 
“neodesenvolvimentista”.
FONTE: SILVA, Sheyla Suely de Souza. Contradições da Assistência Social no governo 
“neodesenvolvimentista” e suas funcionalidades ao capital. Serv. Soc. Soc. São Paulo, n. 113, Mar.  
2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo>. Acesso em: 13 fev. 2015.
120
RESUMO DO TÓPICO 2
Neste segundo tópico estudamos a nova institucionalidade brasileira 
frente às expressões sociais, compreendendo os seguintes aspectos:
• Origem, significado e abrangência das políticas públicas e das políticas sociais, 
bem como suas interligações e diferenciações.
• Percebemos que a política pública é ampla e pode ser enfatizada de modo 
geral no âmbito das relações de poder tanto na tomada de decisões quanto na 
resolução de conflitos na sociedade.
• Identificamos três grandes fases da política social, sob o ponto de vista histórico, 
e vimos que as políticas sociais, de modo geral, são modalidades da política 
pública, são necessárias para a concretização da cidadania, assim as políticas 
sociais no sentido direcionado à proteção social são criadas, formuladas, 
reguladas, ampliadas, revistas, renovadas, transformadas e se efetivam no seio 
da sociedade, garantindo a inclusão social e a diminuição da desigualdade 
social.
• Discutimos a nova institucionalidade de proteção social no Brasil, que se 
efetivou após a Constituição Federal de 1988, é uma nova ordem constitucional 
destinada a assegurar uma nova ordem nacional, econômica e social.
• Verificamos as diretrizes instituídas pelo governo atual e compreendemos 
efetivamente o projeto neodesenvolvimentista nacional, no sentido de fortalecer 
a democracia e ao mesmo tempo fortalecer a economia.
121
AUTOATIVIDADE
1 Conforme estudo deste tópico, associe os itens, utilizando o código a seguir:
I- Nova institucionalidade.
II- Políticas públicas
III- Políticas sociais
IV- Fases históricas da política social
( ) São criadas, formuladas, reguladas, ampliadas, revistas, renovadas, 
transformadas e se efetivam no seio da sociedade, necessárias para a 
concretização da cidadania, no sentido direcionado à proteção social. 
( ) Podemos citar a primeira como de proteção, a segunda como de seguro 
para os trabalhadores e a terceira como de seguridade social para todos os 
cidadãos.
( ) Contata-se que se efetivou no Brasil após a Constituição Federal de 1988. 
( ) São todas as ações do Estado, dizem respeito a tudo o que o Estado já 
realizou, realiza ou deixa de realizar, que podem oportunizar a melhoria da 
qualidade de vida na sociedade ou favorecer setores dominantes da sociedade 
capitalista.
Agora, assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:
( ) I – IV – III – II.
( ) III – II – IV – I.
( ) III – IV – I – II.
( ) I – III – II – IV.
122
123
TÓPICO 3
A CRIAÇÃO E AMPLIAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS 
BRASILEIRAS
UNIDADE 2
1 INTRODUÇÃO
Neste tópico estudaremos a necessidade e a função das políticas públicas, 
das políticas sociais e o desenvolvimento dos sistemas de proteção social no que diz 
respeito à ampliação das políticas sociais brasileiras em sua nova institucionalidade, 
especificamente, a de assistência social.
Aprofundaremos a nova institucionalidade de proteção social no Brasil que 
se efetivou após a Constituição Federal de 1988, uma nova ordem constitucional 
destinada a assegurar uma nova ordem nacional, econômica e social, conforme 
as diretrizes postas pelo atual governo, assim iremos compreender um pouco 
mais sobre a amplitude das políticas públicas, especificamente sobre a política de 
assistência social no Brasil.
2 A POLÍTICA NACIONAL DE SEGURIDADE SOCIAL
O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) 
se originou de três estruturas governamentais que foram extintas: Ministério 
Extraordinário de Segurança Alimentar e Nutricional (MESA), Ministério da 
Assistência Social (MAS) e Secretaria Executiva do Conselho Gestor Interministerial 
do Programa Bolsa Família. 
“Com a criação do MDS, em 2004, o Governo Federal centralizou as 
iniciativas e passou a executar sua estratégia de desenvolvimento social de forma 
mais robusta e articulada e com maiores investimentos nas políticas públicas, que 
atendem dezenas de milhões de pessoas”. (MDS, 2015).
Em 2004 foi criado o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à 
Fome (MDS), tendo função de promover a inclusão social, a segurança alimentar, 
a assistência integral e uma renda mínima de cidadania às famílias brasileiras 
que vivem em situação de vulnerabilidade social. Nesse sentido, esse ministério 
124
UNIDADE 2 | O NEODESENVOLVIMENTO NO CAPITALISMO E O ACIRRAMENTO DAS
 EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL
implementou inúmeros programas e políticas públicas de desenvolvimento social, 
realizando a gestão do Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS) e aprovando 
os orçamentos gerais do Serviço Social da Indústria (SESI), do Serviço Social do 
Comércio (SESC) e do Serviço Social do Transporte (SEST) (MDS, 2015).
Por meio de programas de transferência direta de renda, como o Bolsa 
Família, o MDS proporciona cidadania e inclusão social aos beneficiários, que são 
comprometidos com atividades de saúde e educação. O Ministério também realiza 
ações estruturantes, emergenciais e sustentáveis de combate à fome, através de 
ações de produção e distribuição de alimentos, de incentivo à agricultura familiar, 
de desenvolvimento regional e de educação alimentar, respeitando as diversidades 
culturais brasileiras. O órgão dedica-se, ainda, a consolidar o direito à assistência 
social em todo o território nacional e dar agilidade ao repasse de verbas do Governo 
Federal para os estados e municípios (MDS, 2015).
O MDS se originou de três estruturas governamentais que foram extintas: 
Ministério Extraordinário de Segurança Alimentar e Nutricional (Mesa), 
Ministério da Assistência Social (MAS) e Secretaria Executiva do Conselho Gestor 
Interministerial do Programa Bolsa Família. “Com a criação do MDS, em 2004, 
o Governo Federal centralizou as iniciativas e passou a executar sua estratégia 
de desenvolvimento social de forma mais robusta e articulada e com maiores 
investimentos nas políticas públicas, que atendem dezenas de milhões de pessoas”. 
(MDS, 2015).
Atualmente, todas as ações do MDS são realizadas nas três esferas 
de governo e em parceria articulada com a sociedade civil, com organismos 
internacionais e instituições de financiamento, procurando estabelecer uma sólida 
rede de proteção e promoção social que tenta destituir o ciclo de pobreza histórica 
no país e diminuição da desigualdade social.
A Constituição Federal de 1988, em seu Art. 194, especifica que “A seguridade 
social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes 
públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à 
previdência e à assistência social”. (PALÁCIO DO PLANALTO PRESIDÊNCIA 
DA REPÚBLICA, 2015b).
Verificamos que a concepção de Seguridade Social representa um dos 
maiores avanços da Constituição Federal de 1988, no que diz respeito à proteção 
social e no atendimento às necessidades e reivindicações da classe trabalhadora, 
da população brasileira, de grupos e pessoas