A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
1a_relacao_familia_escola_e_def

Pré-visualização | Página 3 de 5

o deficiente, e romper preconceitos.
O texto a seguir convida você a refletir sobre a influência dos aspectos 
sociais, na formação do sujeito.
Escolhas e repercussão social
Toda sociedade grande e complexa tem, na verdade, as 
duas qualidades: é muito firme e muito elástica. Em seu interior, 
constantemente se abre um espaço para as decisões individuais. 
Apresentam-se oportunidades que podem ser aproveitadas. 
Aparecem encruzilhadas em que as pessoas têm de fazer escolhas, 
e de suas escolhas, conforme sua posição social pode depender seu 
destino pessoal imediato, ou de uma família, ou ainda, em certas 
situações, de nações inteiras, ou de grupos dentro delas.Pode 
depender de suas escolhas que a resolução completa das tensões 
existentes ocorra na geração atual ou somente na seguinte. Delas 
pode depender a determinação de qual das pessoas ou grupos em 
confronto, dentro de um sistema particular de tensões, se tornará 
o executor das transformações para as quais as tensões estão 
impelindo, e de que lado e em que lugar se localizará os centros 
das novas formas de integração rumo às quais se deslocam 
as mais antigas em virtude, sempre, de suas tensões. Mas as 
oportunidades entre as quais a pessoa assim se vê forçada a optar 
não são em si mesmas criadas por essa pessoa. São prescritas 
18
 A Relação Família, Escola e Deficiência Intelectual
e limitadas pela estrutura especifica de sua sociedade e pela 
natureza das funções que as pessoas exercem dentro dela. E, se 
for à oportunidade que ela aproveite, seu ato se entremeará com 
os de outras pessoas; desencadeará outras sequências de ações, 
cuja direção e resultado provisório não dependerão desse indivíduo, 
mas da distribuição do poder e da estrutura das tensões em toda essa 
rede humana móvel. ELIAS(1994).
Atividade de Estudos: 
1) Conforme vimos, a escola busca subsídios para tornar 
possível a aprendizagem para a pessoa com deficiência 
intelectual. Nesse contexto, como a escola vem abordando a 
aprendizagem da pessoa com deficiência intelectual? Descreva 
suas observações..
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 ________________________________________________
 
19
A ConjunturA dA tríAde FAmíliA, esColA e deFiCiênCiA inteleCtuAl Capítulo 1 
O que a sociedade 
antes entendia como 
desviante, louco, hoje 
a sociedade o entende 
com um sujeito com 
deficiência intelectual, 
apto mediante 
as possibilidades 
que essa mesma 
sociedade a ponha a 
seu dispor.
Santaela apud Jaspers. (1978, p.59) “O mundo é normal pelo 
que representa em objetividade na união entre os homens, na 
mutualidade em que estes colaboram, desenvolvendo, estimulando 
e exaltando a vida. É anormal se, em vez de aproximar, separa 
e isola os homens; se restringe e atrofia; e se desaparece o 
sentimento de poder, de domínio sobre o espaço, em que o animo 
e a vontade podem distribuir a sua capacidade e utilizar os bens 
advindos dessa posse”
do leProsário Ao mAniCômio - o sujeito 
normAl e AnormAl nA soCiedAde
Para darmos continuidade a aprendizagem do processo de inclusão seja 
social ou escolar para as pessoas que são consideradas com deficiência 
intelectual, abordando como a sociedade ainda dita os conceitos do que 
é normal ou anormal. Se o sujeito não se encontra dentro dos padrões 
considerados normais, já é considerado fora do contexto social.
A maneira do sujeito se comportar nas suas vivências sociais, familiares 
e escolares, portando-se de acordo com o que a sociedade espera dele, 
classifica-se automaticamente como normal. A partir do momento que o 
sujeito contrasta com esse padrão já muda a maneira de compreensão da 
sociedade, da família e principalmente da escola, que espera e quer sempre 
uma homogeneidade em suas salas de aula. 
Mesmo que numa sociedade em que os valores são alterados de acordo 
com o que os membros dessa mesma esfera,que considerada natural nos 
procedimentos de seus membros a convivência com as pessoas que se 
desviam dessas estruturas segundo as regras da normalidade que esses 
mesmos membros impõem. KRAUZ (1989) escreve que ao nos posicionarmos 
nos sentidos cognitivos, ou morais, ou mesmo estéticos sejam nos valores 
como verdade, e até mesmo a significação do correto são relativos aos 
contextos nos quais estão inseridos. O que a sociedade antes entendia como 
desviante, louco, hoje a sociedade o entende com um sujeito com deficiência 
intelectual, apto mediante as possibilidades que essa mesma sociedade a 
ponha a seu dispor.
20
 A Relação Família, Escola e Deficiência Intelectual
Já que estudamos sobre as diversas nomenclaturas e como a sociedade, 
família e a escola vêm lidando com a pessoa com deficiência inserimos o texto 
abaixo sugere uma reflexão sobre como as instituições estão redefinindo e 
diferenciando deficiência intelectual, deficiência mental e doença mental.
Definição de Deficiência Intelectual da AAIDD American 
Associationon Intellectual and Develop mental Disabillities 
(Associação Americana de Deficiência Intelectual e do 
Desenvolvimento).
Deficiência Intelectual
É definida como limitações importantes que afetam o 
funcionamento intelectual, significativamente abaixo da média, 
acompanhado de limitações significativas no funcionamento 
adaptativo em pelo menos duas das seguintes áreas de 
habilidades: comunicação, autocuidados, competência doméstica, 
habilidades sociais, interpessoais, uso de recursos comunitários, 
auto- suficiência, habilidades acadêmicas, trabalho, lazer, saúde e 
segurança. O inicio deve ocorrer antes dos 18 anos.
Essa definição, adotada para diagnóstico de deficiência 
intelectual, não considera apenas o QI baixo como até a pouco 
era diagnosticado, mas também, uma avaliação abrangente das 
habilidades e dificuldades da pessoa deficiente em se relacionar 
com o meio ambiente, na execução das atividades diárias, nos 
cuidados pessoais, no aprendizado acadêmico e na atuação no 
meio onde vive. 
Exemplificando, as pessoas com deficiência intelectual se 
relacionam com o mundo de forma diferenciada da maioria das 
pessoas. São mais lentas, levam mais tempo para aprender, ou 
seja, precisam de apoio na escola e no trabalho. Essas dificuldades 
variam de intensidade podem ser leves ou mais acentuadas. As 
mais leves são mais difíceis de serem identificadas, porque não 
são evidentes. São observadas pelas famílias e posteriormente 
diagnosticadas na idade escolar. Assim, nas diversas formas que 
se apresentam, vão precisar de mais ou menos apoio. A deficiência 
intelectual não é uma doença, mas, uma incapacidade intelectual, 
em determinadas áreas de acordo com o comprometimento de 
cada pessoa. 
21
A ConjunturA dA tríAde FAmíliA, esColA e deFiCiênCiA inteleCtuAl Capítulo 1 
A deficiência mental
Caracteriza-se por registrar um funcionamento intelectual 
geral significativamente abaixo da média, oriundo do período 
de desenvolvimento, concomitante