A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
134 pág.
Código de Processo Civil Destacado (2020)

Pré-visualização | Página 10 de 50

valor das
sanções impostas aos serventuários pertencerá ao Estado ou à
União.
Art. 97. A União e os Estados podem criar fundos de moderniza-
ção do Poder Judiciário, aos quais serão revertidos os valores das
sanções pecuniárias processuais destinadas à União e aos Esta-
dos, e outras verbas previstas em lei.
SÚMULAS SOBRE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS
 E DESPESAS PROCESSUAIS
STF
Súmula vinculante 47-STF: Os honorários advocatícios incluí-
15
dos na condenação ou destacados do montante principal devi-
do ao credor consubstanciam verba de natureza alimentar
cuja satisfação ocorrerá com a expedição de precatório ou re-
quisição de pequeno valor, observada ordem especial restrita
aos créditos dessa natureza.
Súmula 257-STF: São cabíveis honorários de advogado na ação
regressiva do segurador contra o causador do dano. 
Súmula 450-STF: São devidos honorários de advogado sempre
que vencedor o beneficiário de justiça gratuita.
Súmula 616-STF: É permitida a cumulação da multa contratual
com os honorários de advogado, após o advento do Código de
Processo Civil vigente. 
STJ
Súmula 14-STJ: Arbitrados os honorários advocatícios em per-
centual sobre o valor da causa, a correção monetária incide a
partir do respectivo ajuizamento.
Súmula 201-STJ: Os honorários advocatícios não podem ser fi-
xados em salários-mínimos. 
Súmula 232-STJ: A Fazenda Pública, quando parte no proces-
so, fica sujeita à exigência do depósito prévio dos honorá-
rios do perito. 
Súmula 326-STJ: Na ação de indenização por dano moral, a
condenação em montante inferior ao postulado na inicial não
implica sucumbência recíproca. 
Súmula 345-STJ: São devidos honorários advocatícios pela Fa-
zenda Pública nas execuções individuais de sentença proferida
em ações coletivas, ainda que não embargadas. 
Súmula 421-STJ: Os honorários advocatícios não são devidos à
Defensoria Pública quando ela atua contra a pessoa jurídica
de direito público à qual pertença. 
STF - Após as ECs 45/2004, 74/2013 e 80/2014, passou a ser
permitida a condenação do ente federativo em honorários
advocatícios em demandas patrocinadas pela Defensoria Pú-
blica, diante de autonomia funcional, administrativa e orça-
mentária da Instituição. STF. Plenário. AR 1937 AgR, Rel. Min.
Gilmar Mendes, julgado em 30/06/2017
Súmula 453-STJ: Os honorários sucumbenciais, quando omiti-
dos em decisão transitada em julgado, não podem ser cobrados
em execução ou em ação própria. • Superada, em parte, com o
novo CPC. • Vide o art. 85, § 18 do CPC 2015
Súmula 462-STJ: Nas ações em que representa o Fundo de Ga-
rantia do Tempo de Serviço (FGTS), a Caixa Econômica Federal
(CEF) não está isenta de reembolsar as custas pela parte ven-
cedora.
Súmula 488-STJ: O parágrafo 2º do art. 6º da Lei 9.469/97, que
obriga à repartição dos honorários advocatícios, é inaplicável a
acordos ou transações celebrados em data anterior à sua vigên-
cia. 
JURISPRUDÊNCIA EM TESES DO STJ
EDIÇÃO N. 128: DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS - I 
1) O marco temporal para a aplicação das normas do Código de
Processo Civil de 2015, a respeito da fixação e da distribuição
dos honorários de sucumbência, É A DATA DA PROLAÇÃO DE
SENTENÇA/ACÓRDÃO que as impõe.
2) Não se aplica a regra do art. 85, § 2º, do CPC/2015,
direcionada ao arbitramento dos honorários advocatícios
sucumbenciais, na hipótese em que a sentença tiver sido
proferida na vigência do antigo diploma processual civil.
3) É inviável o arbitramento de honorários advocatícios de
sucumbência, diretamente pelo Superior Tribunal de Justiça -
STJ, com base no art. 85 do Código de Processo Civil de 2015,
sob pena de configurar supressão de grau de jurisdição e de
desvirtuar a competência recursal da Corte.
4) Somente nos recursos interpostos contra decisão
publicada a partir de 18 de março de 2016 será possível o
arbitramento de honorários sucumbenciais recursais, na
forma do art. 85, § 11, do NCPC.
5) O § 11 do art. 85 do CPC/2015, que disciplinou a hipótese de
majoração da verba honorária em grau de recurso, tem
dupla funcionalidade: atender à justa remuneração do
patrono pelo trabalho adicional na fase recursal e inibir o
exercício abusivo do direito de recorrer.
6) Os honorários recursais não têm autonomia nem existência
independente da sucumbência fixada na origem e
representam um acréscimo ao ônus estabelecido
previamente, motivo por que na hipótese de descabimento ou
de ausência de fixação anterior, não haverá falar em honorários
recursais.
7) Para a majoração de honorários advocatícios na instância
recursal, não é exigível a comprovação de trabalho adicional
do advogado, que será considerado apenas para a
quantificação de tal verba.
8) Os honorários recursais incidem apenas quando houver a
instauração de novo grau recursal e não a cada recurso
interposto no mesmo grau de jurisdição.
9) Os honorários recursais de que trata o art. 85, § 11, do
CPC/2015, são aplicáveis tanto nas hipóteses de não
conhecimento integral quanto de não provimento do
recurso.
11) O art. 85, § 7º, do CPC/2015 não afasta a aplicação do
entendimento consolidado na Súmula 345 do STJ, de modo que
são devidos honorários advocatícios nos procedimentos
individuais de cumprimento de sentença decorrente de ação
coletiva, ainda que não impugnados e promovidos em
litisconsórcio. (Tese julgada sob o rito do art. 1.039 do
CPC/2015 - TEMA 973)
EDIÇÃO N. 129: DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS - II
1) Os honorários advocatícios têm natureza alimentar, sendo
possível a penhora de verbas remuneratórias para o seu pa-
gamento.
2) O § 8º do art. 85 do Código de Processo Civil de 2015
transmite regra excepcional, de aplicação subsidiária, em que se
permite a fixação dos honorários sucumbenciais por critério de
equidade, para as hipóteses em que, havendo ou não
condenação:
(I) o proveito econômico obtido pelo vencedor seja inestimável
ou irrisório; ou
(II) o valor da causa seja muito baixo.
3) Não é possível a compensação de honorários advocatícios
quando a sua fixação ocorrer na vigência do CPC/2015 - art.
85, § 14.
4) A majoração da verba honorária sucumbencial recursal,
prevista no art. 85, § 11, do CPC/2015, pressupõe a existência
cumulativa dos seguintes requisitos:
a) decisão recorrida publicada a partir de 18.03.2016, data de
entrada em vigor do novo Código de Processo Civil;
b) recurso não conhecido integralmente ou não provido,
monocraticamente ou pelo órgão colegiado competente; e
c) condenação em honorários advocatícios desde a origem
no feito em que interposto o recurso.
5) Quando devida a verba honorária recursal, mas, por omissão,
o relator deixar de aplicá-la em decisão monocrática, poderá o
colegiado arbitrá-la ex officio, por se tratar de matéria de
16
ordem pública, que independe de provocação da parte.
6) O recurso interposto pelo vencedor para ampliar a
condenação - que não seja conhecido, rejeitado ou desprovido -
não implica honorários de sucumbência recursal para a parte
contrária.
7) Por critério de simetria, não é cabível a condenação da
parte vencida ao pagamento de honorários advocatícios em
favor do Ministério Público nos autos de ação civil pública
ou de ação coletiva, salvo comprovada má-fé.
8) São devidos honorários advocatícios nas reclamações
julgadas a partir da vigência do Código de Processo Civil de
2015, quando angularizada a relação processual.
10) São devidos honorários advocatícios no cumprimento de
sentença, haja ou não impugnação, depois de escoado o prazo
para pagamento voluntário, que se inicia após a intimação do
advogado da parte executada. (Súmula n. 517/STJ)
11) Não é possível a modificação do valor de verba
honorária fixada em sentença transitada em julgado, sob
pena de ofensa à coisa julgada.
12) São devidos honorários advocatícios sucumbenciais pelo
exequente em virtude do acolhimento total ou parcialmente de
exceção de pré-executividade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.