A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
a-importancia-da-estimulacao-precoce-em-criancas-com-sindrome-de-down-revisao-bibliografica

Pré-visualização | Página 1 de 3

1 
 
Artigo de Revisão 
 
A importância da estimulação precoce em crianças com Síndrome de 
Down: Revisão bibliográfica 
 
The importance of early intervention in children with Down syndrome: 
Literature review 
 
Marcelle Souza de Souza, Giulliano Gardenghi2 
 
Resumo 
Introdução: A Síndrome de Down (SD) é caracterizada como condição genética, que leva seu 
portador a apresentar uma série de características físicas e mentais específica que afeta 
diretamente o desenvolvimento psicomotor, e a hipotonia generalizada, presente desde o 
nascimento. Objetivo: O objetivo deste estudo é avaliar o estimulo precoce e a sua 
importância para os portadores com síndrome de Down. Metodologia: Revisão Bibliográfica 
em artigos publicados no período de 2000 a 2016 que relatem a importância da estimulação 
precoce em crianças com Síndrome de Down. Resultados/Conclusão: A estimulação precoce 
ajuda a minimizar os distúrbios do desenvolvimento possibilitando um maior potencial aos 
portadores da síndrome. 
Descritores: Síndrome de Down; Estimulação Precoce; Fisioterapia. 
 Abstract 
Introduction: Down Syndrome (DS) is characterized as a genetic condition which leads the 
holder to present a series of physical and mental characteristics specific that directly affects 
psychomotor development and generalized hypotonia, present from birth. Objective: The 
objective of this study is to evaluate the early stimulation and its importance for patients with 
Down syndrome. Methodology: Literature Review articles published from 2000 to 2016 to 
report the importance of early stimulation in children with Down syndrome. Results / 
Conclusion: Early stimulation helps minimize developmental disorders enabling a greater 
potential to have the syndrome. 
Keywords: Down syndrome; Early stimulation; Physiotherapy. 
1. Fisioterapeuta, acadêmica do curso de especialização em Fisioterapia Pediátrica e 
neonatal – Da UTI à reabilitação Neurológica do Centro de Estudos Avançados e 
Formação Integrada, chancelado pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. 
2. Fisioterapeuta, Doutor em Ciências pela FMUSP, Coordenador Científico do Serviço de 
Fisioterapia do Hospital ENCORE/GO, Coordenador Científico do CEAFI Pós-
graduação/GO e Coordenador do Curso de Pós-graduação em Fisioterapia Hospitalar do 
Hospital e Maternidade São Cristóvão, São Paulo/SP – Brasil. 
2 
 
Introdução 
A Síndrome de Down (SD) é caracterizada como condição genética, 
causada por alteração cromossômica, que leva seu portador a apresentar uma 
série de características físicas e mentais específicas, foi descrita a primeira vez 
por John Langdon Down, médico inglês, em 18661. 
A síndrome de Down constitui uma das causas mais frequentes de 
deficiência mental (DM), compreendendo cerca de 18% do total de deficientes 
mentais em instituições especializadas. No início era inadequadamente 
chamado de idiotia mongoloide, gerando preconceito, além do atraso no 
desenvolvimento, outros problemas de saúde podem ocorrer no portador da 
síndrome de Down: cardiopatia congênita (40%); hipotonia (100%); problemas 
de audição (50 a 70%); de visão (15 a 50%); alterações na coluna cervical (1 a 
10%); distúrbios da tireoide (15%); problemas neurológicos (5 a 10%); 
obesidade e envelhecimento precoce. Em termos de desenvolvimento, a 
síndrome de Down pode ser considerada geneticamente letal quando se 
considera que 70–80% dos casos são eliminados prematuramente2. 
Existem alterações severas quanto às internalizações nas crianças 
com Síndrome de Down relacionadas aos conceitos de tempo e espaço, que 
dificultarão muitas aquisições e refletirão especialmente em memória e 
planificação, além de dificultarem muito a aquisição de linguagem3. 
O desenvolvimento da criança com Síndrome de Down é bastante 
semelhante à de crianças sem a síndrome, e as etapas e os grandes marcos 
são atingidos, embora em um ritmo mais lento, sendo necessário a estimulação 
precoce4,5. 
A estimulação precoce pode ser definida como um conjunto de ações 
de uma equipe multiprofissional que estabelece incentivadores ambientais 
destinados a proporcionar a criança de risco ou com necessidades especiais, 
nos seus primeiros anos de vida, experiências significativas inseridas num 
contexto para garantir o desenvolvimento pleno em seu processo evolutivo, 
sendo importante a participação da família, assumindo papel ativo frente ao 
processo de evolução e de aquisição de conhecimentos da criança15. 
3 
 
A estimulação precoce visa a evitar ou minimizar os distúrbios do 
desenvolvimento neuropsicomotor e possibilitar à criança desenvolver-se em 
todo o seu potencial6. 
O objetivo deste estudo é avaliar o estimulo precoce e a sua 
importância para os portadores com síndrome de Down. 
 
Metodologia 
A metodologia utilizada foi uma pesquisa bibliográfica, realizadas em 
nas bases de dados da BVS (Biblioteca Virtual de Saúde) e Pubmed no 
período de 20 a 2016, nos idiomas português, inglês e espanhol. 
Como estratégia utilizou-se os descritores: Síndrome de Down, 
estimulação precoce, fisioterapia combinados ou não e seus respectivos 
termos em inglês. Foram determinados os seguintes critérios de inclusão: 
artigos originais, estudos de casos ou de revisão teórica publicados em 
português, inglês e espanhol. Foram excluídos os artigos que não se 
relacionavam ao objetivo proposto e aqueles que se repetiam no cruzamento 
dos descritores e os que estavam fora da data pré-determinada. 
Foi feita uma leitura seletiva e aprofundada dos artigos escolhidos e 
partes importantes foram colocadas em fichas de acordo com os objetivos 
propostos. Dessa forma, foram incluídos estudos de revisão sistemática, 
estudos de coorte, retrospectivos, prospectivos, observacionais. 
 
Resultados 
A tabela a seguir apresentará os resultados dos estudos encontrados. 
4 
 
 
Resultado da estimulação precoce em pacientes com Síndrome de Down 
Autores Objetivos Métodos Conclusão 
Ribeiro (2010)7 Conhecer e traçar o 
panorama atual do 
tratamento 
fisioterapêutico motor 
(FM), para portadores de 
SD vigente no Município 
do RJ, como parte da 
estimulação precoce 
Estudo 
descritivo, 
transversal. 
O desconhecimento da rede 
de reabilitação municipal e a 
discrepância no atendimento 
fisioterapêutico oferecido por 
cada instituição foram 
identificados como fatores 
prejudiciais a assistência 
prestada. 
Mattos, Bellani 
(2010)8 
Descrever a importância 
da estimulação precoce 
no desenvolvimento e 
aquisição das habilidades 
motoras de crianças com 
Síndrome de Down, com 
base na 
neuroplasticidade, e na 
influência positiva que os 
pais podem exercer 
proporcionando um 
ambiente favorável ao 
desenvolvimento global 
da criança. 
Revisão 
Bibliográfica 
Os dados obtidos com esse 
trabalho evidenciam a 
concordância entre os autores 
com relação à importância da 
intervenção precoce nos 
primeiros anos de vida. 
Giacchini, 
Tonial, Mota 
(2013)9 
Expor os resultados 
obtidos através da 
instrumentalização 
fonoaudiológica à 
profissional que atua em 
um Setor de Estimulação 
Precoce de uma 
instituição sem fins 
lucrativos do sul do país 
Estudo de 
Caso 
Salienta-se, com os resultados 
obtidos, o mérito da 
estimulação precoce 
adequada nos primeiros anos 
de vida, evidenciando o seu 
papel na maturação cerebral 
de crianças com necessidades 
especiais e destacando o 
papel do fonoaudiólogo nesse 
trabalho 
5 
 
 
Autores Objetivos Métodos Conclusão 
Araújo et al 
(2016)10 
Elaborar uma cartilha 
para descrever a 
importância da 
intervenção do 
fisioterapeuta e dos 
cuidadores no processo 
de estimulação para o 
desenvolvimento 
adequado das crianças 
com SD.T 
Pesquisa 
Explicativa 
Foi elaborada uma cartilha de 
orientações para estimulação 
do desenvolvimento 
neuropsicomotor de crianças 
com Síndrome de Down. O 
uso da cartilha poderpa 
promover estimulação precoce

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.