A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
seguridade social assistencia social

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
AVC – AVALIAÇÃO CONTÍNUA 
FOLHA DE RESPOSTA 
 
Disci 
 
Resolução / Resposta 
Em 1985 temos como contexto um momento em que se exige do setor 
assistencial práticas inovadoras para demandas postas pela nova realidade 
nacional de transição democrática, em que um número crescente da população 
pedia respostas mais ágeis e efetivas de uma política assistencial. 
Desde então se discutiu mais intensamente o caminho para se formular uma 
política pública de assistência social através da inclusão de direitos sociais e, mais 
especificamente, do direito à seguridade social, e nela, a garantia à saúde, à 
assistência e previdência social na Constituição Federal. 
A partir da luta de diversos grupos e movimentos sociais, como sindicatos, 
partidos políticos, trabalhadores da área, intelectuais, profissionais liberais, 
parcelas da igreja, organizações públicas e privadas entre outros, foi-se discutindo 
e construindo uma proposta de Lei Orgânica e de Política de Assistência Social 
em favor das pessoas em situação de vulnerabilidade e exclusão. 
Na Constituição Federal de 1988 o marco legal para a compreensão das 
transformações e redefinições do perfil histórico da assistência social no País, que 
a qualifica como política de seguridade social. 
A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos 
Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à 
saúde, à previdência e à assistência social. 
No que diz respeito às ações a serem desenvolvidas neste setor, dois princípios 
contidos, no artigo 204 da Constituição, são inovadores e de indiscutível 
importância para o seu completo êxito, ou seja, o que se refere à descentralização 
político-administrativa e o relativo à participação da sociedade brasileira na 
discussão dos temas afetos ao setor. 
A exposição de motivos da LOAS enfatiza que se levou em consideração, em sua 
elaboração, o comprometimento da assistência social com o estatuto da 
cidadania, entendendo-se que a assistência social somente será um direito social 
a medida que extrapolar os limites de sua ação convencional. 
O LOAS propõe a introdução de mudanças estruturais e conceituais na 
assistência social pública, transformando e criando, através dela, um novo cenário 
Disciplina: Seguridade Social: Assistência Social 
 
 
 2 
com novos atores e, seguramente, novas estratégias e práticas, além de novas 
relações interinstitucionais e com a sociedade. 
LOAS deixa claro que a Assistência Social é direito do cidadão e dever do Estado 
e que se trata de uma política de seguridade social não contributiva, que deve 
prover os mínimos sociais através de um conjunto integrado de ações de iniciativa 
pública e da sociedade, para garantir o atendimento às necessidades básicas. 
A realidade sócio-histórica brasileira convive com grandes desigualdades sociais e 
níveis inaceitáveis de miséria e pobreza, resultante da intensa concentração de 
renda, convivendo assim com o paradoxo: ser um país rico economicamente, 
embora desigual. 
Considera-se, portanto, a questão social como algo que é inerente ao modo de 
produção capitalista, o qual expande e intensifica as relações de desigualdade, 
miséria e pobreza, por conta da concentração de poder e riqueza em certos 
segmentos sociais. 
Para tanto, as políticas sociais se materializam na viabilização dos direitos sociais, 
tendo a presença do Estado e da sociedade civil como peças fundamentais nesse 
processo de execução, formulação e no seu planejamento. 
A crise de 1969-70, segundo os neoliberais, era fruto do poder dos sindicatos e do 
movimento operário, que desgastam as bases de acumulação, e do aumento dos 
gastos sociais do Estado, o que resulta em processos inflacionários. 
Diante do exposto, os neoliberais defendem a não intervenção do Estado no 
comércio exterior e na regulamentação dos mercados financeiros, no qual a 
estabilidade econômica é a principal meta a ser alcançada – o que só se efetivará 
se houver uma redução dos gastos sociais e a manutenção da taxa “natural” de 
desemprego, integrada a reforma fiscal, com diminuição do imposto para altos 
rendimentos. 
Já no período da Nova República, em meados da década de 80 as políticas 
sociais possuíam um caráter compensatório, isolado, emergencial e clientelístico, 
principalmente no fim do governo de Sarney. 
Nota-se também outra consequência advinda da reforma do Estado, que consiste 
em um mínimo estatal na área social, ocorrendo à privatização e a transferência 
das responsabilidades do Estado para a sociedade civil, surgindo conceitos como: 
voluntariado, solidariedade e cooperação. 
Dentro desse contexto, cria-se o programa “Comunidade Solidária” que tem como 
premissa o combate à pobreza, valendo ressaltar que recebeu demasiadas 
críticas, pois era visto como continuidade de um processo da assistência no seu 
pior sentido, resgatando as características das políticas sociais da década de 80, 
na Nova República, como um programa de natureza compensatória. 
 
 
 3 
O contexto neoliberal implica na perda de identidade do coletivo, pautando-se na 
autonomia do indivíduo social e político de si mesmo, fragilizando o enfrentamento 
político e a luta pela diminuição das desigualdades sociais no Brasil. 
Atualmente, observa-se que a questão social passa por um processo de 
criminalização, retrocedendo e remetendo à concepção de que deve ser tratada 
como caso de polícia, naturalizando assim, as diversas desigualdades que 
permeiam as relações sociais contraditórias e desiguais da sociedade. 
No entanto, é necessário ressaltar que a questão social ganhou espaço na cena 
pública, demandando com isso a intervenção do Estado no reconhecimento e na 
viabilização de direitos dos sujeitos sociais. 
Verifica-se uma tendência atual onde as expressões da questão social recebem 
intervenção através de programas sociais, que por sua vez, compreendesse como 
um enfrentamento pontual da pobreza, em detrimento de uma intervenção 
sistemática do Estado na viabilização das necessidades básicas, desse modo, a 
questão social é tratada através de uma assistência focalizada. 
Em apenas um ano, o Brasil passou a ter quase 2 milhões de pessoas a mais 
vivendo em situação de pobreza. A pobreza extrema também cresceu em patamar 
semelhante. É o que mostra a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada 
nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
De acordo com a pesquisa, em 2016 havia no país 52,8 milhões de pessoas em 
situação de pobreza no país. Este contingente aumentou para 54,8 milhões em 
2017, um crescimento de quase 4%, e representa 26,5% da população todal do 
país, estimada em 207 milhões naquele ano (em 2016, eram 25,7%). 
Já a população na condição de pobreza extrema aumentou em 13%, saltando de 
13,5 milhões para 15,3 milhões no mesmo período. Do total de brasileiros, 7,4% 
estavam abaixo da linha de extrema pobreza em 2017. Em 2016, quando a 
população era estimada em cerca de 205,3 milhões, esse percentual era de 6,6%. 
 “A renda do trabalho compõe a maior parte da renda domiciliar. A taxa de 
desocupação continuou elevada neste ano, por isso a pobreza aumentou”, 
destacou. 
Segundo o IBGE, é considerada em situação de extrema pobreza quem dispõe de 
menos de US$ 1,90 por dia, o que equivale a aproximadamente R$ 140 por mês. 
Já a linha de pobreza é de rendimento inferior a US$ 5,5 por dia, o que 
corresponde a cerca de R$ 406 por mês. Essas linhas foram definidas pelo Banco 
Mundial para acompanhar a pobreza global. 
O rendimento médio mensal domiciliar per capita (a soma das rendas de todos os 
moradores do domicílio, dividida pelo número de pessoas) obtido no país foi de R$ 
1.511 em 2017. 
• Desafio do SUAS na atualidade é comum a existência de Prefeitos e 
Secretários Municipais de Assistência Social que não aceitam ou não adotam os