A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Blind Tourist

Pré-visualização | Página 1 de 3

( NOME DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO ) 
( aLUNO ) 
PERCEPÇÃO DA PAISAGEM PELO TURISTA CEGO 
CURITIBA - PR
2019
aLUNO
PERCEPÇÃO DA PAISAGEM PELO TURISTA CEGO 
Projeto de pesquisa apresentado como pré-requisito para a obtenção da nota parcial da disciplina ________________________
Orientadora: Profª. ____________________
Curitiba - PR
2019
Projeto de pesquisa, desenvolvimento da Monografia Percepção da Paisagem pelo Turista Cego por Aluno como parte dos requisitos para a obtenção do título de Bacharel em ______________________ outorgado pela _________________________
APROVADO EM: _______/_______/_______
BANCA EXAMINADORA:
Prof. da _________a, Nome do orientador, titulação (Esp, Me, Dr)
Orientador (a)
Examinador
Examinador
Resumo 
Experiências sensoriais são proferidas intensamente na indústria do turismo e hotelaria porque os turistas visitam destinos para aplacar suas experiências e provisões, influenciadas por sua configuração fora do familiar. Atualmente, não há estudos básicos suficientes sobre o turismo de base sensorial para viajantes cegos e viajantes. Assim, os principais objetivos deste estudo são : (1) contribuir para o corpo de conhecimento em turismo de base sensorial, (2) compreender um método inclusivo de turismo sensorial com uma visão final de enfatizar sua importância para as experiências de viagem dos turistas globais, especialmente os cegos, (3) educar autoridades de turismo, bem como para dar total atenção e igual crédito às necessidades turísticas deste então evocará uma experiência multisensorial positiva no local e (4) identificará as experiências percebidas do viajantes cegos. Esta pesquisa está ancorada principalmente dentro das limitações da teoria multissensorial, apoiada pela teoria da motivação de viagens e pela teoria da hierarquia de necessidades de Maslow. Esta é uma pesquisa fenomenológica e referências foram utilizadas na coleta / coleta de dados e análise. 
PALAVRA CHAVE : TURISTA CEGO ; TURISMO SENSORIAL; PERCEPÇÃO 
ABSTRACT 
Sensory experiences are uttered intensely in the tourism and hospitality industry because tourists visit destinations to placate their experiences and provisions, influenced by their configuration outside the family. Currently, there are not enough basic studies on sensory-based tourism for blind travelers and travelers. Thus, the main objectives of this study are: (1) to contribute to the body of knowledge in sensory tourism, (2) to understand an inclusive method of sensory tourism with a final view of emphasizing its importance to the global tourists' travel experiences , especially the blind, (3) educate tourism authorities as well as to give full attention and equal credit to the tourism needs of this then will evoke a positive multisensory experience at the site and (4) identify the perceived experiences of blind travelers. This research is anchored primarily within the limitations of multisensory theory, supported by the theory of travel motivation and Maslow's hierarchy of needs theory. This is a phenomenological survey and references were used in data collection / collection and analysis.
KEY WORD: TURISTA CEGO; SENSORY TOURISM; PERCEPTION
Sumário 
INTRODUÇÃO ………………………………………………………………………….
CONCEITOS DE PAISAGEM E SEUS SENTIDOS …………………………………….
PERCEPÇÃO DO ESPAÇO …………………………………………………………….
TEXTURAS DA PAISAGEM ………………………………………………………….
O DEFICIENTE E A DEFICIENCIA …………………………………………………..
 
1. Introdução
A percepção da paisagem está associada à percepção do espaço em primeiro lugar pelo sentido da visão. A percepção visual é complementada por sensações coletadas pelos outros sentidos. 
A aceitação da paisagem, além da visão, é tocada pelo olfato e pela audição.
O turismo é um sistema multifacetado que é visto como a totalidade dos produtos turísticos oferecidos ancorados na imagem de destino com a capacidade de criar experiências que resultem na marca de destino (Degen, 2008; Rodaway, 1994; Crouch, 2002; Markwell, 2001; Pocock, 2002). 
Com o advento da tecnologia e modernização em geral, os prestadores de serviços turísticos, especificamente os operadores turísticos, devem encontrar estratégias e criar valor para os clientes em todas as esferas da vida, incluindo os viajantes cegos. 
Como fervorosamente postulado por Kotler e Armstrong (2014), esses prestadores de serviços de turismo devem ser capazes de gerenciar as experiências turísticas e diversificar suas ofertas de produtos turísticos. As experiências sensoriais são professadas intensivamente na indústria do turismo e hospitalidade porque os turistas visitam os destinos para aplacar suas experiências e provisões, influenciados por seu ambiente fora do comum (Volo, 2010; Chhetri et al., 2004). 
A indústria deve ser capaz de estimular os sentidos dos turistas para criar e entregar uma experiência mais significativa e memorável, especialmente os cegos. 
De fato, uma interpretação multifacetada da literatura multi-sensorial mostra que nossos sentidos fornecem informações sobre os nossos arredores e facilitam as experiências do dia-a-dia, permitindo-nos dar sentido ao nosso domínio (Rodaway, 1994). 
Esta pesquisa visa compreender um método inclusivo de turismo sensorial com uma visão final de enfatizando sua importância para as experiências de viagem dos turistas globais, incluindo os cegos. 
Apesar da ausência de estímulos visuais, os sentidos auditivo, olfativo, gustativo e tátil ainda podem estimular a experiência turística geral (Ditoiu e Caruntu, 2014a). 
Na verdade, com base no Manual sobre Turismo Acessível para Todos: Princípios, Ferramentas e Melhores Práticas, Publicação da Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas (2016), dados coletados nos dizem que na Austrália, em 2003, 12 bilhões foram contabilizados como turistas com incapacidade. 
Esta pesquisa visa estabelecer a conscientização e educar as autoridades de turismo, bem como dar total atenção e igual crédito às necessidades turísticas.
2. CONCEITO DE PAISAGEM E SEUS SENTIDOS 
Desenvolvimentos recentes em ofertas de viagens e turismo que se concentram em novos sites com uma paisagem sonora única está emergindo firmemente (Bernat, 2015). 
Na verdade, esta experiência sensorial é igualmente importante como ver a beleza da paisagem. 
Da mesma forma, como apoiado por Lewandowski & Szumacher (2008) e Rogowski (2008), o papel dos sons na história da humanidade é continuamente reconhecido no turismo. 
Braden ( 2012 ) que nos diz que viajar enquanto experimenta sons descreve a existência de das atrações, portanto, nos dão uma evidência concreta da experiência sensorial do som, especialmente os viajantes cegos. 
Entre os outros estímulos deste estudo, o olfativo é aquele que é independente da nossa vontade (Porteous, JD 1985). 
Uma teoria postulada por Staszak (2013) nos diz que nosso olfato é direto e incontrolável, já que não podemos fechar nossas narinas quando batemos palmas, por exemplo. A sensação, distinta do olfato é traduzida por nossa consciência neuro-sensorial que cria um papel importante porque influencia o bem-estar dos turistas durante a viagem (Dan & Jabsen 2003). 
Através disso, permite ao viajante aumentar sua familiaridade no local visitado. Portanto, o cheiro natural do destino ajuda na construção do processo de criação de um produto turístico sensorial. 
Um dos sentidos distintivos onde a experiência turística é grandemente afetada é o paladar. Amostragem de cozinha local ou diversificada é notável porque isso serve como conexão entre o sabor do prato ou bebida e cultura do destino. 
Este estímulo é normalmente complementado com o olfato, e juntos, os estímulos intensificam a experiência turística.
Sensível Tátil - Constitui um mecanismo importante na experiência turística holística. Refere-se ao senso de toque dos turistas, à maneira como eles experimentam a paisagem ou os destinos, ou seja, textura do solo, vegetação, animais, água,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.