A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
AVAPREND_TSP III (3)

Pré-visualização | Página 1 de 2

1
          Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1
	
	Na Fenomenologia proposta por Husserl, Eidos significa:
		
	
	Realidade
	
	Fenômeno
	
	Nenhuma das respostas anteriores
	 
	Essência
	
	Nôumeno
	Respondido em 07/05/2020 12:22:20
	
Compare com a sua resposta: - A fenomenologia é o estudo do fenômeno, que é aquilo que se manifesta e não poder ser completamente absorvido pela percepção, como acreditava Kant. O lema da fenomenologia é que é ¿necessário voltar às coisas mesmas¿, pois o fenômeno sempre possibilita novas descobertas. Deve-se também voltar, pois há uma espécie de contaminação das coisas pelo sujeito que projeta nas coisas vários componentes quer de ordem lógica, psicológica, social, cultural ou seja, hábitos e costumes. Para Husserl a relação com as coisas deve ser mais autêntica. Separa a consciência de qualquer carga naturalística de a priori inatista (idealismo), afasta a visão positivista e empirista onde todo conhecimento provém do objeto, bem como, critica a visão racionalista kantiana onde o sujeito, através do intelecto, é capaz de apreender, ou seja, assimilar as coisas como se as coisas se transferissem do mundo para o intelecto que o ver. A consciência é sempre de alguma coisa. A consciência não é nada fora da relação entre o sujeito e o objeto fenomênico. Logo, exalta-se a relação como meio para desvendar todo e qualquer conhecimento. A consciência não é uma coisa, mas um modo de visar o mundo, visar as coisas, as pessoas. O sujeito ou a consciência não é ¿isso¿. Não é uma realidade substancial, perfeita, pronta e acabada, que se basta em si. Segundo Husserl não é preciso que na relação entre Sujeito e Objeto um anule o outro. Entende que o objeto não pode ser tragado pelo sujeito e que o sujeito (a consciência) não deve projetar nas coisas seus a priori. Só assim, haverá possibilidade de uma relação autêntica. Para Husserl a Intencionalidade é o modo com o qual a consciência visa as coisas. A consciência tem intenção em relação às coisas. Portanto, a consciência para ele tem uma funcionalidade, um ato de ver e visar. Todavia, o conhecimento da exterioridade não implica em abdicar da interioridade. Nem a consciência constitui o conhecimento das coisas (noção inatista e idealista platônica), nem a as coisas em si a constitui (visão materialista ou empirista britânica). O que constitui o conhecimento é o encontro entre consciência e as coisas. Sendo a Consciência intencional, é sempre Consciência de alguma coisa. O fenômeno, aquilo que se manifesta, não se basta ao sujeito que o percebe, pois sempre há algo a desvendar. Do mesmo modo, o sujeito que percebe sempre percebe algo que se manifesta à luz de sua intencionalidade dentro de um contexto existencial, o que o limita ou amplia sua inserção no mundo. Assim, o psicólogo perante seu cliente não só deve primar por suspender seu juízo diante do fenômeno (o sujeito) à sua frente, como deve buscar entender a maneira que o sujeito tem subjetivado suas experiências em prol de compreender seu mundo, seus comportamentos e as consequências de suas escolhas mais ou menos responsáveis. Nesse sentido, a fenomenologia, em oposição a visão positivista, entende que é possível haver uma Ciências do Humano, ciência está da subjetividade do ser na existência.
	
		2
          Questão
	Acerto: 0,0  / 0,1
	
	Leia a letra de música a seguir: "Devia ter amado mais, Ter chorado mais, Ter visto o sol nascer, Devia ter arriscado mais e até errado mais, Ter feito o que eu queria fazer, Queria ter aceitado as pessoas como elas são, Cada um sabe a alegria e a dor que traz no coração" Link: http://www.vagalume.com.br/titas/epitafio.html#ixzz454lDs0mu. Segundo Sartre,alguém que tem estas reflexões em seu leito de morte:
		
	 
	Viveu sua vida de forma pouco autêntica
	 
	Viveu sua vida de forma autêntica;
	
	Exercitou uma atitude fenomenológica;
	
	Utilizou bem sua liberdade e sua capacidade de escolha
	
	Fugiu da responsabilidade pelas escolhas feitas;
	Respondido em 07/05/2020 12:23:16
	
Compare com a sua resposta: O aluno deverá mencionar o fato de que autoatualização se refere a atingir seu potencial de vida em toda a sua plenitude. Que significa libertar-se das amarras das necessidades, e buscar o ser mais, o ir além, o realizar o que pode em sua esfera de vida.
	
		3
          Questão
	Acerto: 0,0  / 0,1
	
	Maria vive tentando andar na moda, mesmo que isso signifique usar roupas que não são do seu gosto, pois andar na moda é fundamental para que Maria mantenha seu circulo social. De tanto agir dessa maneira, algumas vezes Maria ja nem identifica mais o que realmente gosta. Segundo Heidegger estamos falando de :
		
	
	Redução fenomenológica
	
	Logoterapia
	 
	Ser ai
	
	Dasein
	 
	Dasein inautêntico
	Respondido em 07/05/2020 12:28:02
	
Compare com a sua resposta: - A fenomenologia é o estudo do fenômeno, que é aquilo que se manifesta e não poder ser completamente absorvido pela percepção, como acreditava Kant. O lema da fenomenologia é que é ¿necessário voltar às coisas mesmas¿, pois o fenômeno sempre possibilita novas descobertas. Deve-se também voltar, pois há uma espécie de contaminação das coisas pelo sujeito que projeta nas coisas vários componentes quer de ordem lógica, psicológica, social, cultural ou seja, hábitos e costumes. Para Husserl a relação com as coisas deve ser mais autêntica. Separa a consciência de qualquer carga naturalística de a priori inatista (idealismo), afasta a visão positivista e empirista onde todo conhecimento provém do objeto, bem como, critica a visão racionalista kantiana onde o sujeito, através do intelecto, é capaz de apreender, ou seja, assimilar as coisas como se as coisas se transferissem do mundo para o intelecto que o ver. A consciência é sempre de alguma coisa. A consciência não é nada fora da relação entre o sujeito e o objeto fenomênico. Logo, exalta-se a relação como meio para desvendar todo e qualquer conhecimento. A consciência não é uma coisa, mas um modo de visar o mundo, visar as coisas, as pessoas. O sujeito ou a consciência não é ¿isso¿. Não é uma realidade substancial, perfeita, pronta e acabada, que se basta em si. Segundo Husserl não é preciso que na relação entre Sujeito e Objeto um anule o outro. Entende que o objeto não pode ser tragado pelo sujeito e que o sujeito (a consciência) não deve projetar nas coisas seus a priori. Só assim, haverá possibilidade de uma relação autêntica. Para Husserl a Intencionalidade é o modo com o qual a consciência visa as coisas. A consciência tem intenção em relação às coisas. Portanto, a consciência para ele tem uma funcionalidade, um ato de ver e visar. Todavia, o conhecimento da exterioridade não implica em abdicar da interioridade. Nem a consciência constitui o conhecimento das coisas (noção inatista e idealista platônica), nem a as coisas em si a constitui (visão materialista ou empirista britânica). O que constitui o conhecimento é o encontro entre consciência e as coisas. Sendo a Consciência intencional, é sempre Consciência de alguma coisa. O fenômeno, aquilo que se manifesta, não se basta ao sujeito que o percebe, pois sempre há algo a desvendar. Do mesmo modo, o sujeito que percebe sempre percebe algo que se manifesta à luz de sua intencionalidade dentro de um contexto existencial, o que o limita ou amplia sua inserção no mundo. Assim, o psicólogo perante seu cliente não só deve primar por suspender seu juízo diante do fenômeno (o sujeito) à sua frente, como deve buscar entender a maneira que o sujeito tem subjetivado suas experiências em prol de compreender seu mundo, seus comportamentos e as consequências de suas escolhas mais ou menos responsáveis. Nesse sentido, a fenomenologia, em oposição a visão positivista, entende que é possível haver uma Ciências do Humano, ciência está da subjetividade do ser na existência.
	
		4
          Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1
	
	Para Kierkegaard, o indivíduo existente está apaixonado, inspirado com um pensamento apaixonado. A isso ele denomina: