A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
RESUMO rtf

Pré-visualização | Página 2 de 6

e agulhadas, Sensação de "pontadas e agulhadas" cessa, - Anestesia, 
- Episódios de dor em intervalos de 3 a 18 minutos. ( Frio intenso, queimação, 
dor, analgesia, dormencia) 
"Dor posterior" - uma dor profunda, incômoda e latejante, às vezes com 
sensação de aquecimento - ocorre alguns segundos após remover a área do 
corpo do meio frio. 
Sinais da Aplicação do Frio Contraditórios: Dor : Terminação da dor (lesão) - 
Gradiente térmico - Vasoconstrição (espasmo) 
Vermelhidão:a) Maior redução do fluxo venoso do que arterial (rico em O2); 
b) Redução metabolismo, aumenta concentração de oxihemoglobina, diminui 
separação de Oxigênio da hemoglobina. 
O que ocorre Inativação dos processos químicos nas atividades celulares, 
Vasoconstrição imediata acompanhada de VDS, Rigidez do tecido colágeno, 
Redução do tônus MM e dor,Efeitos sistêmicos. 
Efeitos da Crioterapia : 
Atividade Celular:Diminuição de processos químicos e biológicos e diminuição 
de permeabilidade das membranas 
Fluxo Sanguíneo :Vasoconstrição imediata (termoceptores),VDS(5 a 10 minutos) 
ou Vasodilatação secundária 
VDS:Ocorre por relaxamento de músculos lisos dos vasos sanguíneos 
 A vasodilatação se dá em nível muito superficial 
 
RESPOSTAS AO GELO 
Alterações Neurológicas 
Diminuição do tônus e espasmo muscular 
Mudança na atividade dos fusos musculares 
Alívio da dor (teoria da comporta) 
Diminuição da condução nervosa 
Aumento do limiar de dor 
Indicações da aplicação de crioterapia 
Controle de inflamação 
Controle de edemas (ñ de imobilismo ou vasc.) 
Controle da dor 
Modificação da espasticidade 
Facilitação 
Criocinética e crioalongamento 
Escaras 
Contraindicações 
1- Hipersensibilidade ao frio 
2- Intolerância ao frio 
3- Crioglobulinamia (distúrbio proteína no plasma) 
4- Hemoglobinúria paroxística fria (perda de hemoglobina) 
5- Doença de Reynaud (doença neurovegetativa) 
6- Nervos periféricos em regeneração 
7- Áreas c/ comprometimento circulatório ou doença vasc. 
TÉCNICAS DE APLICAÇÃO 
Massagem com gelo (Processo inflamatório, dor, 
 espasmo local) até 20 ou 30 minutos Tapping 
(estimulação/fascilitação) 
Imersão: PÓS ATIVIDADE 5 MINUTOS 
Sprays congelantes e resfriamento rápido: 
 cloreto de etila ou clorofluorometano 
Compressas frias ou bolsas de gelo 
-Articulação x músculo -reaquecimento 10 a 20 minutos 
-Distância -Movimento -Uma direção 
-EMERGÊNCIAL 
Compressas frias ou bolsas de gelo (20 A 30 MINUTOS) 
PRICE (20 A 30 MINUTOS –DE 6-8 HORAS A 24 HORAS DIA) 
 -Rest (repouso) -Ice (gelo) – 
Compression (compressão) -Elevation (elevação) 
Unidade de Compressão de Frio Controlado 
(cryo cuff / polar care) 
 
 
 
Regeneração dos TecidosNão favorece reparo de tecidos pois não 
aumenta a atividade celular. Porém evitando os danos pode levar 
a alterações benéficas (Ex.: hemorragia e edema, alivia dor e reduz 
espasmo)Não abre esfincter linfático. 
Redução do edema na fase aguda:Diminui consumo de O2 do 
tecido normal peri-lesão. Diminui hipóxia secundária porque reduz 
a expansão.Reduz o catabolismo porque reduz a área lesada. 
Portanto, acelera a resolução do processo. 
Precauções: 
-Sobre o ramo principal superficial de um nervo 
-Uma lesão aberta 
-Hipertensão (viscosidade do sangue) 
-Déficit de sensibilidade ou de estado mental 
-Pacientes de idade extrema (criança e idosos) 
 
1-Por que ocorre diminuição da dor com uso de gelo? 
(teorias) 
Diminuição transmissão das fibras de dor, Diminuição 
metabolismo tecidual (aliviando efeitos da isquemia), 
Aumento do limiar de dor, Liberação de endorfinas. 
2-Por que ocorre vasodilatação na crioterapia? Alguns 
pesquisadores acham que o aumento do fluxo 
sangüíneo pela vasodilatação é a principal causa da 
hiperemia (vermelhidão) brilhante 
que ocorre durante o processo de aplicação do frio 
Bolsas de Gel: Geralmente confeccionadas em 
plástico. Contém água, sal e gel. 
Bolsas de Gelo: Gelo picado ou bolsas comerciais. 
Massagem com Gelo:Utiliza-se cubo de gelo (copo 
plástico). 
Movimentação pelo terapeuta na direção das fibras 
musculares da região. 
Sprays: Composto de cloreto etil líquido ou de 
fluorometano (substâncias que evaporam 
rapidamente). Objetivo de estimular SN simpático 
para diminuição da dor e espasmo muscular. 
CONTRASTE (?)IMERSÃO(?) 
PRICE Proteção:O indivíduo deve proteger a área afetada para evitar um dano ainda maior. 
Recomenda-se o uso de muletas, órteses e dispositivos de imobilização em geral. 
Repouso:É importante para que ñ haja esforço e sobrecarga sobre a lesão e ñ atrapalhe a 
recuperação, além tb de ñ expor o membro afetado a lesões secundárias, permitindo assim um 
reestabelecimento mais eficiente da área lesada. 
ICE/Gelo:A aplicação do gelo após a lesão aguda tem o obj. de evitar a progressão do edema, 
diminuir a dor local e os espasmos musculares.A aplicação do gelo deve ser feita o mais rápido 
possível, com intervalos de 2 hrs. 
Compressão:A compressão é muito útil pois auxilia na drenagem do edema. Quando uma região é 
comprimida, os espaços disponíveis p/ o edema são reduzido se, consequentemente, o inchaço tb. 
Elevação: Elevar o membro ajd no retorno venoso, c/ consequente diminuição do edema. Essa 
drenagem ocorre mais eficaz caso o segmento esteja acima do nível do coração. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
DIATERMIAS POR ONDAS CURTAS 
 Os efeitos térmicos profundos alcançados pela terapia tratam várias afecções dos tecidos moles 
profundos, não alcançados por outras formas de transferências de calor como a irradiação ou por 
condução. 
A frequência de oscilação das ondas curtas - 3 faixas de alta frequência para uso clínico: • 27,12 MHz com 
comprimento de onda de 11 metros; • 13,56 MHz com comprimento de onda de 22 metros; • 40,68 MHz 
com comprimento de onda de 7,5 metros . A frequência mais utilizada é a de 27,12 MHz.( frequencia 
terapêutica) 
Radiação Eletromagnética: São campos elétricos e magnéticos que correm juntos através do espaço. São 
pequenos “pacotes” de energia. Quanto mais longo for o comprimento de onda menor será a energia 
emitida. 
A rápida aceleração das cargas causa a produção de radiações eletromagnéticas 
Efeito Fisiológico Aumento da temperatura• A energia eletromagnética das ondas curtas tem um efeito 
muito pequeno no tecido vivo.• São as correntes oscilantes de alta freqüência geradas nos tecidos que 
causam o aquecimento. 
A Diatermia por ondas curtas pode ser aplicada por modo contínuo ou por modo pulsado. Embora o 
modo contínuo quase sempre resulte na produção de calor pelos tecidos, isso pode não ocorrer se a 
aplicação for por meio do modo pulsado. 
Diatermia por OC pulsada. A diferença entre a terapia pulsada e a contínua é a interrupção do campo 
eletromagnético. O tempo de pausa pode chegar até 20 vezes o tempo de duração do pulso. O objetivo 
é dar uma carga eletromagnética sem efeito térmico. 
Características moleculares na condutividade da energia eletromagnética: moléculas carregadas, moléculas 
dipolares e moléculas apolares. Tecidos diferentes tem proporções variáveis dessas moléculas.( Moléculas 
carregadas: íons carregados (cátions e aníons) e moléculas apolares: células de gordura) 
Tecidos com alto teor iônico em solução ou com grande número de íons livres, como, por exemplo, o 
sangue, tornam-se os melhores condutores da Diatermia por ondas curtas. Na prática, os tecidos mais 
vascularizados como o músculo e o osso são bons condutores, assim como em analogia com os metais e 
o suor. 
Técnica de aplicação de eletrodos- Contraplanar ou transversal: Nesta técnica, os tecidos são colocados 
em série, pois os eletrodos estão em faces anatômicas opostas, porém na mesma direção 
Longitudinal: Os eletrodos são colocados nas extremidades dos membros, de forma que os tecidos estão 
na mesma linha de força, ou seja, estão em paralelo. O ponto positivo dessa técnica é a penetração mais 
efetiva

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.