A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
RESUMO rtf

Pré-visualização | Página 3 de 6

do eletromagnetismo nos tecidos, pois a resistência oferecida pelos tecidos diminui. 
Coplanar: Ambos os eletrodos são dispostos na mesma face anatômica. Esta técnica é considerada a mais 
superficial. Como, inicialmente, os tecidos são colocados em série, a resistência oferecida pelo tecido 
adiposo é muito grande, produzindo calor superficial. O campo eletromagnético acompanha o caminho 
de menor resistência, através dos vasos sanguíneos, que contém uma grande parte de íons. Se os 
eletrodos forem posicionados muito próximos entre si, o campo transitará diretamente entre os 
eletrodos, e não ira ́ocorrer o tratamento dos tecidos. 
Cuidados para a Seleção e o Posicionamento dos Eletrodos 
Tamanho dos eletrodos: Os eletrodos devem ter o mesmo tamanho. Se eletrodos 
de tamanho diferentes forem usados, ocorrerá um aquecimento mais intenso 
junto ao eletrodo menor, porque o campo ficará concentrado sobre uma área 
menor de superfície. Se, além do tamanho diferente, a distância entre o eletrodo 
e a pele também for pequena no eletrodo menor, o calor será muito mais intenso 
e superficial na região sob efeito do eletrodo menor. 
Tamanho dos eletrodos em relação à área a ser: tratada Os eletrodos devem ser 
ligeiramente maiores que a parte do corpo a ser tratada, porque o campo elétrico 
é menos uniforme nas bordas das placas. Um campo fraco ou não uniforme não é 
recomendado para as finalidades terapêuticas. Caso seja menor a eficácia 
diminuira. 
Distância entre os eletrodos: Os eletrodos devem ser equidistantes e em ângulo 
reto com a superfície da pele 
Distância entre os eletrodos e a pele: Quando os eletrodos são aplicados mais 
longe da pele, a distribuição do campo torna-se mais uniforme, promovendo 
alinhamento das linhas de força através dos tecidos, conseguindo, com isso, maior 
penetração nos tecidos. Se a distância entre o eletrodo e a pele for pequena, 
haverá aumento na densidade das linhas do campo na superfície, levando ao 
aquecimento superficial. 
Efeitos Fisiológicos e Terapêuticos Sobre os vasos sanguíneos e linfáticos: O 
organismo lança mão de recursos a fim de dissipar o calor na área. Um dos 
primeiros efeitos é a vasodilatação, com o aumento do fluxo sanguíneo local. Isso 
explica porque a Diatermia por ondas curtas absorve bem os edemas residuais ou 
crônicos, irrigando a área e aumentando a capacidade de reabsorção dos tecidos 
Efeitos sobre o sangue • Aumento do aporte de leucócitos nos tecidos adjacentes; 
• Aumento da demanda de oxigênio; • Diminuição do tempo de coagulação; • 
Diminuição da viscosidade.; • Aumento do metabolismo: Lei de Van Hoff. 
Efeitos sobre o Sistema Nervoso Um dos efeitos incide sobre o Sistema Nervoso 
Central (SNC), após alguns minutos de tratamento. O centro hipotalâmico 
responsável pela regulação da temperatura corporal é “avisado” do aumento de 
temperatura e promove respostas a fim de minimizar o calor da área, como 
vasodilatação profunda e sudorese. No Sistema Nervoso Periférico (SCP), há 
aumento na velocidade de condução das fibras nervosas por conta da diminuição 
da viscosidade. O calor influencia as fibras motoras e sensitivas, promovendo 
analgesia e relaxamento de fibras musculares. 
Tempo de aplicação: Em geral, preconiza-se de 20 a 25 minutos de tratamento, 
tanto para a DOCC quanto para a DOCP. 
 ONDAS CURTAS 
Preparação do paciente e cuidados 
A região deve estar desnuda|Remover todos os objetos metálicos do paciente 
(óculos, anéis, joias, relógios, moedas, celulares, pager etc.)| Todas as 
bandagens devem ser removidas da área de tratamento| Assegurar-se da 
remoção de aparelhos de surdez e equipamentos correlatos| Não realizar em 
Diatermia tecidos sintéticos, pois aquecem com facilidade| Assegurar-se de 
que a pele esteja seca| Pedir para que o paciente informe qualquer 
desconforto na aplicação de DOCC/DOCP| Colocar o paciente 
confortavelmente, a fim de evitar mudanças de posição| A região a ser tratada 
deve estar centrada entre os eletrodos. Preparação do aparelho:Todos os 
botões do aparelho devem estar zerados|Assegure-se de que os cabos estão 
conectados de modo correto| Os cabos não devem estar pousados sobre 
objetos metálicos| Manter a distância entre as placas|Manter a distância 
entre os cabos, não deixar os cabos cruzarem|Manter distância apropriada 
entre o eletrodo e a pele. De 2 a 4cm|Sintonizar o aparelho com o paciente| 
Assegure-se que a cama onde está o paciente e a mesa que suporta o aparelho 
não sejam de metal, e que os objetos metálicos estejam a pelo menos 3 metros 
de distância do aparelho e dos cabos. 
Cuidados do operador: Permanecer pelo menos a 1 metro dos eletrodos e a 
0,5 metros dos cabos| Não deixar o paciente só ou dormir durante o 
tratamento| Não deixar o paciente se mexer ou tocar no aparelho ou cabo| 
Retirar todas as pessoas que estão na vizinhança do aparelho| Na presença de 
suor, desligar o aparelho, enxugar o paciente e retornar ao tratamento|Não 
utilizar, na mesma sala, aparelhos de baixa e média frequências. 
Contraindicações:Marcapassos não blindados ou com blindagem insuficiente| 
Neoplasia, tumores malignos| Gestação| Osteossínteses com placas, 
parafusos e fixadores externos| Artroplastias| Tuberculose| Processos 
infecciosos|Sensação térmica comprometida|Idade avançada ou em 
decorrência de alguma incapacitação|paciente não coopera|Trombose 
venosa profunda|Febre|Áreas isquêmicas|Cardiopatas descompensados| 
Período menstrual| Tecidos expostos à radioterapia|Hemofilia, sem a 
reposição dos fatores| Região dos olhos(opacifica o cristalino)|Crânio| Região 
precordial|Epífises de crescimento ósseo| Artrite e artrose|Hemorragia. 
 Indicações :Analgesia| Acelerar a cicatrização de tecidos| Reabsorção de 
hematomas e edemas|Estimular a circulação sanguínea| Relaxamento 
muscular|Aumento da extensibilidade do colágeno, aumentando amplitude 
de movimento| Entorses subagudas ou crônicas|Distensão 
muscular|Tendinite|Tenossinovite|Lombalgia e lombociatalgia| Pós-
imobilizacã̧o| 
MICROONDAS 
A Diatermia por micro-ondas é capaz de produzir aumento de temperatura tecidual, quando ela passa pela 
resistência oferecida pelos tecidos. A isso denominamos conversão. 
O aquecimento produzido por micro-ondas pode ser observado tanto na superfície da pele quanto nos tecidos 
mais profundos, embora a eficiência de profundidade conseguida seja menor do que a eficiência obtida pela 
ultrassom ou por ondas curtas. 
As micro-ondas são uma forma de radiação eletromagnética e, assim como as ondas curtas, micro-ondas tB 
fazem parte do espectro eletromagnético, cuja frequência está na faixa de 24,50MHz e o comprimento de 
onda é de 12,25cm. Ela situa-se entre as ondas curtas e lâmpadas infravermelhas. 
Efeitos fisiológicos:A Diatermia por micro-ondas é utilizada a fim de aumentar a temperatura tecidual dentro 
da faixa terapêutica e alcançar os efeitos desejados para o paciente. A Diatermia por micro-ondas é 
considerada um tratamento profundo. Os efeitos fisiológicos e terapêuticos da Diatermia por micro-ondas são 
semelhantes à Diatermia por ondas- curtas. De maneira geral, o uso da Diatermia por micro-ondas nos tecidos 
visa ao aumento do metabolismo local (Lei de Van’T Hoff), ao aumento do fluxo sanguíneo, à vasodilatação, 
aumento do aporte de oxigênio, ao anti-inflamatório, ao analgésico, ao relaxamento das fibras musculares. 
acelera a retirada de catabólicos do local lesionado (prostaglandinas, bradicininas, histamina e ácido láctico) e 
à diminuição da viscosidade do sangue. 
Preparação do paciente: Explique a finalidade do tratamento, e que o paciente nunca deverá sentir-se 
“quente” no local tratado| Faça um teste para a sensibilidade dolorosa e térmica do paciente, pois ele pode 
apresentar déficit| Posicione o paciente correta e confortavel| Retire todo material metálico do paciente, a 
fim de evitar queimaduras ou interferência da energia;| O local a ser tratado deve estar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.