A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
Artigo Científico - Priscila Mendes da Silva Oliveira - Pós Psicopedagogia

Pré-visualização | Página 4 de 4

de atenção.
O controle do comportamento e fundamental para que crianças com TDAH evoluam sua capacidade de concentração e consequentemente ganham mais qualidade de vida, poupando a si mesmas de um stress causado pelo comportamento incansável.
Adultos com TDAH tem respostas aos estimulantes e demais medicamentos semelhante ao das crianças. Mesmo que na fase adulta, há pessoas com TDAH que necessitam de orientações e aconselhamentos para organizar hábitos e especialmente ajudá-los a resolver conflitos, quando isso ocorre, as terapias poderão ensiná-lo à enfrentar desafios da vida e as dificuldades pessoais  momentâneas. A terapia também aumenta a eficiência do tratamento na diminuição dos sintomas causados pelo TDAH. Por sua vez, os pesquisadores acreditam que apenas diminuindo sintomas das crianças, não haverá real mudança nos resultados à longo prazo. Os tratamentos desenvolvidos com portadores de TDAH permitem redução dos sintomas, enquanto se trabalha a questão de dar assistência ao indivíduo para que ele possa construir uma vida saudável e tranquila. Um fator que beneficia no tratamento de adultos, é a aceitação do transtorno e a disponibilidade para enfrentar diversos métodos até que encontre o que mais apresenta resultados. Quando o adulto não acredita ser portador do transtorno, dificilmente ele procurará ajuda, tão pouco seguirá o tratamento indicado, o que acarretará maiores problemas sociais, pois suas dificuldades não estão sendo tratadas.
No entanto, o melhor é que se promova um diagnóstico precoce e planeje a forma ideal de tratamento para o portador de TDAH.
Conclusões
Ao término do presente trabalho, foi possível constatar que o TDAH é um transtorno que não tem cura, porém, quando o paciente se dispõe a fazer um tratamento envolvendo especialistas, terapias e se necessário o uso de medicamentos, seus sintomas são minimizados.
Pais e professores devem estar comprometidos para controlar o portador do transtorno em casa ou na escola. É necessário ter um conhecimento sobre todas as facetas do TDAH e de suas dificuldades, como também é preciso saber distinguir comportamentos originados do transtorno e comportamentos causados para algum benefício próprio.
O professor tem um papel importante na identificação do TDAH, visto que em muitos casos o transtorno só é percebido dentro da escola, por ser um ambiente que exige atenção, concentração e motivação. Também é fundamental o interesse do professor em adaptar suas atividades, didática e estratégias para que o conteúdo trabalhado com os demais alunos da sala, seja compreendido pelo aluno com transtorno.
Nesse caso, a presença do psicopedagogo dentro da escola, orientando o professor, bem como desenvolvendo um trabalho com aluno é incontestável. Dentre as funções do psicopedagogo junto ao trabalho com o portador de TDAH estão as estratégias para diminuir a hiperatividade e melhorar ou aumentar o tempo de concentração, estimular a autoestima do aluno, evitando um comprometimento na sua aprendizagem, orientar o professor em como agir dentro da sala de aula, etc.
Lidar com crianças portadoras de TDAH não é uma tarefa fácil, nem para a família e nem para a escola. Essas crianças, normalmente, tem dificuldade para realizar tarefas, principalmente quando exige um esforço mental. Esse tipo de tarefa é visto pelo indivíduo como desagradável, então se mostra resistente a realizá-la. Em consequência das dificuldades que encontram, os indivíduos portadores de TDAH, evitam ou tem forte apatia pelas atividades que exigem dedicação ou atenção prolongada ou que exigem organização e concentração, como os trabalhos escolares, por exemplo. Disciplinar a criança com TDAH e seus pais é uma das possibilidades que a escola tem para enfrentar o problema em seu cotidiano. Para ajudar a criança hiperativa a superar suas dificuldades é essencial compreender o seu comportamento, e fazer a distinção entre o comportamento indisciplinado e aquele que resulta de sua incapacidade de adaptação ou atenção.
Referências 
CHAMAT, L.S.J. Técnicas de intervenção psicopedagógica. São Paulo: Vetor, 2008.
GOLDSTEIN, S.; GOLDSTEIN, M. Hiperatividade: como desenvolver a capacidade de atenção da criança. Campinas: Papirus, 1994.
GOLDSTEIN, S.; e GOLDSTEIN, M. Hiperatividade: como desenvolver a capacidade de atenção da criança. 3ª ed. São Paulo: Papirus, 1996.
MAMEDE NEVES, M.A. Psicopedagogia: Um só termo e muitas significações. 21 ª ed. São Paulo: Revista da ABBPp, V.10, 10 Semestre, 1991 (1987).
MATTOS, P.; BOURBON, S.; FIEL, L. Educação Infantil A criança e o TDA/H – Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Viçosa-MG, 2006.
MATTOS, P. Entrevista no Programa De frente com Gabi em 5 de setembro de 2010. Disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=rIGRxns7q2k. Acesso em: 25/04/2020
RIZZO, G. Educação Pré-Escolar. 3. Ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1985.
SILVA, B. B. Mentes inquietas: entendendo melhor o mundo das pessoas distraídas, impulsivas e hiperativas. São Paulo: Editora Gente, 2003.
TOPAZEWSKI, A. Hiperatividade: como lidar? São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.
12

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.