A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
24 pág.
PAPILOMATOSE

Pré-visualização | Página 1 de 1

DOENÇAS INFECCIOSAS 
2017 
 
COMPONENTES:
Ana Caroline Freitas Rosa
Bárbara Maia Cardoso
Nathália Lara Teixeira 
Nathália Oliveira
PAPILOMATOSE
EM
ANIMAIS DOMÉSTICOS
Popularmente conhecida como VERRUGA;
Doença de pele;
Infecto-contagiosa – VIRAL;
Aves e mamíferos; 
Acomete principalmente BOVINOS com até 2 anos de idade;
Caninos e equinos;
Associada com a imunidade celular do rebanho;
Alta prevalência em variados rebanhos pelo país;
FONTE:https://www.cpt.com.br/cursos-bovinos-gadodeleite/artigos/como-aplicar-medicamentos-em-bovinos
Familia: Papovaviridae
Gênero: Papilomavírus 
AGENTE ETIOLÓGICO
TIPOS DE VÍRUS:
VPB 1 : Pênis, tetos e pele;
VPB 2: Pele, rúmen e esôfago - Associado ao câncer de bexiga ;
VPB 3: Pele;
VPB 4: Mucosa do trato alimentar;
VPB 5: Tetos e úbere (semelhante à grão de arroz);
VPB 6: Tetos e úbere também.
FONTE:https://www.hindawi.com/journals/av/2014/259382/fig3/
TRANSMISSÃO
CONTATO DIRETO: animal infectado e sadio;
Contato indireto:
Instrumentos;
Cercas;
Bebedouros;
Fômites;
Ectoporasitas;
FONTE:http://iepec.com/semiconfinamento-de-bovinos-de-corte/
PATOGENIA
SUBGRUPO A (fibripapilomas)
ESTÁGIO 1 : Proliferação dos fibroblastos epiteliais.
ESTÁGIO 2: Hiperplasia difusa e acometimento da camada celular primordial. Ocorre também proliferação da camada basal do epitélio e penetração de tecido fibromatoso.
ESTÁGIO 3: Papiloma verdadeiro; há a presença de queratinócitos dando origem a massas que possuem um núcleo central de tecido conectivo.
ESTÁGIO 4: Regressão do tumor - Ataque de linfócitos e macrófagos
SUBGRUPO B (papilomas escamosos)
ESTÁGIO 1: (após 4 semanas) - Placa formada por tubos de queratinócitos, que darão origem a massa do futuro papiloma.
ESTÁGIO 2: é formado por massas epiteliais que contêm grandes quantidades de DNA viral, em replicação nas áreas queratinizadas.
ESTÁGIO 3: 8 meses após - TUMOR
ESTÁGIO 4: Ultimo estágio da formação tumoral, de regressão. Quando há a evolução para uma neoplasia maligna, não encontra-se mais o vírus.
PATOGENIA
PAPILOMAS
TUMORES BENIGNOS 
TUMORES MALIGNOS 
PODEM SE TRANSFORMAR
FONTE:http://momcaesegatos.com.br/blog/voce-sabe-o-que-e-papilomatose-canina/
ESCAMOSOS: Cabeça, ao redor dos olhos, pescoço, ombros, podendo espalhar-se para outras regiões do corpo.
MUCOSAS: macroscopicamente apresentam-se como nódulos encapsulados e circunscritos.
PLANOS: Leves nodulações arredondadas na superfície epitelial.
PEDUNCULARES: Comum nos tetos e úbere.
FONTE:http://seleccionesveterinarias.intermedica.com.ar/es/articulos/oncologia-veterinaria/eficacia-del-tratamiento-con-propionibacterium-acnes-en-un-perro-con-papilomatosis-oral
DIAGNÓSTICO
CLÍNICO: Visualização das verrugas. 
TRATAMENTO
Remoção cirúrgica ou cauterização das verrugas;
Utilização de produtos comerciais específicos;
Auto-hemoterapia 
Utilização da vacina autógena;
AUTO - HEMOTERAPIA
Coleta de sangue do animal e aplicação do mesmo intramuscular;
Aumenta as células de macrófagos - responsáveis pela “limpeza” do organismo; 
Fagocitose (captura e digestão das células estranhas);
Aumento na imunidade de forma inespecífica;
FONTE:http://sidvan2010.blogspot.com.br/2010/02/tirando-duvidas-o-que-previne-as.html
VACINA
Somente é eficaz para os animais da propriedade onde os papilomas foram coletados.
MATERIAL:
Papilomas (10 gramas de papilomas para cada dose);
Entrar em contato com o SV/UFSM
AUTÓGENA
FONTE:https://setordevirologiaufsm.wordpress.com/doencas/papilomatose/
PREVENÇÃO
Cuidados tomados durante a aquisição de novos animais;
Isolamento de novos animais do restante do rebanho;
Esterilização de materiais cirúrgicos, seringas, agulhas; 
Controle ectoparasitas;
Animais doentes manejados por último;
Tratamento dos animais doentes;
ESTUDO DA PAPILOMATOSE CUTÂNEA EM BOVINOS LEITEIROS: 
COMPARAÇÃO DE DIFERENTES TRATAMENTOS
ANA PAULA IGLESIAS SANTIN1 E LUIZ AUGUSTO BATISTA BRITO 
1. Professora Assistente MS da Escola de Veterinária – Universidade Federal de Goiás/UFG. E-mail:apis@vet.ufg.br 2. Professor Titular, Doutor do Depto. de Medicina Veterinária da Escola de Veterinária da UFG. E-mail: labbrito@vet.ufg.br
OBJETIVO: Avaliação dos tratamentos empregados no controle da papilomatose cutânea bovina em rebanhos leiteiros
MATERIAL E MÉTODOS
Goiânia - GO
Propriedades foram escolhidas aleatoriamente – raio de 200km 
 120 animais infectados com papilomatose – 99 fêmeas e 21 machos;
43 com idade inferior e 2 anos e 77 animais adultos
Portadores de variados tipos de papilomas cutâneos (pedunculado, plano e misto – ambos ao mesmo tempo) 
Diversos graus de papilomatose:
LEVE: 1 a 20 papilomas
MODERADA: 21 a 80 papilomas
INTENSA: igual ou superior a 81 papilomas
Animais foram divididos ao acaso em 6 GRUPOS – 20 animais em cada um;
Todos os tratamentos foram realizados com intervalo de 7 dias entre as aplicações – 4 SEMANAS
GRUPO 1
Auto hemoterapia – 20ml IM 
GRUPO 2
Clorobutanol 50mg/kg/PV SC
GRUPO 3
Diaminazina 3,5mg/kg/PV IM
GRUPO 4
Levamisole 7,5mg/kg/PV SC 
GRUPO 5
Auto vacina: 15ml - 10ml – 15ml – 10ml SC 
GRUPO 6
Nenhum tipo de tratamento – CONTROLE
Os animais foram observados durante 13 semanas;
CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO:
Resposta excelente, com regressão de, no mínimo, 85% das verruga; 
Resposta boa, com regressão entre 75% a 84%; 
Resposta regular, com regressão entre 65% a 74%; 
Resposta ruim, com regressão inferior a 65%. 
Comparação dos tratamentos Análise de Variância, do Teste de Qui-Quadrado e do Teste de Fisher
EFICAZ
INEFICAZ
RESULTADOS
RESULTADOS
RESULTADOS
DISCUSSÃO
 AUTO – HEMOTERAPIA 
MAIS EFICAZ PAPILOMAS PENDUNDULADOS
10 animais responderam ao tratamento 
CLOROBUTANOL
MAIS EFICAZ EM PAPILOMAS PLANOS
12 animais responderam ao tratamento;
DIAMINAZINA
MAIS EFICAZ EM PAPILOMAS PLANOS
9 animais responderam ao tratamento.
GRUPO 1
GRUPO 2
GRUPO 3
DISCUSSÃO
GRUPO 4
LEVAMISOLE
APENAS 5 animais responderam ao tratamento.
AUTO VACINA
10 animais reagiram ao tratamento;
MAIS EFICAZ EM BOVINOS JOVENS DO QUE ADULTOS.
CONTROLE
Cura espontânea de 2 animais.
GRUPO 5
GRUPO 6
CONCLUSÃO
Em todos os tratamentos utilizados, com exceção do levamisole, os animais apresentaram melhores respostas do que os bovinos pertencentes ao grupo controle. 
A auto vacina foi mais eficiente nos animais jovens e com papilomas pedunculados. Já o clorobutanol e a diaminazina foram mais eficazes nos adultos com papilomas planos, sendo o primeiro composto químico o de maior poder curativo.
FIM!!
REFERÊNCIAS
PAPILOMATOSE BOVINA, Disponível em < http://www.infoescola.com/doencas/papilomatose-bovina/ > Data de acesso: 20 de junho de 2017.
PAPILOMATOSE, Disponível em < https://setordevirologiaufsm.wordpress.com/doencas/papilomatose/ > Data de acesso: 20 de junho de 2017.
VOCÊ SABE O QUE É PAPILOMATOSE CANINA?, Disponível em < http://momcaesegatos.com.br/blog/voce-sabe-o-que-e-papilomatose-canina/ > Data de acesso: 20 de junho de 2017.
PAPILOMATOSE BOVINA: UMA DOENÇA AUTOLIMITANTE, Disponível em < https://www.milkpoint.com.br/radar-tecnico/medicina-da-producao/papilomatose-bovina-uma-doenca-autolimitante-16689n.aspx > Data de acesso: 20 de junho de 2017.
SANTIN , A. P. I.;BRITO, L. A. B. Estudo da papilomatose cutânea em bovinos leiteiros: comparação de diferentes tratamentos. Disponível em < https://www.revistas.ufg.br/vet/article/view/314 > Data de acesso: 24 de junho de 2017.