A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Apol 2 Temas Contemporâneos

Pré-visualização | Página 3 de 5

e contemple as demandas decorrentes do desenvolvimento pessoal e social do indivíduo”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: <http://www.uneb.br/salvador/dedc/files/2011/05/Monografia-SANDRA-SOUZA-BOMFIM.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2017.
De acordo com o texto-base Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas, sobre as formas de viver a sexualidade, assinale a alternativa correta.
Nota: 10.0
	
	A
	As formas de viver a sexualidade precisam ser compreendidas como questões individuais e por isso tratadas em particular.
	
	B
	É necessário compreender a sexualidade a partir de critérios religiosos e, por isso, deve ser tratada de acordo com a perspectiva do sagrado.
	
	C
	É preciso entender a sexualidade considerando os critérios psicológicos e, por isso, precisa ser tratada por um profissional da psicologia.
	
	D
	As formas de viver a sexualidade precisam ser compreendidas a partir dos fatores biológicos.
	
	E
	As formas de viver a sexualidade devem ser entendidas como questões da sociedade e da cultura.
Você acertou!
“Esta é uma questão que se enraíza e se constitui nas instituições, nas normas, nos discursos, nas práticas que circulam e dão sentido a uma sociedade – neste caso, a nossa. As formas de viver a sexualidade, de experimentar prazeres e desejos, mais do que problemas ou questões de indivíduos, precisam ser compreendidas como problemas ou questões da sociedade e da cultura” (Artigo: “Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas”, p. 1).
Questão 10/10 - Temas Contemporâneos: da Diversidade de Gênero à Faixa Geracional
Leia o trecho a seguir:
“A cultura da paz está pautada em valores humanos que precisam ser colocados em prática, a fim de passarem do estado de intenção para o exercício da ação, transformando-se, concretamente, em atos. Tais valores, que se traduzem em éticos, morais e estéticos, nos encaminham para o despertar de expressões de amor e manifestações de respeito, que têm estado adormecidas, nos últimos tempos”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572002000100013>. Acesso em: 29 mar. 2017.
Considerando o trecho acima e o conteúdo do texto-base O bê-á-bá da intolerância e da discriminação, pode-se afirmar que a cultura de paz pressupõe:
Nota: 10.0
	
	A
	o combate ao tráfico de drogas por meio da implantação de aparato policial próximo às escolas.
	
	B
	o combate ao uso da força e da intimidação quando dentro do espaço escolar.
	
	C
	o combate ao analfabetismo e semianalfabetismo em regiões dominadas pela criminalidade.
	
	D
	o combate à ausência de cultura, ou seja, de literaturas e expressões artísticas em locais com alta taxa de menores infratores.
	
	E
	o combate às desigualdades e às exclusões sociais, assim como o respeito aos direitos de cidadania.
Você acertou!
“A cultura de paz pressupõe o combate às desigualdades e às exclusões sociais, assim como o respeito aos direitos de cidadania. A escola pode ser um local privilegiado de combate à violência, mas, para isso, necessita de profissionais respeitados, com conhecimento de pedagogia, cabendo ao poder público investir na formação e reciclagem desses profissionais e adotar estratégias para fazer prevalecer o direito e os deveres do professor” (Artigo: “O bê-á-bá da intolerância e da discriminação”, p. 51).
 
Questão 1/10 - Temas Contemporâneos: da Diversidade de Gênero à Faixa Geracional
Leia o trecho a seguir:
“Nas grandes escolas, a impessoalidade do ambiente aumenta e com isso os adultos dão menor atenção aos jovens com problemas. Simultaneamente, nessas grandes escolas há uma menor capacidade por parte dos adultos de controle dos comportamentos juvenis. Além disso, o tamanho das salas de aula tem como consequência a possibilidade da convivência de um maior número de alunos com problemas de comportamento, o que contribui para que o problema se agrave. Estes estudos indicam também que a exacerbação da disciplina contribui para piorar a incidência da violência escolar”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602010000500013>. Acesso em: 29 mar. 2017.
Considerando o texto acima e principalmente os conteúdos do texto-base O bê-á-bá da intolerância e da discriminação, é possível afirmar que uma das consequências de um ambiente escolar violento, comum tanto para alunos quanto para professores, é:
Nota: 10.0
	
	A
	o medo de ter um objeto pessoal roubado.
	
	B
	a sensação de impunidade.
	
	C
	a falta de concentração nas atividades.
Você acertou!
“Entre os alunos entrevistados, quase metade sustenta que a violência no ambiente escolar faz com que não consigam se concentrar nos estudos. [...] No que se refere aos membros do corpo técnico-pedagógico, a primeira consequência é a perda de estímulo para o trabalho. Em segundo lugar, vem o sentimento de revolta e, em terceiro, a dificuldade de concentração nas aulas” (Artigo: “O bê-á-bá da intolerância e da discriminação”, p. 47).
	
	D
	o desejo de mudar de profissão ou migrar para uma instituição privada.
	
	E
	a falta de perspectiva de mudança da realidade escolar brasileira.
Questão 2/10 - Temas Contemporâneos: da Diversidade de Gênero à Faixa Geracional
Leia o extrato de texto a seguir:
“O passo seguinte foi cada turma realizar práticas que caracterizassem envolvimento e novas atitudes em relação à preservação do patrimônio escolar, tais como mutirão de limpeza; coleta de lixo no pátio e nas proximidades da escola; estímulo às lideranças estudantis (líderes de turmas e Grêmio Estudantil) para seu engajamento no trabalho edificante; alunos realizando pequenos reparos no que foi depredado do patrimônio; apoio dos pais em todas as ações de conscientização”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: <http://www.ufrgs.br/revistabemlegal/edicoes-anteriores/vol1n1-2011/1-4%20-%20Valorizacao%20do%20patrimonio%20publico%20e%20escolar.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2017.
De acordo com o texto-base O bê-á-bá da intolerância e da discriminação, é possível afirmar que a valorização do patrimônio escolar pode ocorrer quando:  
Nota: 10.0
	
	A
	ocorre uma mudança de gestão no ambiente escolar, realizada por meio da intervenção do Estado na indicação de um gestor (diretor) mais rígido.
	
	B
	ocorre uma imposição de regras disciplinares e castigos mais severos aos infratores.
	
	C
	ocorre a administração do ambiente escolar por uma empresa terceirizada, ou seja, quando ocorre a privatização da gestão escolar.
	
	D
	ocorre a implantação de um módulo policial próximo à escola e/ou com a presença contínua de policiais específicos para o atendimento escolar.
	
	E
	ocorre uma mudança física do ambiente escolar, realizada por intermédio do envolvimento e participação direta dos alunos e da comunidade.
Você acertou!
“Vale assinalar, ainda, os relatos de redução dos atos de vandalismo em conseqüência da mudança física do ambiente escolar, realizada por intermédio do envolvimento e participação direta dos alunos e da comunidade. Isso leva a uma valorização do patrimônio escolar, que passa a ser visto como bem coletivo” (Artigo: “O bê-á-bá da intolerância e da discriminação”, p. 48-49)
Questão 3/10 - Temas Contemporâneos: da Diversidade de Gênero à Faixa Geracional
Leia o trecho a seguir:
“Ao focalizar os jovens negros e brancos que passam cada vez mais a frequentar a EJA nos últimos anos e localizá-los na prática específica de uma escola da rede municipal de ensino de Belo Horizonte, aproxima-se de um fenômeno cada vez mais intenso e ainda pouco discutido na pesquisa educacional: o rejuvenescimento ou juvenilização da EJA”.
Após esta avaliação, caso queira ler o texto integralmente, ele está disponível em: <www.fumec.br/revistas/paideia/article/download/951/722>. Acesso em: 29 mar. 2017.
A partir

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.