A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
39 pág.
PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM ADULTOS

Pré-visualização | Página 2 de 2

visuais da deficiência:
Oculares; Unhas quebradiças; Queda de cabelo; Manchas na pele
19
HIPOVITAMINOSES
Vitamina A – Maiores fontes 
	Alimento	Medida caseira	Vitamina A, RAE	Vitamina A, UI
	Óleo de fígado de bacalhau	1 colher de chá	1.350 mcg	4.500 UI
	Cereais matinais fortificados	1 xícara de chá	150-230 mcg	500-767 UI
	Ovo	1 unidade	91 mcg	303 UI
	Manteiga	1 colher de sopa	97 mcg	323 UI
	Leite integral	1 copo (200ml)	68 mcg	227 UI
	Batata doce, cozida	1/2 xícara	961 mcg	3.203 UI
	Abóbora cozida	1/2 xícara	953 mcg	3.177 UI
	Cenoura (crua)	1/2 xícara, picado	538 mcg	1.793 UI
	Manga	1 fruta	79 mcg	263 UI
	Espinafre, cozido	1/2 xícara	472 mcg	1.572 UI
	Couve, cozida	1/2 xícara	443 mcg	1.475 UI
 Departamento de Agricultura dos Estados Unidos
HIPOVITAMINOSES
Vitamina A - Recomendações 
		Idade	Homens: mcg/dia (UI/dia)	Mulheres: mcg/dia (UI/dia)
	Adultos	> 19 anos	900 (3000 UI)	700 (2333 UI)
	Gestantes 	> 19 anos	-	770 (2567 UI)
	Lactantes	> 19 anos	-	1300 (4333 UI)
Food and Nutrition Board (FNB) - Institute of Medicine, 2001
HIPOVITAMINOSES
Ferro 
 O ferro proveniente da dieta de seres humanos é absorvido através das células da mucosa intestinal, principalmente no duodeno, e é transportado na corrente sanguínea e fluido extracelular ligado a uma proteína plasmática chamada transferrina
Ferro heme
Ferro não-heme
 Maioria presente em alimentos de origem animal
 Maioria presente em alimentos de origem vegetal
HIPOVITAMINOSES
Ferro - Epidemologia 
Ferro – Sintomas 
HIPOVITAMINOSES
Fadiga
Anorexia
Palidez de pele e mucosas
Menor disposição
Apatia
Ferro - Causas 
HIPOVITAMINOSES
Desequilíbrio entre absorção e necessidades
Baixa ingestão de alimentos-fonte
Alta ingestão de alimentos que afetam a biodisponibilidade
Necessidades aumentadas em alguns grupos específicos
HIPOVITAMINOSES
Ferro – Maiores Fontes 
HIPOVITAMINOSES
Ferro – Recomendações 
Ciclos de vida UL EAR RDA/AI
HIPOVITAMINOSES
Iodo 
Funções do Iodo
 O iodo é um micronutriente essencial para humanos e animais, o que significa que não é produzido pelo nosso organismo e deve ser obtido através de fontes externas (alimentos, suplementos). Tem papel importante na produção dos hormônios da glândula tireóide, responsáveis pelo crescimento físico e neurológico e pela manutenção do balanço energético
Iodo - Epidemiologia 
HIPOVITAMINOSES
 A deficiência de iodo, afeta aproximadamente dois bilhões de pessoas em todo o mundo. 
 É particularmente comum no Pacífico Ocidental, Sudeste da Ásia e a África
 Só na Índia, cerca de 100 milhões de pessoas sofrem com a deficiência
Iodo 
HIPOVITAMINOSES
 Características visuais:
Iodo – Maiores Fontes 
HIPOVITAMINOSES
Iodo – Recomendações 
HIPOVITAMINOSES
 Estágio de vida Idade Recomendação
Estratégias de intervenção 
INTERVENÇÃO DIETÉTICA
 O atendimento nutricional é complexo, pois envolve a avaliação nutricional em toda a sua abrangência, ao qual objetiva chegar ao diagnóstico nutricional global levando em consideração as individualidades dos pacientes. Visando alcançar objetivos que proporcionem uma melhor qualidade de vida aos pacientes/clientes
INTERVENÇÃO DIETÉTICA
Objetivos Nutricionais 
Reduzir gordura corporal
Reduzir peso
Diminuir níveis de LDL
Aumentar níveis de HDL
Melhorar IMC
Repor reservas de ferro
Prevenir ou tratar constipação
Reduzir edema
Cuidar da desnutrição
Mudança Comportamental 
INTERVENÇÃO DIETÉTICA
 A mudança comportamental é o maior desafio encontrado por profissionais de saúde, sejam nutricionistas, médicos, fisioterapeutas, psicólogos, educadores físicos entre outros da área da saúde
 O conhecimento sobre as práticas alimentares saudáveis não é suficiente para que haja mudanças efetivas no comportamento
INTERVENÇÃO DIETÉTICA
Estágios de Mudança Comportamental 
Pré-contemplação
O indivíduo não tem interesse em mudar o comportamento (ex. não considera importante fazer exercício físico)
Preparação
Toma a decisão de mudar o comportamento, pode planejar mas não efetuar (ex. caminhar 1hr até o trabalho ou se matricular na academia)
Ação
Implementa seu plano de mudança e começa a efetuá-lo (começa a caminhar 3x na semana)
Contemplação
Começa a considerar a necessidade de mudar em algum momento do futuro (ex. necessita fazer exercício físico)
Manutenção
Estágio final – a prática já está incorporada na rotina, ou seja, se tornou um hábito
Prescrição de Suplementos 
INTERVENÇÃO DIETÉTICA
 A prática de suplementar vitaminas e minerais gerou por muitos anos controvérsias e discursões. Apesar de muitos serem vitaminas e minerais a maioria é registrado na Anvisa como medicamentos o que limita a aplicação da lei 8.234/91.
 Artigo 4°- Atribuem-se também aos nutricionistas as seguintes atividades desde que relacionadas com alimentação e nutrição humana: prescrição de suplementos nutricionais necessários à complementação da dieta.
ATENÇÃO! 
INTERVENÇÃO DIETÉTICA
 O nutricionista deve considerar o diagnóstico nutricional global antes de prescrever suplementos de nutrientes
 Ao escolher um suplemento, o nutricionista deve verificar as proporções existentes dos nutrientes presentes, pois a ingestão excessiva de um determinado nutriente pode interferir na absorção de outro (suplementação de Cálcio pode interferir na absorção de ferro)
REFERÊNCIAS
MAILBACH, E. COTTON, D. Moving people be behavior change. In: MAILBACH & PARROT, L. Designing health messages. Londres: Sage Publications, 1995, p. 41-64.
VITOLO, R. V. Nutrição da Gestação ao Envelhecimento, Ed. RUBIO, Rio de Janeiro, 2013.
Brasil. Ministério da Saúde. Unicef. Cadernos de Atenção Básica: Carências de Micronutrientes / Ministério da Saúde, Unicef; Bethsáida de Abreu Soares Schmitz. - Brasília: Ministério da Saúde, 2007. 60 p. - (Série A. Normas e Manuais Técnicos).
STUPPIELLO, B. Vitamina A é essencial para a visão e o crescimento. Minha Vida. Disponível em: <https://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/17627-vitamina-a>. Acesso em: 11 de janeiro de 2020.
Brasil. Ministério da Saúde. Obesidade e Desnutrição. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.