A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
A Face 2 Atlas ilustrado de anatomia clínica 2

Pré-visualização | Página 28 de 41

= - c : - ' - : : - - . . . , . , . , r . a . - - - - , 
Osso zigomático, - - - - -
arco zigomático 
Osso temporal, - - - - - - - = - , . :
processo mastoide 
Ramo da mandíbula - - - - - - - . . . . : , -
C o � o - - - - - - - - - . . . . : : . , , - , - - -
(da mandíbula) 
Protuberância _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ ;::,_ _ _ _ _ _ _ 
mentual 
O esqueleto da face 
/ � - - - - - - - - - - - ' - - ' - - - -
Sutura frontal 
- - - - - - - - - ' - - + - - lncisura frontal 
- - - - - . ; . . . . . - " - - - - Forame supraorbital 
- - - - - - " - - - - Canal óptico 
Fissura orbital 
superior 
� ' f - - - - - - - Osso etmoide, 
lâmina perpendicular 
� ! - - - - - , ! , - - - � = - - - - - - - - Concha nasal inferior 
Espinha nasal anterior 
i \ . . ; c - J < . ' - - - - , , - - + - - - - - - - Sutura intermaxilar 
Mandíbula 
Forame mentual 
Fig. 1-148 Esqueleto da face em vista anterior, com ossos em cores. 
157 
A face 
Por causa da espessura e da robustez dos ossos da face, 
existem padrões característicos para as linhas de fratura, que 
são classificadas como fraturas de Le Fort 1, li e Ili. A fratura 
de Le Fort I é um desligamento do processo alveolar do corpo 
da maxila. A fratura de Le Fort li faz trajeto entre o osso 
zigomático e a maxila, e entre as órbitas e a cavidade nasal, 
em que o osso é obviamente mais fraco. A fratura de Le Fort 
Ili situa-se um pouco mais na direção craniana, entre a fossa 
temporal e a parede lateral da órbita, e na região entre as 
paredes mediais das órbitas. 
A parede lateral do crânio é formada pelos ossos parietal, tem-
poral e pela asa maior do esfenoide. O occipital, que também 
constitui a maior parte do crânio, forma a parte posterior do 
crânio. O osso temporal é dividido em quatro partes: a parte 
escamosa é outro componente do esqueleto do crânio. Contém 
a fossa mandibular, que, junto com o processo condilar da 
mandíbula, forma a articulação temporomandibular. O arco 
zigomático do osso temporal projeta-se em direção anterior e 
entra em contato com o osso zigomático. O arco zigomático 
do osso temporal e o zigomático circundam a fossa temporal, 
que contém o músculo temporal. O osso petroso, que é parte 
do osso temporal, não é visível externamente. 
158 
Contém a orelha interna (cóclea) e o aparelho vestibular 
(sáculo, utrículo e canais semicirculares). A parte timpânica 
contém o meato e o poro acústico externo. Entre a parte 
petrosa e a cavidade tlmpânica, diretamente dorsal da 
superfície articular da fossa mandibular, corre a fissura 
petrotimpânica, também chamada fissura de Glaser. 
O processo mastoide pode ser considerado parte do osso pe-
troso ou ser visto como um osso comum. o local de ligação 
para o músculo esternocleidomastóideo. O processo mastoide 
contém as células que são os seios da cavidade timpânica. 
As células mastóideas proporcionam acesso cirúrgico à cavi-
dade timpânica, além do acesso pelo meato acústico externo. 
A expansão da otite média para as células mastóideas é consi-
derada uma complicação grave. 
O músculo temporal preenche a fossa temporal e cria um 
padrão de impressões na parede do crânio, por causa da 
orientação de suas fibras musculares. A borda de sua ori-
gem, a linha temporal, também é visível. A curta distância,
principalmente no osso parietal, uma linha de tração da fáscia 
temporal deixa uma borda óssea palpável. O arco zigomático é 
o local de origem do músculo masseter. 
Osso t e m p o r a l . - - . : _ - - - - - - - - - = : : : : : c . . - 
parte escamosa 
Sutura- - - - - - ' - · 
lambdóidea 
Sutura _ ___, _ _,.,,..,_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 
escamosa 
O esqueleto da face 
- - - - - - - - - - Osso frontal 
= - - - - - - - - - - - - - - - - - Sutura coronal 
- . . . e . . . , , - - - - - - - - - - - - - Osso esfenoide, 
asa maior 
· - - - - ----::,,----- - - - Sutura 
esfenofrontal 
Sutura - - - - i. - - -- - ---'f f -- - - - - - - _;__ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __:::===--=------J. - - - - - ' " ' - ' - - - - - Osso etmoide, 
esfenoes-
camosa 
Meato acústico - =:--::: r---__:_====""""!!!i!õ 
externo 
Osso temporal, - - - - - - " ;,,:;;;::3!!!! 
parte timpânica 
Osso temporal. - - - - - - = 
parte petrosa 
Osso temporal, _ _ _ _ _ _ _ _ _ , 
processo mastoíde 
Processo estíloide 
(mandíbula) 
Processo condllar 
Processo coronoíde 
Ângulo da mandíbula _ _ _ _ , 
Linha obllqua _ _ _ _ __,, 
Fig. 1-149 O esqueleto da face em vista lateral, com ossos em cores. 
lâmina orbital 
Mandíbula 
Forame mentual 
159 
A face 
Linha nucal - - - . ; - , , - - - . . ' - - - - - - -
suprema 
Osso esfenoide, - - - - - - - - > . - - - - ' 
processo pterigoide 
Osso palatino, - - - - - - - - . . : : . . . . : 
processo piramidal 
Fig. 1-150 Esqueleto craniofacial em vista dorsal, ossos em cores. 
160 
- - - Osso temporal, 
parte escamosa 
- - - - - , , - - - - Osso temporal, 
parte petrosa 
J - - - Osso temporal, 
processo mastoide 
- - - - - - - Ramo da mandíbula 
- - - - - - - - - Forame mandibular 
à -J-: . ._ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Sutura palatina 
mediana 
O esqueleto da face 
- - - - - - - - - , - - - - Osso frontal 
� 
Sutura coronal 
' : - - - - Osso esfenoide, 
asa maior 
- ' - - - - Osso temporal 
r .. _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Sutura sagital 
Fig. 1-151 Esqueleto craniofacial em vista vertical, ossos em cores. 
' - - - - - - - - - Osso occipital 
161 
A face 
1.9 Anatomia seccional 
Os procedimentos de imagem em radiologia possibilitam 
desenvolver reconstruções tridimensionais. Apesar desse pro-
gresso, isto é, as imagens, os procedimentos diagnósticos 
baseados em cortes transversais ou em uma série de cortes 
transversais ainda têm alta prioridade. O especialista pode 
ter boa orientação nesse tipo de série de quadros. Também é 
preciso ter em mente que a imagem radiológica propriamente 
dita é bidimensional, com base nas leis da física e que refletem 
qualquer artefato que ocorra e que precisa ser considerado. 
162 
A reconstrução tridimensional deve envolver varias etapas 
matemáticas e etapas intermediárias computadorizadas e é, 
inevitavelmente, uma interpretação produzida por um tecno-
logista. As pessoas que não conhecem os possíveis artefatos 
podem facilmente ser enganadas pela imagem produzida. 
A seleção seguinte de imagens típicas de anatomia seccional 
da face (Figs. 1-152 a 1-159) dá apoio para a interpretação das 
imagens radiográficas. 
M. corrugador - - - - - ' - - - - - - - - = - " = ' . . ; . . 1 . . , ; . . ;
do supercílio
Osso etmoide, _ _:::.....:_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ - x
lâmina perpendicular 
M. levantador do lábio _ _!:.._4-;-'-_ _ _ _ ..:..=
superior e da asa do nariz 
M. zigomático menor - - - = : - - - - - - " ' = - - - - - = -
M. levantador do - - - - - 4 * - ' � - - - - = , - " - - -
lâbio superior
M. levantador do - - - - - - w = = = ; ; ; : ; . . . - - - - - ;
ângulo da boca
M. zigomát1co maior - - - - - - . . . . ; , , . . - - - - - - ' 
Fig. 1-152 Corte frontal da face no nível dos dentes incisivos. 
Anatomia seccional 
- - - - - - - - - - - Gãlea aponeurótíca 
- - - - - - - - - - - M. occipitofrontal,
ventre frontal
H'"----,.:..._'-'-��---'-;----:--"-"'-----;-- Concha nasal inferior 
,,;-.....L;-...c..._=,e;._---:-c':-----'---- Maxila 
M. levantador do ângulo*---4�-....,..:..�a'='=!----- - - - - da boca
 -='--"='------'==.:-+------ M. orbicular do olho
, - . 4 : . . _ _ - " " ' " " - : - = - - . , ; . - - - - - - - - M. abaixador do 
ângulo da boca 
.��'-------,,- ' - ----,� - - - - - - - - M. abaixador do
lábio inferior
163 
A face 
Concha nasal - - - - _ ,_ _ . . . . . , , . .__ _ _ _ _ _ .c....::.--=a.... 
média 
Corpo adiposo bucal