A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Lista de exercicios 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

Lista de Exercício – Enfermagem na Saúde do Adulto Cuidados: Semi-Intensivos e Intensivos 
– Ambientação 
 
01. Considerando a Diretriz de 2017, da American Heart Association, sobre qualidade da reação 
cardiopulmonar, é correto afirmar que: 
(a) Durante a reanimação cardiopulmonar a profundidade das compressões torácicas deve ser 
de, no mínimo, uma polegada (4cm). 
(b) Em vítima com via aérea avançada, o socorrista pode realizar uma ventilação a cada 6 
segundos, enquanto são aplicadas compressões torácicas contínuas por 2 minutos. 
(c) Em vítima com via aérea avançada o socorrista deve administrar 30 compressões torácicas e 
duas ventilações, sendo as compressões interrompidas para as ventilações. 
(d) Umas das formas de reconhecimento da parada cardiorrespiratória é a verificação do pulso 
radial em caso de vítima adulta. 
(e) Na reanimação cardiopulmonar no adulto, as compressões torácicas são realizadas com uma 
mão sobre a região precordial. 
 
02. Em relação à qualidade da Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP), segundo Atualização da 
Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da 
Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019 em adultos, analise as afirmativas a seguir: 
I. As compressões torácicas devem ter profundidade mínima de 4 cm, sem exceder 6 cm. 
II. Durante a RCP com Dispositivo Bolsa-Válvula-Máscara, as ventilações são 
administradas alternadamente às compressões torácicas, em uma frequência de 30 
compressões torácicas para duas ventilações, com cada ventilação durando em torno de 
1 segundo. 
III. Não se deve retomar as compressões torácicas imediatamente após o choque para 
adultos em parada cardiorrespiratória. 
IV. É aconselhável pausar as compressões por, no máximo, 10 segundos, a fim de aplicar 2 
ventilações. 
V. A obtenção de via aérea avançada permite melhor oxigenação, além de diminuir as 
interrupções das compressões durante a RCP. A Capnografia com forma de onda, 
permite a monitorização da qualidade da RCP. 
Marque a alternativa correta: 
(a) Somente as afirmativas I, II, IV, V estão corretas; 
(b) Somente as afirmativas II, III, IV, V estão corretas; 
(c) Somente as afirmativas I, II, IV estão corretas; 
(d) Somente as afirmativas II, IV, V estão corretas; 
 
03. Quanto ao uso dos desfibriladores externos automáticos, analise as afirmativas a seguir: 
 
I. A RCP deve ser iniciada após a preparação do desfibrilador. 
II. Para crianças < 1 ano de idade, um desfibrilador manual é preferível; se não estiver 
disponível, um DEA com atenuador de carga pode ser usado; se nenhuma dessas opções 
estiver disponível, pode ser utilizado o DEA com pás para adultos, posicionando uma na 
parte anterior do tórax e outra na parte posterior. 
III. Se a vítima estiver com o tórax molhado, antes de aplicar as pás do DEA, não há 
necessidade de secá-lo. 
IV. Para crianças de 1 a 8 anos, recomenda-se utilizar atenuador de carga, se disponível. 
Marque a alternativa correta: 
(a) Somente as afirmativas I, II, IV estão corretas; 
(b) Somente as afirmativas II, III, IV estão corretas; 
(c) Somente as afirmativas II, IV estão corretas; 
(d) Somente as afirmativas I, III, IV estão corretas; 
 
04. As diretrizes para RCP recomenda que a ventilação com via aérea avançada em adultos, seja 
na quantidade de: 
(a) 10 ventilações por minuto 
(b) 8 ventilações por minuto 
(c) 6 ventilações por minuto 
(d) 12 ventilações por minuto 
 
05. Uma vítima foi encontrada caída no chão de um hospital. Segundo as recomendações da 
Atualização da Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de 
Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019 em adultos, analise as 
afirmativas a seguir: 
 
I. Cheque o pulso carotídeo e a respiração simultaneamente, observando se há elevação do 
tórax da vítima e se há pulso, em não mais que 10 segundos. 
II. Se a vítima não estiver respirando ou apresentar somente gasping e pulso, aplique uma 
ventilação a cada 5 a 6 segundos, mantendo frequência de 10 a 12 ventilações por 
minuto. 
III. Cheque o pulso a cada 3 minutos. Se não detectar pulso na vítima, inicie os ciclos de 
compressões e ventilações. 
IV. Compressões torácicas efetivas são essenciais para promover o fluxo de sangue, devendo 
ser realizadas em todos pacientes em parada cardíaca. 
Marque a alternativa correta: 
(a) Somente as afirmativas I, II, III, IV estão incorretas; 
(b) Somente as afirmativas I, II, IV estão corretas; 
(c) Somente as afirmativas II, IV estão incorretas; 
(d) Somente as afirmativas I, III estão corretas; 
 
06. Um paciente de 40 anos, recebeu alta do CC, sendo encaminhada assim para a sala de 
recuperação pós anestésica. Após 5 minutos da sua admissão paciente apresentou 
insuficiência respiratória devido à falha na oxigenação. Esse tipo de insuficiência 
respiratória é denominado de: 
(a) Hipocalêmica 
(b) Hipernatrêmica 
(c) Hipoxêmica 
(d) Acidose respiratória compensada 
(e) Alcalose respiratória descompensada 
 
07. Sobre a sequência do Suporte Básico de Vida em paciente com pulso ausente, segundo a 
Atualização da Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de 
Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019, enumere as alternativas à seguir 
e marque a alternativa correta: 
I. ( ) Verificar a respiração e checar o pulso carotídeo simultaneamente (em 5 a 10 
segundos); 
II. ( ) Verificar a segurança do local; 
III. ( ) Se a vítima não responder, chamar por ajuda. Ligue 102 e solicitar um DEA. Em 
ambiente intra-hospitalar, solicitar ajuda e o carrinho de emergência; 
IV. ( ) Avaliar responsividade da vítima, chamando-a e tocando-a nos ombros; 
V. Chegada do DEA; 
VI. ( ) Iniciar ciclo de 30 compressões e 2 ventilações; 
VII. ( ) Manter a RCP e análise do DEA até que o SAV assuma ou a vítima se movimente. 
Manter o DEA ligado e as pás conectadas. 
VIII. ( ) A cada 2 minutos o DEA realizará nova análise de ritmo. Deve-se seguir as 
instruções do DEA. Trocar as funções dos socorristas a cada 2 minutos para manter a 
qualidade da RCP 
IX. ( ) Seguir os passos do DEA e esperar análise do ritmo cardíaco; 
X. ( ) Se chocável, administrar o choque. Reiniciar RCP, iniciando pelas compressões 
torácicas por 2 minutos; 
XI. ( ) Chegada do DEA; 
 
(a) 4, 1, 3, 2, 5, 10, 9, 7, 8, 6 
(b) 4, 2, 1, 2, 10, 5, 9, 7, 8, 6 
(c) 4, 3, 2, 1, 6, 8, 7, 9, 10, 5 
(d) 3, 1, 4, 2, 5, 9, 10, 7, 8, 6 
(e) 4, 1, 2, 3, 6, 10, 9, 8, 7, 6 
 
08. Sobre as Possíveis causas em todas as modalidades de parada cardiorrespiratória, segundo a 
Atualização da Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de 
Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia – 2019, enumere a segunda coluna 
(tratamentos de cada modalidade) de acordo com as alternativas da primeira coluna: 
I. Hipóxia; 
II. Hipovolemia; 
III. Hidrogênio (acidose); 
IV. Hiper/hipocalemia; 
V. Hipotermia; 
VI. Tóxicos; 
VII. Tamponamento cardíaco; 
VIII. Tensão no tórax (pneumotórax 
hipertensivo); 
IX. Trombose coronária (infarto agudo 
do miocárdio) e 
Tromboembolismo pulmonar; 
 
 
 
( ) Providenciar antídoto; 
( ) Providenciar infusão de Bicarbonato de 
Sódio. Providenciar infusão de Potássio; 
( ) Providenciar a pericardiocentese; 
( ) Providenciar infusão de Ringer com 
Lactato; 
( ) Providenciar Punção/Dreno de tórax; 
( ) Providenciar antitrombolítico (Actilyse); 
( ) Providenciar a adequada oxigenação do 
paciente; 
( ) Coleta de gasometria para identificar o 
distúrbio ácido básico; 
( ) Providenciar o adequado aquecimento do 
paciente;