A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
168 pág.
DIREITO CIVIL SUCESSOES - SIMULADOS

Pré-visualização | Página 6 de 50

I - que houverem sido autores, co-autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste, contra a pessoa de cuja 
sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente; 
II - que houverem acusado caluniosamente em juízo o autor da herança ou incorrerem em crime contra a sua honra, ou de seu 
cônjuge ou companheiro; 
III - que, por violência ou meios fraudulentos, inibirem ou obstarem o autor da herança de dispor livremente de seus bens por 
ato de última vontade. 
Art. 1.815. A exclusão do herdeiro ou legatário, em qualquer desses casos de indignidade, será declarada por sentença. 
§ 1o O direito de demandar a exclusão do herdeiro ou legatário extingue-se em quatro anos, contados da abertura da 
sucessão. 
§ 2o Na hipótese do inciso I do art. 1.814, o Ministério Público tem legitimidade para demandar a exclusão do herdeiro ou 
legatário. 
Art. 1.816. São pessoais os efeitos da exclusão; os descendentes do herdeiro excluído sucedem, como se ele morto fosse antes 
da abertura da sucessão. 
Parágrafo único. O excluído da sucessão não terá direito ao usufruto ou à administração dos bens que a seus sucessores 
couberem na herança, nem à sucessão eventual desses bens. 
 
 
 
 
 5a Questão 
 
 
Considerando o que dispõe a lei civil com relação à sucessão em geral, à sucessão legítima e à testamentária, assinale a única 
alternativa INCORRETA: 
 
 
A aceitação da herança, uma vez manifestada, não pode ser retratada, embora seja possível a anulação, provando-se 
vício de consentimento. 
 
Não se admite renúncia parcial, no entanto um herdeiro, a quem se testarem legados, pode aceitá-los, repudiando a 
herança, ou aceitar a herança e renunciar os legados. 
 Aberta a sucessão pelo ajuizamento da ação de inventário, a herança transmite-se por sentença que homologa a 
partilha de bens aos herdeiros legítimos e testamentários. 
 
Até a partilha, o direito dos coerdeiros, quanto á propriedade e à posse da herança, será indivisível, e regular-se-á 
pelas normas relativas ao condomínio. 
 
Morrendo a pessoa sem testamento, transmite a herança aos herdeiros legítimos; o mesmo ocorrerá quanto aos bens 
que não forem compreendidos no testamento; e subsiste a sucessão legítima se o testamento caducar, ou for julgado 
nulo. 
Respondido em 23/05/2020 18:28:06 
 
 
Explicação: 
A sucessão é aberta com a morte, na forma do art. 1784 do CC. 
 
 
 
 
 6a Questão 
 
 
João sofreu acidente em 01/02/2018 e ficou internado até seu falecimento, que ocorreu em 15/02/2018. Seu hereiros iniciaram 
seu inventário em 26/02/2018, que foi finalizado em 24/05/2018. Em qual data ocorreu a abertura da sucessão de João? 
 
 
Na data da abertura do inventário, em 26/02/2018 
 
Nenhuma das datas anteriores 
 
Na data do término do inventário, em 24/05/2018 
 
No momento do acidente, em 01/02/2018 
 No momento do seu falecimento, em 15/02/2018 
Respondido em 23/05/2020 18:27:53 
 
 
Explicação: 
O princípio de Saisine (previsto no art. 1784 do Código Civil) é uma ficção, importada do Direito francês, pela qual, no exato 
momento da morte do autor da herança ocorre a abertura da sucessão, ou seja, ocorre a transmissão do seu patrimônio aos 
seus herdeiros e legatários. Ainda que a transmissão do domínio só se concretize tempos depois, a sua eficácia será retroativa 
ao momento da morte, que se chama momento da abertura da sucessão. 
 
 
 
 
 7a Questão 
 
 
Quanto ao direito das sucessões, assinale a opção CORRETA: 
 
 
O herdeiro indigno pode ser reabilitado pelos demais coerdeiros. 
 
É eficaz a cessão, pelo coerdeiro, de seu direito hereditário sobre um bem considerado singularmente. 
 O credor que se sentir prejudicado pela renúncia do herdeiro poderá, mediante autorização do juiz, aceitar a herança 
em nome do renunciante. Quitadas as dívidas do renunciante e se houver saldo, prevalece à renúncia quanto ao 
remanescente, que será devolvido aos demais herdeiros. 
 
O pacto sucessório é expressamente vedado pelo ordenamento jurídico brasileiro, pois é nulo de pleno direito o 
contrato que tenha por objeto os bens do espólio de pessoa viva. Ademais, a herança é direito indivisível, e os bens que 
a constituem são uma universalidade, por isso, os herdeiros não poderão validamente fazer qualquer convenção quanto 
aos bens da herança enquanto não for ultimado o inventário. 
 
Considera-se aberta a sucessão no lugar do falecimento do autor da herança ou, quando este é desconhecido, no lugar 
onde se encontrar a maior parte dos bens a serem inventariados. 
Respondido em 23/05/2020 18:27:28 
 
 
Explicação: 
Art. 1.813. Quando o herdeiro prejudicar os seus credores, renunciando à herança, poderão eles, com autorização do juiz, 
aceitá-la em nome do renunciante. 
§ 1o A habilitação dos credores se fará no prazo de trinta dias seguintes ao conhecimento do fato. 
§ 2o Pagas as dívidas do renunciante, prevalece a renúncia quanto ao remanescente, que será devolvido aos demais herdeiros. 
 
 
 
 
 8a Questão 
 
 
Acerca da aceitação é incorreto afirmar que: 
 
 
A aceitação produz efeito "ex tunc", retroagindo à data da abertura da sucessão, para ratificar os efeitos produzidos 
pelo princípio da saisine 
 
A aceitação expressa se dá por declaração escrita 
 
A aceitação é irrevogável 
 A aceitação tácita se dá quando o interessado em que o herdeiro declare se aceita, ou não, a herança, requer ao juiz 
prazo razoável, não superior a 30 dias, para que o herdeiro se pronuncie, sob pena de haver a herança por aceita 
 
Embora a aceitação seja ato indivisível, o herdeiro a quem também forem testados legados, poderá renunciar a estes, 
aceitando a herança, ou vice versa 
Respondido em 23/05/2020 18:27:39 
 
 
Explicação: 
Questão que visa aferir a compreensão do tema Aceitação da Herança. 
 
1a Questão 
 
O direito à sucessão aberta considera-se, para os efeitos legais: 
 
 Imóvel, independente se os bens da herança são móveis ou imóveis. 
 
Móvel se os bens da herança forem todos móveis. 
 
Semovente se os bens da herança forem todos móveis. 
 
Móvel, independente se os bens da herança são móveis ou imóveis. 
 
Imóvel, se todos os bens da herança forem imóveis. 
Respondido em 23/05/2020 18:30:49 
 
 
Explicação: 
 
Art. 80 C.C Consideram-se imóveis para os efeitos legais: 
I - os direitos reais sobre imóveis e as ações que os asseguram; 
II - o direito à sucessão aberta. 
A herança é uma universalidade de direito. Até a partilha todos os herdeiros encontram-se frente ao 
espólio como condôminos, ou seja, possuidores e proprietários de uma cota ideal, abstrata, que só se 
materializará (ou concretizará) no momento da partilha. 
 O estado de indivisão, decorrente da abertura da sucessão, desaparece via inventário que, minucioso e 
exato, faz conhecer o complexo de bens transmitido pelo de cujus aos herdeiros. 
 Ele garante a igualdade de quinhões, prepara a partilha e põe fim ao estado condominial. 
 
 
 
 
 2a Questão 
 
 
Se determinado menor ficar órfão, quem o representará no inventário dos seus pais para fins de aceitação da herança? 
 
 
O juiz da Vara de Sucessões 
 
O avô paterno 
 
O curador especial 
 
O Ministério Público 
 O tutor que for nomeado judicialmente ou tiver sido designado no inventário dos pais, para o exercício da tutela 
Respondido em 23/05/2020 18:31:22 
 
 
Explicação: Trata de questão destinada a verificar se o discente compreende que o menor, quando órfão, isto é, com a perda 
do pai e da mãe, necessita de representação para a prática dos atos processuais, neste caso especialmente no processo de 
inventário, onde é herdeiro dos pais falecidos. Dentro da aceitação da herança esse tópico é abordado como aceitação direta 
feita por tutor ou curador, mediante prévia autorização judicial. 
 
 
 
 
 3a Questão 
 
 
(TJ/AM) A respeito da abertura da sucessão e da aceitação da herança, assinale a afirmativa incorreta. 
 
 
Opera-se

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.