Composição Corporal
41 pág.

Composição Corporal


DisciplinaAvaliacao Fisica222 materiais2.125 seguidores
Pré-visualização2 páginas
COMPOSIÇÃO CORPORAL 
O QUE É ANTROPOMETRIA? 
¨\uf0a8\u202f Técnicas padronizadas onde são utilizados 
compassos (adipômetros), trenas antropométricas, 
paquímetros, estadiômetros e balanças. 
¨\uf0a8\u202f RECOMENDAÇÕES PARA AVALIAÇÃO: 
¤\uf0a4\u202fUsar roupas adequadas. 
n\uf06e\u202fSungas, shorts curtos lycra, biquini, top. O mais fino possível. 
n\uf06e\u202f6 a 8 horas de sono 
n\uf06e\u202fNão realizar exercícios físicos antes da avaliação. 
Massa Corporal 
¨\uf0a8\u202f Massa Muscular 
¨\uf0a8\u202f Tecido Adiposo 
¨\uf0a8\u202f Tecido Ósseo 
¨\uf0a8\u202f Massa Residual 
Massa Corporal 
¨\uf0a8\u202f Em pé 
¨\uf0a8\u202f Menor quantidade de roupa possível 
¨\uf0a8\u202f Descalço 
¨\uf0a8\u202f Balança devidamente calibrada e nivelada. 
¨\uf0a8\u202f Balanças de precisão com boa aceitação no 
mercado. 
Estatura 
¨\uf0a8\u202f Distância da planta dos pés ao vértex 
(ponto mais alto da cabeça) 
¨\uf0a8\u202f Instrumento = estadiômetro 
¨\uf0a8\u202f Descalço 
¨\uf0a8\u202f Pés unidos 
¨\uf0a8\u202f De costas para o estadiômetro 
¤\uf0a4\u202f Manter escápulas e glúteos em contato 
com o estadiômetro 
¨\uf0a8\u202f Braços soltos ao longo do corpo 
¨\uf0a8\u202f Cabeça posicionada no plano 
horizontal de Frankfurt (olhando para 
frente) 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¨\uf0a8\u202f Fita métrica antropométrica 
¨\uf0a8\u202f Mensuração de perímetros corporais 
apresentam diferentes padrões 
para uma mesma medida. 
¤\uf0a4\u202f Utilizar um único protocolo para ter a 
poss ibi l idade de comparar uma 
reavaliação. 
¨\uf0a8\u202f Não existe um melhor protocolo 
¤\uf0a4\u202f Vai se adequar à sua realidade. 
¨\uf0a8\u202f OBJETIVO = determinar o perímetro 
¤\uf0a4\u202f Contorno que delimita área ou região. 
¤\uf0a4\u202f Usar espelho / fita metálica 
¤\uf0a4\u202f Colocar a fita sobre a pele sem 
pressioná-la / colocar elástico na ponta 
da fita. 
Trena \u2013 transversalmente ao 
segmento que está sendo 
medido. 
¨\uf0a8\u202f NÃO CONVENCIONAIS 
¤\uf0a4\u202fPescoço 
¤\uf0a4\u202fPunho 
¤\uf0a4\u202fTornozelo 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¨\uf0a8\u202f Tórax 
¨\uf0a8\u202f Braço 
¨\uf0a8\u202f Antebraço 
¨\uf0a8\u202f Abdome 
¨\uf0a8\u202f Quadril 
¨\uf0a8\u202f Coxa 
¨\uf0a8\u202f Perna 
Mcardle 
¨\uf0a8\u202f HOMEM 
¤\uf0a4\u202f Em pé 
¤\uf0a4\u202f Braços abduzidos 
¤\uf0a4\u202f Plano horizontal, 2,5cm 
acima da linha mamilar 
ao final da expiração 
normal. 
¤\uf0a4\u202f N o m o m e n t o d a 
mensuração, os braços 
deverão estar aduzidos 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
TÓRAX 
¨\uf0a8\u202f MULHER 
¤\uf0a4\u202f Em pé 
¤\uf0a4\u202f Braços abduzidos 
¤\uf0a4\u202f Nível axilar ao final da 
expiração normal. 
¤\uf0a4\u202f N o m o m e n t o d a 
mensuração, os braços 
deverão estar aduzidos 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
TÓRAX 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f Cotovelo flexionado a 
90º 
¤\uf0a4\u202f Mão fechada 
¤\uf0a4\u202f Posicionar a fita na 
maior circunferência do 
braço 
¤\uf0a4\u202f Realizando a contração 
do músculo BB 
BRAÇO 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f Cotovelo paralelo ao 
chão (flexionado em 
ângulo de 90º). 
¤\uf0a4\u202f Palma da mão voltada 
para cima. 
¤\uf0a4\u202f Posicionar a fita na 
maior circunferência do 
antebraço 
¤\uf0a4\u202f Realizando a contração 
do músculo 
ANTEBRAÇO 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f No ponto médio: arco 
costal e crísta ilíaca 
ABDOMIAL 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f No ponto maior da 
circunferência aparente 
dos glúteos. 
QUADRIL 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¨\uf0a8\u202f COXA PROXIMAL 
¤\uf0a4\u202f Logo abaixo da prega 
glútea. 
¨\uf0a8\u202f COXA MEDIAL 
¤\uf0a4\u202f Ponto médio entre a 
l inha inguinal e a 
borda superior da 
patela 
COXA 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f Pe r n a s l e ve m e n t e 
afastadas 
¤\uf0a4\u202f P e s o d o c o r p o 
igualmente distribuído 
nos dois pés 
¤\uf0a4\u202f Posicionar a fita no 
p o n t o d e m a i o r 
circunferência. 
PERNA 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f Sobre os processos 
estiloides do rádio e 
da ulna. 
PUNHO 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f Em pé 
¤\uf0a4\u202f Olhando para frente. 
¤\uf0a4\u202f Acima da proeminência 
laríngea 
¤\uf0a4\u202f Identificando a menor 
circunferência do pescoço 
PESCOÇO 
Determinação dos Perímetros 
Corporais 
¤\uf0a4\u202f Em pé. 
¤\uf0a4\u202f Acima dos maléolos 
lateral e medial. 
¤\uf0a4\u202f Identificando a menor 
circunferência da tíbia. 
TORNOZELO 
Espessura das dobras cutâneas 
¨\uf0a8\u202f Prática para aperfeiçoar as técnicas de medição de cada método. 
¨\uf0a8\u202f Dobras cutâneas à\uf0e0 %G 
¤\uf0a4\u202f Identificar os pontos de referência 
¤\uf0a4\u202f Lado Direito 
¤\uf0a4\u202f Pinçar gordura e não músculo 
¤\uf0a4\u202f Usar apenas polegar e indicador para pinçar a dobra cutânea; 
¤\uf0a4\u202f Compasso perpendicular à dobra; 
¤\uf0a4\u202f Leitura do visor à\uf0e0 no máximo em 3s 
n\uf06e\u202f Captação da gordura realizada pela pressão do compasso 
n\uf06e\u202f Quanto + demorar > alteração da medida 
¤\uf0a4\u202f Compasso posicionado a 1cm de profundidade 
¤\uf0a4\u202f Realizar a leitura e só então tirar o compasso 
¤\uf0a4\u202f 3x cada medida / valor utilizado = média dos 3 valores 
¤\uf0a4\u202f Se a alteração dos valores for muito alta, deve ser realizada uma nova tentativa 
¤\uf0a4\u202f UTILIZAR COMPASSOS DE QUALIDADE 
Espessura das dobras cutâneas 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Sentado 
¤\uf0a4\u202f Articulação do Joelho 
em Flexão de 90º 
¤\uf0a4\u202f Relaxado 
¤\uf0a4\u202f D o b r a d e v e s e r 
localizada na maior 
perimetria da perna. 
PERNA (Panturrilha medial) 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Pequena flexão do joelho 
direiro; 
¤\uf0a4\u202f Deslocar todo o peso para a 
perna de apoio; 
¤\uf0a4\u202f Dobra é realizada sobre o 
músculo reto femoral na 
porção média en t re o 
ligamento inguinal e a borda 
superior da patela. 
¤\uf0a4\u202f Pode se r de te rm inado 
também a 1/3 da distância 
entre o ligamento inguinal e 
a borda superior da patela. 
COXA 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Paralelamente ao eixo 
longitudinal 
¤\uf0a4\u202f 2cm da cicatriz umbilical 
ABDOMINAL 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Obliquamente ao eixo 
longitudinal 
¤\uf0a4\u202f Metade da distância entre 
o último arco costal e a 
crista ilíaca no sentido da 
linha axilar média. 
¤\uf0a4\u202f Avaliado deve afastar ou 
e levar o braço para 
facilitar a execução da 
medida. 
SUPRAILÍACA 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Realizada obliquamente 
¤\uf0a4\u202f Braço do avaliado deslocado 
para trás 
¤\uf0a4\u202f Ponto de intersecção entre a 
linha axilar média e uma 
linha imaginária transversal 
na altura do apêndice 
xifóide do esterno. 
¤\uf0a4\u202f No momento da mensuração, 
o braço do avaliado deve 
estar deslocado para trás. 
AXILAR MÉDIA 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Realizada obliquamente ao 
eixo longitudinal. 
¤\uf0a4\u202f Porção média entre o 
mamilo e a axila para os 
homens 
¤\uf0a4\u202f Terço médio superior para 
mulheres 
TORÁCICA 
Espessura das dobras cutâneas 
¤\uf0a4\u202f Medida na face anterior 
do braço; 
¤\uf0a4\u202f N o s e n t i d o d o e i xo 
longitudinal; 
¤\uf0a4\u202f P o n t o d e m a i o r 
circunferência aparente do 
ventre muscular do bíceps 
BÍCEPS 
Espessura das dobras cutâneas 
TRÍCEPS 
¤\uf0a4\u202f Medida na face posterior 
do braço; 
¤\uf0a4\u202f Sobre a porção média 
entre o acrômio e o 
olécrano; 
¤\uf0a4\u202f Paralelamente ao eixo 
longitudinal. 
Espessura das dobras cutâneas 
SUBESCAPULAR 
¤\uf0a4\u202f Obliquamente ao eixo 
longitudinal; 
¤\uf0a4\u202f Na porção imediatamente 
abaixo da borda inferior 
da escápula (em média 
2cm); 
¤\uf0a4\u202f Para encontrar a região 
s u b e s c a p u l a r c o m 
facilidade, solicitar ao 
avaliado que faça uma 
leve extensão do ombro 
com flexão do cotovelo. 
Determinação do Percentual de 
Gordura 
¨\uf0a8\u202f Equação de SIRI: 
¤\uf0a4\u202f%G = (495 / DC) \u2013 450 
n\uf06e\u202fDC = densidade comporal 
¤\uf0a4\u202fHOMENS DE 18 A 61 ANOS 
n\uf06e\u202f DC = 1,10938 \u2013 0,0008267 (\u3a33) + 0,0000016 (\u3a33)2 \u2013 0,0002574 (idade) 
n\uf06e\u202f (\u3a33) é o somatório das seguintes dobras: torácica + abdominal + coxa medial 
¤\uf0a4\u202f MULHERES 
n\uf06e\u202f DC = 1,0994921 \u2013 0,0009929 (\u3a33) + 0,0000023 (\u3a33)2 \u2013 0,0001392 (idade) 
n\uf06e\u202f (\u3a33) é o somatório das seguintes dobras: tríceps + suprailíaca + coxa medial 
 
Percentual de Gordura para Homens 
Nível/Idade 18-25 26-35 36-45 46-55 56-65 
Excelente 4 a 6% 8 a 11% 10 a 14% 12 a16% 13 a 18% 
Bom 8 a 10% 12 a 15% 16 a 18% 18 a 20% 20 a 21% 
Acima da 
média 
12 a 13% 16 a 18% 19 a 21% 21 a 33% 22 a 23% 
Média 14 a 16% 18 a 20% 21 a 23% 24 a 25% 24 a 25% 
Abaixo da 
Média 
17 a 20% 22 a 24% 24 a 25% 26 a 27% 26 a 27% 
Ruim 20 a 24% 25 a 26% 27 a 29% 28 a 30% 28 a 30% 
Muito Ruim 26 a 36% 28 a 36% 30 a 39% 32 a 38% 32 a 38% 
Percentual de Gordura para Mulheres 
Nível/Idade 18-25 26-35 36-45 46-55 56-65