A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
atividade 4 sist cardio 1

Pré-visualização | Página 2 de 3

circulantes. Esses fatores, 
entre outros, são estímulos para as adaptações à vida extrauterina.
 
SADLER, T. W. Langman : embriologia médica. 13. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 
2017.
 
Considerando as características da circulação fetal, analise as afirmações a seguir e marque V 
para as verdadeiras, e F para as falsas.
 
( ) Na circulação fetal, considera-se que o sangue flui em paralelo, diferentemente do fluxo em 
série que ocorre na vida extrauterina. Isso significa que o ventrículo direito ejeta sangue para a 
placenta, e o esquerdo, para o cérebro e parte superior do corpo.
( ) O sangue que chega à placenta é proveniente das artérias umbilicais, que também 
retornam o sangue ao feto.
( ) A placenta é importantíssima ao feto pois é por meio dela que ocorre a oxigenação do 
sangue fetal.
( ) Ao final da gestação, os pulmões começam a fazer trocas gasosas para atender às 
demandas metabólicas do feto.
 
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de respostas.
Resposta Selecionada:
Incorreta V, V, V, F.
Resposta Correta:
Correta V, F, V, F.
Feedback da resposta: Sua resposta está incorreta. Sugerimos a releitura do e-book para 
compreender melhor o assunto tratado. Verifique a importância da placenta, das artérias 
umbilicais e dos pulmões – estes na vida uterina ficam cheios de líquidos – para a circulação 
fetal.
Pergunta 6
0 em 1 pontos
A evolução no diagnóstico e no tratamento das cardiopatias congênitas das últimas décadas 
possibilitou maior sobrevida a crianças que antes tinham poucas perspectivas. O sucesso no 
tratamento dessas disfunções permitiu o crescimento no número de pacientes e seu 
seguimento propiciou o aparecimento de uma nova população de adultos portadores de 
cardiopatia congênita. Uma pesquisa científica publicou em 2010 o perfil de pacientes 
atendidos no ambulatório de cardiopatia congênita adulto do Hospital das Clínicas da 
Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto no período de 2 de janeiro de 2000 a 31 de 
dezembro 2007.
 
AMARAL, F. et al . Cardiopatia congênita no adulto: perfil clínico-ambulatorial no Hospital das 
Clínicas de Ribeirão Preto. Arq. Bras. Cardiol. , São Paulo, v. 94, n. 6, p. 707-713, jun. 2010. 
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-
782X2010000600001&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10/03/2019.
 
Os resultados do estudo citado mostraram que as cardiopatias mais frequentes, entre as não 
tratadas, foram comunicação interventricular (CIV), comunicação interatrial (CIA) e estenose 
pulmonar. Entre cardiopatias corrigidas cirurgicamente, as mais frequentes foram CIA, 
Tetralogia de Fallot, coarctação da aorta e CIV.
 
Considerando os principais defeitos congênitos no coração e suas características, analise as 
afirmações a seguir e marque V para as verdadeiras, e F para as falsas.
 
( ) Na estenose pulmonar ocorre um estreitamento na saída do ventrículo direito.
( ) A comunicação interventricular pode ser oriunda de malformações na membrana ou no 
músculo que separa os ventrículos, com decorrente fluxo sanguíneo entre os ventrículos.
( ) A Tetralogia de Fallot está relacionada à malformação do primeiro campo cardíaco, com 
efeitos na divisão das câmaras cardíacas.
( ) A comunicação interatrial e a comunicação interventricular são malformações decorrentes de 
defeitos na divisão das vias de saída.
( ) Um dos defeitos que caracterizam a Tetralogia de Fallot decorre de malformação no septo 
interventricular.
 
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de respostas.
Resposta Selecionada:
Incorreta V, V, V, F, F.
Resposta Correta:
Correta V, V, F, F, V.
Feedback da resposta: Sua resposta está incorreta. Defeito na saída do ventrículo direito 
pode causar estenose pulmonar. Os defeitos chamados comunicação interatrial e comunicação 
interventricular são decorrentes de malformações nos septos que dividem os átrios e os 
ventrículos. A comunicação interventricular faz parte da Tetralogia de Fallot, que inclui ainda 
mais três defeitos, os quais decorrem de malformações na divisão das vias de saída e canais 
aórtico e pulmonar.
Pergunta 7
0 em 1 pontos
Defeitos no tubo neural ocorrem quando não há o fechamento dele. Assim, se esse tubo não 
consegue se fechar na região cranial, a maior parte do cérebro deixa de se formar. Se o 
fechamento não se dá em qualquer outra parte, ocorre um defeito denominado espinha bífida. 
Crianças com defeitos no tubo neural perdem funções neurológicos, e as disfunções dependem 
do nível e da gravidade da lesão. Esses defeitos podem ser decorrentes de fatores genéticos 
e/ou ambientais. A deficiência do ácido fólico na gestação, por exemplo, pode causar 
problemas no fechamento do tubo neural, provocando alterações como anencefalia ou espinha 
bífida.
 
SADLER, T. W. Langman : embriologia médica. 13. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 
2017.
 
Na embriogênese, uma etapa importante é a neurulação, em que se inicia a formação do 
sistema nervoso. Durante essa fase, diferentes folhetos embrionários dão origem a estruturas 
distintas.
 
Assinale a alternativa que associa corretamente o local de origem e o processo de formação do 
tubo neural.
Resposta Selecionada:
Incorreta Endoderma, formação junto com a notocorda.
Resposta Correta:
Correta Ectoderma, formação induzida pela notocorda.
Feedback da resposta: Sua resposta está incorreta. Sugerimos a leitura do e-book para 
melhor compreensão deste assunto. Você vai verificar onde se origina o tubo neural e também 
o processo de formação dele. Quando há problemas no fechamento desse tubo, anencefalia ou 
espinha bífida são alterações que podem ocorrer.
Pergunta 8
1 em 1 pontos
Anexos embrionários são estruturas originadas a partir dos folhetos germinativos que auxiliam 
o desenvolvimento do embrião, mas que não persistem nos adultos. A denominação “anexo” é 
devido ao fato de os anexos não fazerem parte do corpo do embrião; apesar disso, são 
importantes para atender às suas demandas metabólicas, havendo por meio deles trocas de 
gases, de nutrientes e de hormônios. Além disso, há também a função de proteção associada a 
anexos embrionários.
 
Com base no exposto, relacione os anexos embrionários a seguir com as respectivas 
características e funções.
 
I. Saco vitelínico (ou vesícula vitelínica)
II. Âmnio
III. Córion
IV. Alantoide
V. Placenta
 
( ) Estrutura formada a partir do epiblasto, tendo função de proteger o embrião contra choques 
mecânicos, além de prevenir sua desidratação.
( ) Tem origem no trofoblasto, tendo função na sustentação por envolve-lo por meio de 
estrutura membranosa.
( ) Armazena substâncias que são usadas para nutrir o embrião.
( ) Apresenta importantes funções na realização de troca de gases respiratórios, nutrientes, 
excretas e anticorpos.
( ) Tem função relacionada à excreção e às trocas gasosas e participa da formação do cordão 
umbilical.
 
Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de respostas.
Resposta Selecionada:
Correta II, III, I, V, IV.
Resposta Correta:
Correta II, III, I, V, IV.
Feedback da resposta: Sua resposta está correta! A vesícula vitelínica contém 
substâncias importantes para nutrir o embrião. O anexo, que tem origem no epiblasto e protege 
contra choques mecânicos, é o âmnio, que contém o líquido amniótico. O trofoblasto origina o 
córion, relacionado à função de sustentação. O alantoide está relacionado à excreção e às 
trocas gasosas. Por fim, a placenta tem variadas e importantes funções, desde trocas gasosas 
até a nutrição e a defesa do feto, além de produzir hormônios.
Pergunta 9
0 em 1 pontos
Até o sétimo mês gestacional ocorrem divisões sucessivas nos bronquíolos, que aumentam em 
número e diminuem em tamanho, além de se tornarem mais vascularizados. Bronquíolos 
respiratórios são formados a partir dos bronquíolos terminais, que depois dão origem a ductos 
e sacos terminais, considerados alvéolos primitivos. Considera-se que no final do sétimo mês 
há quantidade suficiente de estruturas para realização de trocas

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.