A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Fisiologia aplicada

Pré-visualização | Página 1 de 3

Fisiologia aplicada
2
Sistema nervoso
	O sistema nervoso anatomicamente é dividido em duas partes: Sistema nervoso central (SNC) e Sistema nervoso periférico (SNP). Sendo o central constituído de encéfalo e medula espinhal e o periférico de nervos espinhais, nervos cranianos, gânglios e terminações nervosas. 
	O encéfalo é formado pelo cérebro (diencéfalo: tálamo e hipotálamo), cerebelo e tronco encefálico (bulbo, ponte e mesencéfalo). Ele encontra se na caixa craniana protegido por meninges. A medula espinhal é a continuação do bulbo, que se aloja dentro da coluna vertebral ao longo do seu eixo crânio-caudal. Nela estão os neurônios motores e sensoriais.
	Nervos são formados por fibras nervosas ramificadas que se distribuem por todo o corpo e gânglios são dilatações de alguns nervos onde há concentração de corpos celulares dos neurônios.
	Os nervos raquidianos ou espinhais são nervos mistos pois contêm fibras nervosas motoras e sensitivas. Eles se ligam à medula espinhal aos pares, um de cada lado da coluna, através dos espaços entre as vértebras. Cada nervo é composto de dois conjuntos de fibras nervosas, chamadas raízes dos nervos, as quais se ligam à parte dorsal (raiz dorsal) e à parte ventral (raiz ventral) da medula.
	A raiz dorsal contém somente fibras nervosas sensitivas, enquanto que a raiz ventral contém somente fibras nervosas motoras. Na raiz dorsal de cada nervo existe um gânglio constituído de muitos corpos celulares dos neurônios sensitivos.
	Os nervos cranianos são os que fazem conexão com o encéfalo. Nos humanos, agrupam-se em 12 pares. Sua maioria liga-se ao tronco encefálico, exceto os nervos olfatório e o óptico, que se ligam respectivamente ao telencéfalo e ao diencéfalo. 
	As fibras dos nervos cranianos podem ser classificadas em aferentes e eferentes. Os dois tipos de fibras (aferentes e eferentes) são divididas em somáticas e autônomas que podem ser gerais ou específicas. 
	As funções do sistema nervoso são: 
· Receber e armazenar informações do meio interno e externo - componente sensorial (1)
· Associar e interpretar informações e memória - componente central, de integração (2)
· Ordenar e efetivar ações - componente motor (3)
· Controlar o meio interno (autônomo).
	Cada componente tem funções especificas e é composto por tipos de células diferentes.
1) Componente sensorial: é o estímulo de receptores que ocorre no sistema nervoso periférico, ou seja, o momento em que o organismo recebe as informações. Detectam estímulos internos e externos e levam estas informações para o SNC por meio dos nervos cranianos e espinhais.
2) Componente central: é a captação e interpretação do estímulo no sistema nervoso central. Processa as informações sensoriais, analisa as mesmas e armazena o que achar necessário para gerar uma memória. Também são tomadas decisões para gerar uma resposta apropriada.
3) Componente motor: é a resposta do estímulo e a realização da ação. Após serem assimiladas as informações, efetores (músculos e glândulas) são ativados por meio dos nervos cranianos e espinhais.
	Os estímulos podem ser por comandos, por reflexo ou vegetativo (visceral). Existe um mecanismo chamado de reserva memorial, que são vias de comunicação que armazenam estímulos uma vez que eles já foram recebidos e executados. Ou seja, armazenam em forma de memória os estímulos recebidos, para que uma próxima vez, eles possam ser entendidos e realizados de maneira mais fácil e rápida.
	Primeiro a informação passa pelo SNP (componente sensorial), onde é recebido o estímulo por terminações nervosas e passado para o SNC. Depois, a informação é captada e interpretada pelo SNC, que vai analisar e armazenar a informação, preparando uma resposta. (componente central). Por último, a informação recebe uma resposta adequada, que vai efetivar uma ação no local determinado (componente motor).
	Existem duas classificações enquanto ao sistema nervoso periférico e seu mecanismo de captação de respostas:
1. Sistema nervoso somático (SNS): é composto por neurônios sensoriais e motores que estão submetidos ao controle consciente para gerar ações motoras voluntárias resultantes da contração de um músculo esquelético. Os neurônios sensoriais conduzem informações provenientes dos receptores somáticos da cabeça, parede do corpo, membros, visão, audição, paladar e olfato para o SNC. Enquanto os neurônios motores conduzem impulsos do SNC apenas para os músculos esqueléticos por meio de respostas voluntárias.
2. Sistema nervoso autônomo (SNA): é a parte do sistema nervoso que está relacionada ao controle da vida vegetativa, ou seja, controla funções como a respiração, circulação do sangue, controle de temperatura e digestão, com a função de manter a homeostasia. É o responsável pelas respostas reflexas, ou seja, de caráter involuntário. Os neurônios sensoriais conduzem informações para o SNC por meio de receptores autônimos localizados em órgãos viscerais, como o estomago e os pulmões. Já os neurônios motores, conduzem impulsos do SNC para os músculos lisos, músculo cardíaco e para as glândulas. Todos esses impulsos são conduzidos de maneira involuntária. É interligado com o hipotálamo, que coordena a resposta comportamental para garantir a homeostasia. O SNA ainda se divide em simpático e parassimpático.
ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO
	O sistema nervoso é composto de células altamente especializadas. Essas células nervosas são chamadas de neurônios e neuroglias. O funcionamento dos neurônios é estritamente dependente das neuroglias e vice-versa.
	 Os neurônios são responsáveis por conduzir, receber e transmitir os impulsos nervosos através do corpo. Eles são todos conectados e transmitem informações entre si por meio de sinapses. 
	Eles são anatomicamente divididos em: corpo celular, dendritos, axônio e terminais sinápticos. 
· Corpo celular: parte do neurônio que abriga o núcleo, as organelas citoplasmáticas e o citoesqueleto. É a partir desta parte que se iniciam os impulsos elétricos e que saem as extensões dos neurônios, ou seja, onde ocorre a integração das informações.
· Dendritos: ramificações do corpo celular que atuam na recepção de estímulos nervosos tanto do ambiente como de outros neurônios para o restante da célula.
· Axônio: pode ter tamanhos e circunferências variáveis. Ele conduz o impulso elétrico do corpo celular para os terminais sinápticos. São envolvidos por bainhas de mielina que servem como isolantes elétricos. As bainhas de mielina envolvem, isolam e protegem os axônios, e por elas serem espaçadas entre si, acabam aumentando também a velocidade da condução do potencial elétrico dos neurônios.
· Terminais sinápticos: é a parte final dos neurônios, que se ligam a dendritos de outros neurônios por uma fenda sináptica, onde são passados os potenciais elétricos (sinapse). Essa fenda é preenchida por proteínas (sinapse elétrica) ou por neurotransmissores (sinapse eletroquímica). 
	Os neurônios também se diferenciam em formato e estrutura. A forma do neurônio interfere diretamente na sua função.
· Neurônios multipolares: apresentam mais de dois prolongamentos que partem do corpo celular. Podem ter vários dendritos, mas apenas um axônio.
· Neurônios bipolares: apresentam dois prolongamentos a partir do corpo celular, sendo um axônio e um dendrito.
· Neurônios pseudo-unipolares: com apenas um prolongamento partindo do corpo celular, mas este se bifurca em dois novos prolongamentos, porém ambos são axônios.
· Neurônios unipolares: apresentam apenas corpo celular e um prolongamento (axônio). Não costumam ser muito comuns, além de servir como células sensoriais da retina e mucosa olfatória.
	Já as neuroglias cercam os neurônios e os mantém no seu lugar, fornecendo nutrientes e oxigênio para os neurônios, isolam um neurônio do outro, destroem patógenos e removem neurônios mortos. Mantêm a homeostase, formam as bainhas de mielina e participam na transmissão de sinais no sistema nervoso.
	Também participam ativamente nas transmissões sinápticas, regulando a liberação de neurotransmissores ou