02-caderno
114 pág.

02-caderno


DisciplinaPedagogia159.370 materiais896.467 seguidores
Pré-visualização25 páginas
Ministério da Educação
Secretaria de Educação Básica
Diretoria de Apoio à Gestão Educacional
Pacto Nacional 
pela Alfabetização
na Idade Certa
A criança no Ciclo de Alfabetização
Brasília 2015
Caderno 02
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 1 14/8/2015 17:16:14
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Centro de Informação e Biblioteca em Educação (CIBEC)
Brasil. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão 
Educacional.
 Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. A criança no 
ciclo de alfabetização. Caderno 02 / Ministério da Educação, Secretaria 
de Educação Básica, Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. \u2013 Brasília: 
MEC, SEB, 2015.
 112 p.
 ISBN: 978-85-7783-185-2
 1. Alfabetização. 2. Currículo. 3. Infância. I. Título.
CDU
xxxxx
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
Secretaria de Educação Básica \u2013 SEB
Diretoria de Apoio à Gestão Educacional \u2013 DAGE
Tiragem 380.000 exemplares 
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA 
Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Sala 500
CEP: 70.047-900
Tel: (61) 2022-8318 / 2022-8320
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 2 14/8/2015 17:16:14
CADERNO 2 | A criança no Ciclo de Alfabetização
Coordenação Geral:
Telma Ferraz Leal, Emerson Rolkouski, Ester Calland de Sousa Rosa, Carlos 
Roberto Vianna
Organizadores:
Alexsandro da Silva, Claudinéia Maria Vischi Avanzini, Ester Calland de Sousa 
Rosa, Telma Ferraz Leal
Autores dos textos das seções Aprofundando o Tema e Compartilhando:
Alexsandro da Silva, Ana Lucia Espíndola, Ana Márcia Luna Monteiro, Claudinéia 
Maria Vischi Avanzini, Elsa Midori Shimazaki, Kellen Cristina C. A. Bernardelli, 
Lisandra Ogg Gomes, Márcia da Silva Santos Portela, Regina Aparecida Marques 
de Souza, Renata da Conceição Silveira, Renilson José Menegassi, Solange Alves 
de Oliveira-Mendes
Leitores Críticos: 
Alexsandro da Silva, Ana Lucia Espíndola, Ana Márcia Luna Monteiro, Claudinéia 
Maria Vischi Avanzini, Conceição de Maria Moura Nascimento Ramos, Dourivan 
Camara Silva de Jesus, Elsa Midori Shimazaki, Ester Calland de Sousa Rosa, Janaína 
Silva Costa Antunes, Kellen Cristina C. A. Bernardelli, Lisandra Ogg Gomes, 
Marcos Ribeiro de Melo, Mirna França da Silva de Araujo, Regina Aparecida 
Marques de Souza, Renilson José Menegassi, Tatiane Fonseca Niceas,Telma 
Ferraz Leal, Vera Lúcia Batista
Apoio pedagógico: 
Amanda Kelly Ferreira da Silva, Denize Shirlei da Silva, Maria Karla Cavalcanti de 
Souza
Revisoras do Texto:
Ana Maria Costa de Araujo Lima, Bruna de Paula Miranda Pereira
Projeto gráfico e diagramação:
Labores Graphici
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 3 14/8/2015 17:16:14
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 4 14/8/2015 17:16:14
Sumário
07 Iniciando a Conversa
09 Aprofundando o Tema
09 Concepção de criança, infância e educação \u2013 Claudinéia Maria Vischi Avanzini, 
Lisandra Ogg Gomes
23 A criança no Ciclo de Alfabetização: ludicidade nos espaços/tempos 
escolares \u2013 Kellen Cristina Costa Alves Bernardelli
34 A Criança, a Educação Infantil e o Ensino Fundamental de Nove Anos \u2013 
Alexsandro da Silva, Solange Alves de Oliveira Mendes
47 O lugar da cultura escrita na educação da criança: pode a escrita roubar a 
infância? \u2013 Ana Lucia Espindola, Regina Aparecida Marques de Souza
56 Infância e Educação Inclusiva como Direitos de Todos \u2013 Elsa Midori Shimazaki, 
Renilson José Menegassi
67 Identidade, Escola e Educação do Campo \u2013 Elsa Midori Shimazaki, Renilson José 
Menegassi
78 Compartilhando
78 Jogos e interdisciplinaridade: a questão da afetividade em foco \u2013 Renata da 
Conceição Silveira
84 Música no Ciclo de Alfabetização \u2013 Márcia da Silva Santos Portela
94 Afetividade sim! \u2013 Ana Marcia Monteiro
105 Para Aprender Mais
109 Sugestões de Atividades
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 5 14/8/2015 17:16:14
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 6 14/8/2015 17:16:14
7
A CRIANÇA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Iniciando a Conversa
Este caderno apresenta uma discussão acerca do tema \u201cA criança no Ciclo de 
Alfabetização\u201d e tem como foco maior provocar, a partir de reflexões teóricas e de 
relatos de experiência, um debate sobre a necessidade de desenvolver, no ambiente 
escolar, uma ação pedagógica que possibilite às crianças a garantia de seus direitos, 
principalmente o de serem crianças e, portanto, preservarem suas identidades 
sociais e suas necessidades de aprender de forma lúdica e contextualizada.
O direito de ser criança, com as suas múltiplas maneiras de ser e de viver a 
infância, caminha, muitas vezes, em uma direção contrária a outro direito que todos 
os meninos e meninas têm: o de estar alfabetizado(a) até os oito anos de idade. 
Entendemos por alfabetização não somente a compreensão do sistema de escrita 
alfabética e o domínio das correspondências entre grafemas e fonemas, mas também 
as capacidades de ler e produzir textos de diferentes gêneros textuais, relativos aos 
diferentes componentes curriculares, com autonomia. Neste caderno, defendemos 
a não incompatibilidade entre ser criança e ingressar no mundo da cultura escrita, 
que, desde cedo, interessa à criança e compõe o seu universo social e cultural.
Este caderno pretende, portanto, subsidiar as práticas pedagógicas dos 
professores que atuam com crianças do Ciclo de Alfabetização, com o intuito de 
permitir que eles possam:
 refletir sobre os conceitos de \u201ccriança\u201d e \u201cinfância\u201d e sua pluralidade, \u2022	
compreendendo-os enquanto produtos das relações socioculturais;
 compreender a importância do lúdico no desenvolvimento infantil, valorizando \u2022	
a sua presença no processo educativo da criança;
 analisar o processo de inclusão da criança de seis anos no Ensino Fundamental \u2022	
e a transição dela da Educação Infantil para essa segunda etapa da Educação 
Básica;
 compreender a escrita e a infância como construções sociais e como conceitos \u2022	
complementares e inter-relacionados;
 refletir sobre infância e educação inclusiva como direito de todos;\u2022	
 discutir alguns pressupostos sobre a Educação do Campo e as identidades \u2022	
sociais das crianças do campo;
 reconhecer a importância da afetividade na sala de aula e na escola, \u2022	
compreendendo a necessidade de um olhar integral sobre a infância.
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 7 14/8/2015 17:16:15
PNAIC_Caderno 2_CICLO ALF_pg001-112.indd 8 14/8/2015 17:16:15
9
A CRIANÇA NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
Aprofundando o Tema
CONCEPÇÃO DE CRIANÇA, INFÂNCIA E EDUCAÇÃO
Claudinéia Maria Vischi Avanzini (Pedagoga da Secretaria de Estado da Educação do Município de 
Araucária)
Lisandra Ogg Gomes (Professora da Universidade do Rio de Janeiro)
O que é ser criança? O que significa a infância? As respostas para essas perguntas 
podem parecer simples, até mesmo nos dias de hoje, se pensarmos na quantidade 
de imagens, discursos, práticas, teorias e pesquisas acerca desses indivíduos e 
dessa geração ao longo da História. Podemos iniciar essa incursão considerando 
três perspectivas: a criança, enquanto um ser genérico; a infância, como uma 
geração ou fase da vida; e as crianças, a partir do modo como vivem suas infâncias. 
O que queremos pontuar é que não podemos conceber como sinônimos \u201cinfância\u201d e 
\u201ccriança\u201d, e também não podemos idealizar uma única infância ou criança, pois são 
diversas as infâncias que as crianças vivem. Assim, apresentaremos concepções de 
determinadas épocas acerca de \u201cinfância\u201d, \u201ccriança\u201d e \u201ceducação\u201d, para que o leitor 
perceba a continuidade no tempo de determinadas ideias e práticas.
Há de se considerar que, por um lado, infância é uma construção sócio-histórica, 
ou seja, a infância é produzida pelo conjunto da sociedade a partir de ideias, práticas 
e valores, que se referem, sobretudo, às crianças, sendo que esses elementos são 
estabelecidos, difundidos e reproduzidos social e culturalmente. Infância não é 
natural, mas um fato social, ou seja, é uma construção coletiva que assume uma 
forma, tem um sentido e um conteúdo, os quais são estabelecidos