O ESTUDO CIENTÍFICO COMO BASE NA ÁREA DA ESTÉTICA: UMA CONTRAPARTIDA AO SENSO COMUM
9 pág.

O ESTUDO CIENTÍFICO COMO BASE NA ÁREA DA ESTÉTICA: UMA CONTRAPARTIDA AO SENSO COMUM


DisciplinaCirurgia Plástica166 materiais1.084 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Revista Científica da FHO|UNIARARAS v. 3, n. 2/2015 
 
 
http://www.uniararas.br/revistacientifica 
85 
O ESTUDO CIENTÍFICO COMO BASE NA ÁREA 
DA ESTÉTICA: UMA CONTRAPARTIDA AO 
SENSO COMUM 
THE SCIENTIFIC STUDY BASED ON THE ESTHETIC AREA: A COUNTERPARTY TO THE 
COMMON SENSITIVE 
 
Jadde Caroline Rozam da CRUZ1; Natália Fernanda UENO1; Beatriz Martins MANZANO2. 
1Graduanda do Curso de Bacharelado em Estética pelo Centro Universitário Hermínio Ometto \u2013 
FHO|Uniararas. 
2Graduada em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia \u2013 FCT/UNESP (2004). Pós-
graduada (especialista) em Fisiologia do Exercício pela Universidade Federal de São Paulo \u2013 
UNIFESP (2006). Especialista em Fisioterapia Dermatofuncional pela Faculdade de Tecnologia 
IBRATE (2008). Mestre em Fisioterapia pelo Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Strictu 
Sensu pela FCT/UNESP \u2013 Presidente Prudente (2009). Doutora em Ciências pelo Programa de Pós-
graduação em Medicina Translacional pela Escola Paulista de Medicina \u2013 EPM/UNIFESP (2014). 
Atualmente é docente do Centro Universitário Hermínio Ometto \u2013 FHO|Uniararas e da Faculdades 
Integradas Claretianas de Rio Claro. Experiência nas áreas de Fisioterapia Cardiorespiratória e 
Fisioterapia em Dermatofuncional. Professor do Curso de Bacharelado em Estética \u2013 
FHO|Uniararas. 
Autora responsável: Beatriz Martins Manzano. Endereço: Av. Maximiliano Baruto, n. 500, Jardim 
Universitário, Araras \u2013 SP. CEP: 13.607-339. E-mail: <biamanzano@uniararas.br>. 
 
RESUMO 
O mercado mundial da beleza está em constante 
crescimento em razão da procura pelos mais variados 
tratamentos estéticos. Segundo o SEBRAE (2014a), o 
Brasil é o terceiro maior mercado de beleza do mundo, já 
que movimentou mais de R$ 50 bilhões em 2015, valor 
que tende a aumentar a cada ano. Diante desse 
crescimento, a pesquisa científica torna-se extremamente 
necessária nessa área, com publicações de artigos de 
caráter tecnológico e científico a fim de comprovar a 
eficácia das técnicas, construir conhecimento e transmitir 
informações relevantes e comprovadas. Dessa maneira, 
este trabalho tem como objetivo realizar a revisão de 
literatura sobre a evolução da pesquisa científica na 
Estética, com dados obtidos por meio de levantamento 
bibliográfico em bases de dados (MEDLINE, SciELO e 
LILACS). Foram utilizadas como referência as palavras-
chave \u201cestética\u201d, \u201cliteratura\u201d e \u201cprática clínica baseada 
em evidências\u201d encontradas em artigos publicados de 
2004 a 2014 nos idiomas em português, inglês e espanhol 
em periódicos de acesso livre e gratuito. Pode-se dizer 
que na área de Estética há muito do senso comum; porém, 
os indivíduos devem ser orientados a partir de pesquisas 
científicas. Recursos estéticos têm sido objetos de estudo, 
e o número de publicações e de periódicos na área tem 
aumentado. Observou-se significativo aumento do 
número de publicações de estudos científicos no período 
de 2009 a 2014, sendo de suma importância para a 
profissão que busca a devida regulamentação. Apesar do 
avanço científico e do aumento de publicações científicas 
na área, faz-se necessário maior disponibilidade de 
periódicos on-line e acesso gratuito a eles, visto que 
alguns são encontrados apenas na forma impressa e 
possuem custo. Foi possível concluir que houve aumento 
considerável no número de publicações na área da 
Estética, porém, muitas vezes o conhecimento advindo 
delas não está ao alcance dos profissionais, já que muitas 
possuem acesso restrito ou são pagas, não podendo ser 
visualizadas por todos. 
 
ABSTRACT 
The world beauty market is constantly growing due to the 
demand for aesthetic treatments. According to SEBRAE 
(2014a), Brazil is the third largest beauty market in the 
world, having moved more than R$ 50 billion in 2015, an 
amount that tends to increase each year. Considering this 
mailto:biamanzano@uniararas.br
Revista Científica da FHO|UNIARARAS v. 3, n. 2/2015 
 
 
http://www.uniararas.br/revistacientifica 
86 
growth, scientific research becomes extremely necessary 
in this area, with publications of technological and 
scientific articles in order to prove the effectiveness of the 
techniques, build knowledge and transmit relevant and 
proven information. That way, this work aims to carry 
out a review of the literature on the evolution of scientific 
research in Aesthetics, with data obtained through a 
bibliographic survey in databases (MEDLINE, SciELO e 
LILACS). The keywords \u201caesthetics\u201d, \u201cliterature\u201d and 
\u201cevidence-based on clinical practice\u201d found in articles 
published from 2004 to 2014 in Portuguese, English and 
Spanish languages in free and open access journals were 
used as reference. It can be said that in the area of 
Aesthetics there is a lot of common sense; however, 
individuals should be guided from scientific research. 
Aesthetic resources have been objects of study, and the 
number of publications and journals in the area has 
increased. There is a significant increase in the number 
of publications of scientific studies in the period from 
2009 to 2014, being of great importance for the 
profession that seeks the proper regulation. Despite the 
scientific advance and the increase of scientific 
publications in the area, it is necessary to have more 
availability of on-line journals and free access to them, 
since some are only found in printed form and cost. It was 
possible to conclude that there was a considerable 
increase in the number of publications in the area of 
Aesthetics, but often the knowledge coming from them is 
not available to professionals, since many have restricted 
access or are paid and can not be viewed by all. 
Keywords: Aesthetics. Literature. Evidence-Based on 
Clinical Practice. 
 
 
INTRODUÇÃO 
No decorrer dos anos, desde a Antiguidade 
até os dias de hoje, a sociedade tem imposto 
um padrão de beleza ao corpo humano. A cultura 
de cada sociedade determina alguns atributos, 
criando padrões de beleza e sensualidade 
(BARBOSA; MATOS; COSTA, 2011). 
Historicamente, a imagem concentra-se na 
beleza, na saúde (fertilidade) e na juventude, e, com 
base nessa percepção de beleza, a imagem atual do 
corpo invadiu as dimensões que ultrapassam o bom 
senso (SHMIDTT; OLIVEIRA; GALLAS, 2008). 
Estudos sobre a história da beleza feminina 
indicam que desde o século XVI ocorreram 
algumas descobertas, como a valorização das 
superfícies (rosto e colo), a observação dos volumes 
corporais, para finalmente se chegar à profundidade 
como a expressão dos sentimentos e o bem-estar da 
alma, modificando e ampliando os parâmetros da 
beleza feminina (MORENO, 2008). 
De acordo com Furlani, Bannwart 
e Bertoldi (2008), por conta de uma sociedade cada 
vez mais exigente em relação aos padrões de 
beleza, para que sejam realizados tratamentos 
estéticos, faz-se necessário um conhecimento 
aprofundado por parte do profissional, utilizando 
pesquisas científicas como base. Isso se reflete 
também no desenvolvimento da área, já que 
pesquisas mostram que um dos segmentos que mais 
cresceram nos últimos anos foi o ligado à beleza, 
desde a indústria cosmética até os estabelecimentos 
relacionados à estética. Segundo pesquisa feita pelo 
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas 
Empresas (SEBRAE, 2014a), esse setor teve um 
crescimento de 107% no período de 2009 a 
2012. Com relação à pesquisa feita pela Associação 
Brasileira as Indústria de Higiene Pessoal, 
Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC, 2014), os 
dados do SEBRAE apontam, ainda, que em 2012 já 
existia mais de um milhão de Esteticistas formadas 
no Brasil. 
O Brasil é o terceiro maior mercado de beleza 
do mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos 
e do Japão. Aqui, homens e mulheres movimentaram 
em 2012 cerca de R$ 48 bilhões no mercado de 
higiene e beleza; para 2015, especialistas do setor 
estimam que o valor seja superior a R$ 50 bilhões, 
com