Livro-Texto - Unidade II Gestão de Materiais UNIP
33 pág.

Livro-Texto - Unidade II Gestão de Materiais UNIP


DisciplinaGestão de Materiais393 materiais1.403 seguidores
Pré-visualização8 páginas
29
RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS
Unidade II
3 GESTÃO DE ESTOQUES
A Gestão de Estoques tem por objetivo fazer os registros, estabelecer a fiscalização e controlar a entrada 
e saída dos produtos, seja numa indústria, seja num estabelecimento varejista. Preocupa\u2011se tanto com os 
materiais que serão utilizados para a fabricação (matéria\u2011prima) quanto com as mercadorias que serão 
vendidas (OLIVEIRA; SILVA, 2013 p. 2\u20113). Segundo esses autores, as principais funções do estoque são:
\u2022 Garantir o abastecimento de materiais à empresa, prevenindo possíveis demora de fornecimento, 
problemas originados em sazonalidades, entre outros.
\u2022 Proporcionar economias através de compras adequadas, pela eficiência no atendimento às 
necessidades ou outras razões do próprio processo produtivo.
A utilização de estoques sempre será uma questão controversa, na medida em que as organizações 
discutem a utilização de ferramentas como o Just in Time, conforme abordamos anteriormente. Contudo, 
há situações em que a manutenção de certo estoque pode ser estratégica para a organização.
Tadeu e Rocha (2017, p. 15) avaliam que há vantagens e desvantagens na utilização de estoques 
e que isso está vinculado às \u201cnecessidades, capacidades e restrições reais da empresa, ou seja, sua 
condição atual de operações\u201d.
3.1 Estoque de segurança ou estoque mínimo
Quantidade de produtos (matérias\u2011primas para a produção ou mercadorias prontas para serem 
comercializadas) necessária para que o gestor evite riscos operacionais.
Autores como Pozo (2010, p. 55\u201162) citam vários métodos de cálculos para o estoque de segurança. 
Há alguns bem complexos, como o Método com Grau de Atendimento Definitivo (MGAD). Contudo, o 
gestor pode se utilizar de um modelo mais simples, baseado num fator de risco observável no mercado, 
que é o Método do Grau de Risco (MGR). Se a organização trabalhar com produtos de alto valor agregado 
ou de grande complexidade, o gestor deverá implantar métodos mais precisos.
Outro método bastante simples é aquele que calcula em função do histórico de consumo: o estoque 
mínimo é calculado com a multiplicação entre a diferença do consumo máximo e o consumo médio de 
determinado período pelo tempo de ressuprimento (HARA, 2012, p. 87).
Outros autores preferem um cálculo bastante simplificado, que leve em conta tão somente a 
demanda e o tempo de espera (lead time para o fornecimento).
30
Unidade II
Observe a seguinte fórmula:
ES = DMD X TE
Ou seja:
ES = Estoque de Segurança
DMD = Demanda Média Diária
TE = Tempo de Entrega (em dias)
Exemplos:
a) Uma empresa qualquer produz 200 produtos por dia e vende todos no mesmo dia. O tempo de 
entrega das matérias\u2011primas para confeccionar cada um desses produtos é de 3 dias. Qual seria o 
estoque mínimo recomendado?
ES = DMD X TE
ES = 200 X 3
ES = 600
Resposta: o estoque de segurança ou estoque mínimo seria de 600 produtos.
b) Uma empresa vende 300 produtos por dia. Trata\u2011se de um varejista, que compra no atacado esses 
produtos de um distribuidor. Considerando que o distribuidor demora 10 dias para entregar as 
encomendas para o varejista, qual seria o estoque de segurança recomendado?
ES = DMD X TE
ES = 300 X 10
ES = 3000
Resposta: o estoque de segurança ou estoque mínimo seria de 3000 produtos.
Nem sempre o gestor deve se basear nas margens da fórmula recomendada. Ávilla (2015) fornece 
um exemplo bastante pertinente, com a representação gráfica do estoque de segurança.
A lógica para entender o estoque mínimo é simples. No gráfico abaixo 
você vai ver que o eixo x (horizontal) corresponde ao tempo e que o eixo y 
(vertical) corresponde a quantidade em estoque de determinado produto. 
31
RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS
Vamos dizer que estamos falando aqui de uma loja de roupas e que esse seja 
o gráfico de estoque mínimo de bonés. Vamos ver alguns dados:
Estoque máximo: 200 bonés
Estoque médio (ou mínimo): 150 bonés
Estoque de reserva: 100
Prazo de Abastecimento: 5 dias
Prazo de Renovação: 8 dias
Vendas diárias: 10 bonés
Veja como esses dados ficariam no gráfico:
Estoque médio
Estoque máximo
Quantidade em 
estoque
EMax
EMe
ER
Recebimento
Pedido Pedido
Q Q Q
Pedido
Recebimento Recebimento Recebimento
Tempo
Prazo de 
abastecimento
5 dias
Prazo de 
renovação
8 dias
Estoque de reserva
150
200
100
0
Figura 3 \u2013 Gráfico estoques
Dois outros conceitos foram agregados neste exemplo, que o autor esclarece:
Prazo de abastecimento: é o tempo de reposição de itens entre o pedido 
realizado, a entrega, o recebimento e os procedimentos finais para deixar o 
item disponível para uso ou venda. Também é conhecido como lead time.
Estoque máximo: vai variar de acordo com o espaço para armazenamento 
disponível, o custo de ter o estoque, prazo de validade e cuidados especiais 
necessários (ÁVILLA, 2015).
32
Unidade II
Observando o gráfico, o autor comenta:
Observe que em um mundo ideal e com vendas constantes, teríamos o 
processo se repetindo continuamente. A partir do momento do primeiro 
recebimento de 80 bonés, o nosso estoque sobe de 100 para 180 bonés. 
Depois de 3 dias (e vendendo 30 bonés nesse período), atingimos 150 bonés, 
que é o nosso estoque mínimo, também conhecido como o ponto de pedido. 
Nesse momento uma nova remessa é solicitada para os fornecedores.
Como o prazo de entrega é de 5 dias (50 bonés vendidos), veja que o nosso 
estoque sai de 150 até chegar a 100. Nesse momento acaba ocorrendo mais 
uma reposição e o estoque volta para os 180 bonés. A partir desse ponto, no 
gráfico, tudo se repetirá normalmente (já na vida real, sabemos que essas 
linhas não seriam tão uniformes) (ÁVILLA, 2015).
No exemplo apresentado, o tempo total de reposição é de 8 dias, considerando que o comerciante faz 
o pedido em 3 dias depois que recebe o pedido de reposição. Contudo, o tempo que o mesmo espera para 
o recebimento é de 5 dias. No total, ao longo de 8 dias ele já vendeu 80 bonés. Observe que, nesse caso, 
o estoque mínimo ou de segurança será de 150 bonés, 70 a mais que a fórmula inicial estipula, ou quase 
duas vezes a quantidade vendida durante o prazo de reposição (80 unidades = 10 vendas ao dia X 8 dias).
As organizações podem estabelecer margens de segurança adequadas, de acordo com o contexto 
em que estiverem inseridas.
 Saiba mais
Há fórmulas mais complexas para o cálculo do estoque mínimo ou de 
segurança. Leia no texto a seguir:
COELHO, L. C. O que é e como calcular o estoque de segurança \u2013 com 
planilha para download. Logística Descomplicada, 20 fev. 2011. Disponível 
em: <https://www.logisticadescomplicada.com/o\u2011que\u2011e\u2011e\u2011como\u2011calcular\u2011
o\u2011estoque\u2011de\u2011seguranca/>. Acesso em: 3 out. 2018.
3.2 Tipos de estoques
Pozo (2010, p. 30) estabelece cinco tipos de estoque, os quais podem ser mantidos num mesmo 
almoxarifado ou em almoxarifados diferentes. São eles:
\u2022 Matérias\u2011primas: componentes que serão utilizados no processo de fabricação da organização, 
que vão gerar o produto acabado. Por exemplo, uma chapa metálica que será utilizada para 
fabricar um carro.
33
RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS
\u2022 Materiais auxiliares: materiais que ajudam na fabricação. Por exemplo, óleos lubrificantes.
\u2022 Materiais de manutenção: peças que servem de apoio à manutenção geral. Por exemplo, 
parafusos, pregos, ferramentas, entre outros.
\u2022 Materiais intermediários: conhecidas como peças em processos (WIP \u2013 work in process). 
Constituem\u2011se nos produtos ainda não acabados. Por exemplo, a carcaça de um veículo.
\u2022 Materiais acabados: estoque de produtos prontos. Já podem ser enviados aos clientes. Por 
exemplo, uma caixa de refrigerantes.
Observe a figura a seguir. Nela é possível observar produtos já engarrafados, em embalagens com 
grandes quantidades, provavelmente para serem entregues para atacadistas ou varejistas. É um exemplo 
de estoque de produtos prontos.
Figura 4 \u2013 Armazenagem
 Saiba mais
Leia o artigo:
CAMPOS, M. R. R. Gestão de estoques com rastreabilidade de 
materiais \u2013 estudo de caso de impactos no inventário