Formacao Docente para a Diversidade 2018
156 pág.

Formacao Docente para a Diversidade 2018


DisciplinaEducação8.539 materiais24.680 seguidores
Pré-visualização46 páginas
FO
R
M
A
Ç
Ã
O
 D
O
C
EN
TE PA
R
A
 A
 D
IV
ER
SID
A
D
E
M
argarete Terezinha A
ndrade C
osta
Código Logístico
57138
Fundação Biblioteca Nacional
ISBN 978-85-387-6350-5
9 788538 763505
IESDE BRASIL S/A
2018
Formação docente 
para a diversidade
Margarete Terezinha de Andrade Costa
Todos os direitos reservados.
IESDE BRASIL S/A. 
Al. Dr. Carlos de Carvalho, 1.482. CEP: 80730-200 
Batel \u2013 Curitiba \u2013 PR 
0800 708 88 88 \u2013 www.iesde.com.br
Capa: IESDE BRASIL S/A.
Imagem da capa: Minerva Studio/wavebreakmedia/Monkey Business Images/ 
Pressmaster/ Andrey_Popov/ Por vgstudio/ arek_malang/Shutterstock.
romankosolapov/Wavebreakmedia/ Poike/DMEPhotography/imtmphoto/fili-
pefrazao/yuhorakushin/DenKuvaiev/DMEPhotography/ Yobro10/SonerCdem/ 
NADOFOTOS/michaelpuche/ajr_images/ajijchan/iStockphoto.
CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO NA PUBLICAÇÃO 
SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ
C874f Costa, Margarete Terezinha de Andrade
Formação docente para a diversidade / Margarete Terezinha de 
Andrade Costa. - [2. ed]. - Curitiba [PR]: IESDE Brasil, 2018. 
152 p. : il.
Inclui bibliografia
ISBN 978-85-387-6350-5
1. Educação - Brasil. 2. Educação inclusiva - Brasil. 3. Professo-
res - Formação. 4. Prática de ensino. I. Título.
18-49754 CDD: 370.981CDU: 37(81)
© 2016-2018 \u2013 IESDE BRASIL S/A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização por escrito 
da autora e do detentor dos direitos autorais.
Apresentação
A superação dos problemas sociais, comuns no cotidiano bra-
sileiro, pode ser alcançada com uma educação voltada à cidadania. 
Esta exige conhecimento sobre ações e políticas necessárias para a 
transformação social, pois acreditamos que a desigualdade é supera-
da com a universalização do acesso e a permanência bem-sucedida 
em uma escola de qualidade.
Esta obra foi escrita com a intenção de contribuir para a mudança 
necessária na formação de professores, alunos e comunidade escolar na 
busca de uma educação que tem como objetivo formar pessoas compro-
metidas com a democratização da sociedade brasileira, em cuja raiz há 
a riqueza da pluralidade e da diversidade.
Para dar conta de uma formação docente para a diversidade, 
discutimos a prática docente na diversidade e ressaltamos o conceito 
de alteridade, nos diversos níveis e modalidades de ensino, como na 
Educação Profissional, em Tempo Integral, de Jovens e Adultos, Especial 
e Inclusiva, a Distância, do Campo e Indígena.
Bons estudos!
Sobre a autora
Margarete Terezinha de Andrade Costa
Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). 
Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdade de 
Artes do Paraná (FAP) e em Magistério de 1o e 2o graus pela Faculdade 
de Ciências Humanas e Sociais de Curitiba (UNIBEM). Graduada em 
Pedagogia e em Letras Português/Inglês pela Pontifícia Universidade 
Católica do Paraná (PUCPR) e em Marketing pela Faculdade Estácio de 
Curitiba. Atua em cursos presenciais e a distância com disciplinas volta-
das à Educação e Língua Portuguesa. 
6 Formação docente para a diversidade
SumárioSumário
1 A prática docente na diversidade 9
1.1 Por que pensar a diversidade na educação? 10
1.2 Formação docente: áreas de atuação 13
1.3 Diversidade curricular: um desafio 18
2 Níveis de ensino 25
2.1 Educação Básica 25
2.2 Educação Infantil 29
2.3 Ensino Fundamental 29
2.4 Ensino Médio 30
2.5 Educação Superior 32
2.6 Políticas públicas na avaliação da aprendizagem 34
3 Modalidades de ensino 41
3.1 Definição de modalidades de ensino 42
3.2 Finalidades e objetivos 47
3.3 Características curriculares e diretrizes 50
4 Educação Profissional 57
4.1 Educação Técnica de nível médio 58
4.2 Educação Profissional e Tecnológica 59
4.3 Abrangência de cursos x mercado de trabalho 63
5 Educação em Tempo Integral 71
5.1 O que é Educação em Tempo Integral? 72
5.2 O que pretende a Educação em Tempo Integral? 74
5.3 Legislação específica e LDB 75
Formação docente para a diversidade 7
SumárioSumário
6 Educação de Jovens e Adultos 83
6.1 Objetivo da Educação de Jovens e Adultos 84
6.2 Direito de acesso e gratuidade 88
6.3 Ações e programas de incentivo à EJA 89
7 Educação Especial e a inclusão 97
7.1 Definições da lei para Educação Especial 98
7.2 Adaptações para o atendimento a alunos especiais 102
7.3 Desafios para a Educação Especial ser inclusiva 106
8 Educação a Distância 113
8.1 O que é Educação a Distância 114
8.2 Legislação específica na Educação a Distância 117
8.3 Regulamentação e certificação 119
9 Educação do Campo e Educação Indígena 125
9.1 Educação do Campo 126
9.2 Educação Indígena 128
9.3 O que diz a lei sobre Educação Indígena 131
10 Panorama da diversidade da educação no Brasil 141
10.1 Ações e políticas públicas para a universalização de acesso à educação 142
10.2 Contribuição das ações de incentivo à educação 146
10.3 O profissional da educação como agente de mudanças 148
Formação docente para a diversidade 9
1
A prática docente 
na diversidade
Prática docente e diversidade, duas categorias que exigem um exercício de reflexão 
intensa e desafiadora. Intensa pela complexidade com que o universo docente se apre-
senta e desafiadora porque nos instiga a ir além do que se sabe e do que se vivencia. 
O mais interessante disso é que ambas as categorias são muito amplas: não consegui-
mos defini-las, estruturá-las e conhecê-las de forma categórica. Elas se transformam à 
medida que o nosso contexto social se amplia. Assim, elas também se modificam por 
meio das relações humanas, tão variáveis como nós.
A prática docente na diversidade1
Formação docente para a diversidade10
Para entender a prática docente na diversidade, começamos este capítulo questio-
nando: por que pensar a diversidade na educação? Em seguida, analisamos como se 
dá a formação docente e suas áreas de atuação e, por fim, refletimos sobre o desafio da 
diversidade curricular.
1.1 Por que pensar a diversidade na educação?
 Compreendemos que diversidade diz respeito à variedade, pluralidade e diferença. Se 
analisarmos o contexto em que vivemos, é possível perceber que são poucas as coisas não 
variáveis. Na realidade, raras são exatamente iguais. Vivemos em um universo ímpar, isto é, 
composto de elementos diversos.
Estamos rodeados de diversidade biológica, cultural, linguística, religiosa, étnica, mu-
sical, entre tantas outras. Sendo assim, pensar a diversidade na educação significa tornar 
visível o que está implícito em nossas relações sociais.
Quando relacionada à cultura (objeto nuclear da educação), a diversidade desnuda 
uma gama de elementos. 
Dessa forma, podemos perceber que estamos inseridos em um contexto social compos-
to de elementos diversos. Daí a importância de a temática da diversidade ser bem explorada 
diante das relações humanas.
São um bom exemplo disso os modos como as famílias se organizam. Observe o 
cartaz da Associação Ilga Portugal (Figura 1), que nos faz refletir sobre diferentes formas 
de disposição familiar. Campanhas como essa precisam ser estimuladas e divulgadas 
constantemente, em especial no meio educacional. Afinal, vários são os tipos de forma-
ção familiar. Há, por exemplo:
\u2022 família matrimonial, formada pelo casamento; 
\u2022 família informal, composta de união estável; 
\u2022 família monoparental, arranjada somente por um dos pais e seus descendentes; 
\u2022 família anaparenteal, formada somente por irmãos; 
\u2022 família unipessoal, constituída por apenas uma pessoa; 
\u2022 família mosaico, formada por pais separados com filhos de outros relacionamentos; 
\u2022 família simultânea, composta de indivíduos que possuem mais de uma relação ao 
mesmo tempo; 
\u2022 família eudemonista, formada por afetividade; entre tantas outras.
A prática docente na diversidade
Formação docente para a diversidade
1
11
Figura 1 \u2013 Cartaz: Como á e tua família?
Fonte: ILGA, 2018.
Na maioria das vezes, trabalhamos com padrões idealizados que não valorizam o dife-
rente. Exemplo disso são as mulheres