Manual Caseiro - Penal II 2020
368 pág.

Manual Caseiro - Penal II 2020


DisciplinaDireito Penal e Processo Penal12.958 materiais90.676 seguidores
Pré-visualização50 páginas
1 
1 
Sumário 
1. Crimes Contra a Pessoa ........................................................................................................................................... 2 
2. Crimes Contra a Honra ........................................................................................................................................ 111 
3. Crimes Contra o Patrimônio ................................................................................................................................ 176 
4. Crimes Contra a Dignidade Sexual ...................................................................................................................... 263 
5. Crimes Contra a Paz Pública ............................................................................................................................... 295 
6. Crimes Contra a Fé Pública ................................................................................................................................. 304 
7. Crimes Contra a Administração Pública .............................................................................................................. 333 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2 
2 
 
DIREITO PENAL II \u2013 PARTE ESPECIAL 
1. Crimes Contra a Pessoa 
HOMICÍDIO 
1. Conceito de Homicídio 
 
O homicídio é crime contra a vida. 
Nesse sentido, explica o prof. Cleber Masson \u201ca vida constitui-se em direito fundamental do ser humano, 
consagrado no art. 5º da Constituição Federal. Trata-se de direito formal e materialmente constitucional, com 
caráter supraestatal. Não obstante, tem natureza relativa: pode sofrer limitações, desde que legítimas e 
sustentadas por interesses maiores do Estado. Nesse sentido, a admissão da pena de morte em tempo de guerra 
(CF, art. 5º, XLVII, a), a legítima defesa (CP, art. 25) e o aborto em determinadas situações legalmente previstas 
(CP, art. 128)\u201d. 
Segundo o Professor Rogério Sanches, trata-se da injusta morte de uma pessoa praticada por outrem. 
Conforme proclama Nelson Hungria, homicídio é o tipo central dos crimes contra a vida. É o ponto culminante 
na orografia dos crimes. É o crime por excelência. 
 
Homicídio é a supressão da vida humana extrauterina praticada por outra pessoa. Se a 
vida humana for intrauterina estará caracterizado o delito de aborto. Se já iniciado o 
trabalho de parto, a morte do feto configura homicídio ou infanticídio (art. 123, CP).1 
 
2. Topografia do Homicídio 
Caput: homicídio doloso simples 
§ 1º: Homicídio doloso privilegiado 
§ 2º: Homicídio doloso qualificado 
§ 3º: Homicídio culposo 
§ 4º: Majorantes de pena 
§ 5º: Perdão judicial 
§ 6º: Majorante do grupo de extermínio ou milícia armada (Lei nº 12.720/12) 
§ 7º: Majorante para o feminicídio. 
 
 
2.1 Observações pontuais 
 Homicídio Preterdoloso 
 
1 Código Penal comentado / Cleber Masson. 
 
 
 
 
3 
3 
O homicídio preterdoloso não está previsto ao teor do art. 121 do Código Penal, trata-se de uma espécie 
qualificada de lesão corporal, lesão corporal seguida de morte. In casu, o resultado morte ocorre a título de 
culpa. 
Configura lesão corporal seguida de morte, prevista ao teor do art. 129, §3º, do Código Penal, e não 
sendo crime doloso contra a vida, NÃO É JULGADO perante o Tribunal do Júri. 
 
Homicídio versus Genocídio 
 
O crime de GENOCÍDIO tutela a diversidade humana e, por isso, tem caráter coletivo ou 
transindividual, não atraindo, por si só a competência do Tribunal do Júri. Ocorre que uma das formas de praticar 
genocídio é por meio da morte de membros do grupo. A competência constitucional para o julgamento de 
crimes contra a vida é do júri. Sendo o delito de genocídio atraído pelo Tribunal do Júri. 
Corroborado ao exposto, Cleber Masson: 
Genocídio é a destruição total ou parcial de grupo nacional, étnico, racial ou religioso (art. 
2º da Convenção contra o Genocídio, ratificada pelo Decreto 30.822/1952 c.c. art. 1º, a, da 
Lei 2.889/1956). A competência é do juízo comum, e não do Tribunal do Júri. Trata-se de 
crime contra a humanidade, e não de crime doloso contra a vida, pois não foi catalogado 
no Capítulo I do Título I da Parte Especial do Código Penal.2 
STF, já decidiu que no caso de genocídio com morte, o agente responde por homicídio mais genocídio, 
em concurso formal impróprio. São bens jurídicos próprios/distintos. 
 
Lei nº 2889/56 \u2013 Genocídio 
\u201cArt. 1º Quem, com a intenção de destruir, no todo ou em parte, grupo nacional, étnico, racial ou religioso, 
como tal: 
a) matar membros do grupo; 
Será punido: 
Com as penas do art. 121, § 2º, do Código Penal, no caso da letra \u201ca\u201d. 
 
2 Código Penal comentado / Cleber Masson. 
 
 
 
 
4 
4 
Crimes contra a Segurança Nacional x Homicídio 
A tipificação do homicídio pode ser transferida do Código Penal para leis extravagantes em decorrência 
das características da vítima. Nesses termos, quem mata dolosamente e com motivação política o Presidente da 
República, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados ou do Supremo Tribunal Federal incide no crime 
definido pelo art. 29 da Lei 7.170/1983 \u2013 Crimes contra a Segurança Nacional. 
Assim, se a motivação for política contra os agentes mencionados restará afastado o delito de homicídio. 
 
3. Homicídio (art. 121 do Código Penal) 
Homicídio simples 
Art. 121. Matar alguém: 
Pena - reclusão, de seis a vinte anos. 
 
3.1 Conduta 
Trata-se de crime de conduta livre. É classificado como crime de conduta livre porque não existe no 
art. 121 do CP um meio específico para se praticar o crime de homicídio. O homicídio pode ser praticado tanto 
por meio de ação quanto por omissão. No tocante a omissão, será praticado pelo denominado garantidor, isso 
porque ele devendo e podendo agir, nada o faz (art. 13, §2º do Código Penal). 
E em que momento acontece a morte? Se verifica com a cessação da atividade encefálica. 
Para a Sociedade Americana de Neurorradiologia, morte encefálica é o \u201cestado irreversível de cessação 
de todo o encéfalo e funções neurais, resultante de edema e maciça destruição dos tecidos encefálicos, apesar 
da atividade cardiopulmonar poder ser mantida por avançados sistemas de suporte vital e mecanismos de 
ventilação\u201d. 
Corroborando, Cleber Masson (Código Penal comentado): 
É o verbo matar. Trata-se de crime de forma livre. Pode ser praticado por ação ou por 
omissão, desde que presente o dever de agir (hipóteses previstas no art. 13, § 2º, do CP), de 
forma direta (meio de execução manuseado diretamente pelo agente) ou indireta (meio de 
execução manipulado indiretamente pelo homicida). Os meios de execução podem ser 
materiais (os que assolam a integridade física do ofendido) ou morais (a morte é produzida 
por um trauma psíquico na vítima como, por exemplo, a depressão que acarreta a morte em 
face do uso excessivo de medicamentos). 
 
 
 
 
5 
5 
Cumpre destacarmos que o meio de execução do delito de homicídio é livre, conforme mencionado 
acima. Contudo o meio de execução empregado poderá caracterizar uma qualificadora, como se dá no 
emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia ou outro meio insidioso ou cruel, ou de que possa resultar perigo 
comum (CP, art. 121, § 2º, III). 
 
3.2 Sujeito 
3.2.1 Ativo 
Trata-se de crime comum, qualquer pessoa pode ser sujeito ativo do crime. Não se exige qualidade 
especial do agente. 
 
3.2.2 Passivo 
Qualquer pessoa viva pode ser sujeito passivo (vítima) do homicídio. É necessário que seja após o 
nascimento. 
O homicídio protege a vida humana extrauterina. Nessa vertente, Rogério Sanches (Código Penal para 
Concursos, 2019) \u201ctutela-se a vida extrauterina, iniciada com o parto\u201d. 
É necessário pelo menos o início do parto para que o crime de homicídio seja possível. Antes do início 
do parto a vida humana intrauterina não é protegida pelo art. 121 do CP, mas pelo crime de aborto, conforme 
será visto em