CASO CONCRETO - Penal III
1 pág.

CASO CONCRETO - Penal III


DisciplinaDireito Penal III7.924 materiais63.284 seguidores
Pré-visualização1 página
CASO CONCRETO 
Leia o caso concreto abaixo e responda às questões formuladas com base nas leituras indicadas no plano de aula e pelo seu professor. 
Filho acusado de concretar a mãe em armário é condenado por júri. Disponível em: https://veja.abril.com.br/blog/rio-grande-do-sul/filho-acusado-deconcretar-a-mae-em-armario-e-condenado-por-juri/. Postado em: 21 nov 2018, 15h36 
Homem foi condenado a 27 anos de prisão; motivo do crime seria seguro de vida, segundo promotoria. O filho acusado de matar e concretar a mãe em um armário, em Porto Alegre, em maio de 2015, foi condenado a 27 anos de reclusão. A condenação ocorreu na última segunda-feira, 19, durante um júri que durou quase 12 horas. A sentença proferida pela juíza Karen Luise Boanova. O Ministério Público acusou Ricardo Jardim de matar a mãe, Vilma Jardim, de 74 anos, e concretá-la em um armário feito sob medida para a ocultação do cadáver. Segundo a promotoria, o motivo do crime seria um seguro de vida deixado pelo pai em nome da mãe. Durante o júri, o filho negou o crime. Segundo ele, os dois discutiram e ela pegou uma faca na cozinha e perfurou a própria garganta e a cabeça. Antes de morrer, teria feito carinho na mão do filho para acalmá-lo, segundo o depoimento dele. A discussão teria ocorrido porque ele acusou a mãe de alterar a dosagem de remédios e causar a morte do pai. Conforme o Tribunal de Justiça, o laudo mostrou 13 golpes e o réu confessou três.
 Diante do caso concreto apresentado, responda de forma objetiva e fundamentada, às questões formuladas: 
a) Com base nos estudos sobre os crimes contra a vida, tipifique a conduta do agente. 
b) Quais os elementos caracterizadores do feminicídio? Aplicam-se ao caso concreto? 
c) São aplicáveis os institutos repressores da lei de crimes hediondos (lei n.8072/1990)?
Respostas:
a) O tipo penal que se adequa a conduta do agente se encontra no art. 121, § 2º, I, por se tratar de homicídio qualificado cometido por motivo torpe, qual seja, o suposto seguro de vida que sua mãe teria recebido com o falecimento de seu pai. Como classifica Masson em sua obra: \u201cMotivo torpe é o vil, repugnante, abjeto, moralmente reprovável. Exemplo: matar um parente para ficar com sua herança. Fundamenta-se a maior quantidade de pena pela violação do sentimento comum de ética e de justiça.\u201d
b) Não pode ser aplicado ao caso concreto, visto que para que se configure a qualificadora do feminicídio, é necessário que o crime seja cometido em razão de menosprezo ou discriminação a condição de mulher ou, no seja caso de violência doméstica ou familiar, como nos indica o art. 121, §2º-A, I e II. O crime foi praticado em razão de um seguro de vida que o agente pretendia obter para si, o que desconfigura a hipótese de feminicídio.
c) Sim, são aplicáveis, visto que a lei n. 8072/1990, logo em seu art. 1º, inciso I, tipifica como hediondo o crime de homicídio qualificado.