A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
196 pág.
Glaucia Lais Salomao - Registros Vocais

Pré-visualização | Página 1 de 34

i 
 
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO 
PUC-SP 
 
 
 
Gláucia Laís Salomão 
 
 
 
Registros vocais no canto: 
aspectos perceptivos, acústicos, aerodinâmicos e fisiológicos 
da voz modal e da voz de falsete 
 
 
DOUTORADO EM LINGUÍSTICA APLICADA 
E ESTUDOS DA LINGUAGEM 
 
 
SÃO PAULO 
2008 
 
ii 
 
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO 
PUC-SP 
 
 
Gláucia Laís Salomão 
 
 
 
Registros vocais no canto: 
aspectos perceptivos, acústicos, aerodinâmicos e fisiológicos 
da voz modal e da voz de falsete 
 
 
 
 
 
 
 
DOUTORADO EM LINGUÍSTICA APLICADA 
E ESTUDOS DA LINGUAGEM 
 
SÃO PAULO 
2008 
Tese apresentada à Banca Examinadora como 
exigência parcial para obtenção do título de Doutor em 
Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem pela 
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo sob a 
orientação da Profa Doutora Sandra Madureira 
 
iii 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Banca Examinadora 
______________________________ 
______________________________ 
______________________________ 
______________________________ 
______________________________ 
iv 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ao meu pai 
(in memoriam) 
 
 
 
 
 
 
v 
 
Agradecimento Especial 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Ao Professor Johan Sundberg, 
 
por me receber como orientanda e por se envolver com o meu trabalho, 
por proporcionar momentos de rica discussão sobre a ciência da voz cantada, 
pelas incontáveis contribuições para o desenvolvimento dessa tese, 
por compartilhar seu prazer em fazer pesquisa, 
prazer quase estético, como quem fizesse arte. 
vi 
 
Agradecimentos 
 
À minha orientadora professora Sandra Madureira, pelo incentivo e apoio no 
desenvolvimento dessa pesquisa. 
 
À professora Aglael Gama Rossi, pelo convite e estímulo ao início desse 
trabalho. 
 
À professora Zuleica Antonia de Camargo, pelas sugestões que me deu quanto 
essa pesquisa era ainda um projeto. 
 
Ao cantor lírico Jarbas Taurino, por se dispor a realizar comigo as primeiras (e 
diversas) gravações para investigação dos procedimentos mais adequados à 
futura coleta de dados. 
 
À cantora lírica Marta Dalila, por sua competência em proporcionar em suas 
aulas a oportunidade de vivenciar o lado que vivencia cantor. 
 
Aos coralistas do Coral do Estado de São Paulo, pela preciosa participação 
nessa pesquisa. 
 
Ao maestro Sergio Igor Chnee por me ensinar os princípios da regência coral. 
 
Ao maestro Roberto Farias por me ensinar os princípios da regência orquestral 
e me incentivar em minha trajetória nesse trabalho. 
vii 
 
Ao CEFAC – Saúde e Educação, pelo empréstimo do eletroglotógrafo para a 
coleta de dados. 
 
Ao técnico de gravação Ernesto Luis Foshi, do Laboratório de Rádio da 
COMFIL, pela pronta ajuda na gravação dos cantores. 
 
À amiga Sabrina Cukier, pela inestimável ajuda na coleta dos dados de 
eletroglotografia. 
 
Aos colegas de turma da pós-graduação no LAEL, em especial à Isabel Viola, 
Midori Hanayama, Cláudia Cotes e Maria Teresa Bonatto, pela amizade e 
companheirismo. 
 
Ao colega Sérgio Augusto Mauad, pela importante ajuda no inglês. 
 
A todo o grupo do Speech, Music and Hearing Department (TMH) do Royal 
Institute of Technology (KTH), por proporcionar ambiente tão acolhedor durante 
todo o período em que estive em Estocolmo: 
 
 Sten Ternström, por ter me recebido no Departamento; 
 
Eva Björkner, por sua recepção amiga e carinhosa, por seu abraço, por 
nossas conversas no “aquário”, conversas sobre canto, filtragem inversa 
e tanto mais...; 
 
viii 
 
Anna de Witt, por sua risada, amizade e alegria; 
 
Roberto Bresin, pela companhia vizinha no “corredor”, por seu senso de 
humor; 
 
Marco Fabiani, pelos deliciosos jantares italianos; 
 
Kahl Hellmer, por me ensinar um pouco de sueco; 
 
Kjetil Hansen, por preocupar-se comigo no inverno sueco; 
 
Svante Granqvist, pelas explicações sobre os seus softwares para 
análises do som vocal, e pela plantinha com a qual enfeitou o “aquário”; 
 
À Elizabeth Keller, por sua preciosa companhia em português. 
 
Aos amigos para toda a hora: Luciane Borges, Antonio Macchi III, Jose Sterling 
e Julien Grunfelder, pela deliciosa amizade que se iniciou em Estocolmo. 
 
À professora Mara Behlau, pelo incentivo ao meu trabalho, mesmo à distância. 
 
Ao professor Leonardo Fuks, pela companhia divertida em Estocolmo (e por 
suas explicações sobre derivada). 
 
ix 
 
Ao professor Mario Fontes, pelas conversas e explicações sobre os assuntos 
que pertencem à área das ciências exatas. 
 
Ao amigo Isaías Santos, pelas conversas sobre filosofia e pela paciência nas 
aulas de francês. 
 
À professora Yara Castro, pela importante assessoria na análise estatística. 
 
Aos amigos do coração Vânia Bandoni Sanches, Cibele Brugnera, Sônia 
Namorato Platero e Marco Cruz, por se manterem próximos na fase final desse 
trabalho. 
 
À Rosely Bittar, pelo exemplo de seriedade e sensibilidade no trabalho como 
médica e pesquisadora, por sua amizade. 
 
Ao Eduardo do Carmo Amorim, pelo companheirismo, incentivo e apoio aos 
meus projetos, e pelas longas conversas e incursões no mundo da música, da 
filosofia e das ciências exatas. 
 
À minha irmã querida, Miriam Taís Salomão, por suas explicações sobre 
estatística. 
 
À minha querida mãe, Ida Ribeiro Salomão, pela ajuda na formatação do meu 
trabalho. 
 
x 
 
Ao Henrik Nilsson, raio de sol intenso e delicado, por ser parceiro e dividir 
comigo idéias, risos e sorrisos, por sua companhia e apoio incondicionais na 
etapa final deste trabalho. 
 
À minha família, apoio e referência fundamentais em minha história de vida: 
 
meus irmãos, Paulo Lísias Salomão, Marcos Eli Salomão e Miriam Taís 
Salomão, por compartilharem comigo a alegria de conviver em família; 
 
minha mãe, dona Idinha, por seu exemplo de disposição e vitalidade; 
 
meu pai, Luiz Carlos Salomão, que estimulou e acompanhou orgulhoso 
o início desta trajetória, pelo exemplo de dedicação à ciência, de inteligência e 
sensibilidade, de idealismo e dignidade. 
 
 
 
 
 
 
 
 
À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (CAPES), 
pelo auxílio financeiro. 
xi 
 
 
Resumo 
O objetivo desta pesquisa foi o de investigar as relações entre a produção e a percepção 
dos registros vocais modal e de falsete em emissões de cantores de coral do sexo masculino. 
Foram analisadas 104 emissões, 52 cantadas no registro modal e 52 cantadas no registro de 
falsete. Os dados para análise da produção dos registros vocais foram obtidos por meio da 
filtragem inversa do sinal acústico e da eletroglotografia. As seguintes medidas foram extraídas: 
Freqüência Fundamental (F0), duração da Fase Fechada, Velocidade Máxima do Declínio do 
Fluxo de Ar e Amplitude da Corrente Alternada. Foram também calculados: o Quociente Fechado, 
o Quociente da Amplitude Normalizada e a diferença entre os níveis de intensidade dos dois 
primeiros harmônicos no espectro da fonte glótica (H1 – H2). Os resultados obtidos mostraram 
diferenças claras e sistemáticas entre os registros modal e de falsete. Os valores obtidos para o 
Quociente Fechado, para a Velocidade Máxima do Declínio do Fluxo de Ar e para a Amplitude do 
Corrente Alternada foram predominantemente maiores no registro modal do que no registro de 
falsete. Os valores de H1 – H2 e do Quociente da Amplitude Normalizada, por outro lado, foram 
maiores no registro de falsete do que no registro modal. Os dados para análise da percepção dos 
registros vocais foram obtidos a partir de um teste perceptivo de escolha forçada. O número de 
votos para o registro modal foi comparado com os valores obtidos para os parâmetros acústicos 
glotais. Os resultados mostraram que tons com valores maiores de Quociente Fechado,