1487008256Ebook_Nutmed_Questões-De-Concursos-de-Nutrição-Vol-2
10 pág.

1487008256Ebook_Nutmed_Questões-De-Concursos-de-Nutrição-Vol-2


DisciplinaNutrição32.279 materiais230.755 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Alimentação Coletiva 
 
\uf0e8 A depreciação dos equipamentos deve entrar no custo da refeição para que cada perda seja recuperada no 
meio de uma receita. Considerando que um freezer foi adquirido por R$4.000,00 e que, após 10 anos de vida 
útil, terá um valor residual de R$500,00 o valor da depreciação anual desse equipamento, em reais, é de: 
(a) 200 
(b) 250 
(c) 300 
(d) 350 
(e) 400 
 
Comentário: 
 
1º) O primeiro passo para resolução dessa questão é achar a depreciação total. Primeiro deve ser observado se há 
valor residual do equipamento ou não. Vamos lá: 
Valor de compra \u2013 R$ 4.000,00 
Valor residual \u2013 R$ 500,00 
 
2º) A depreciação total é a subtração do valor da compra pelo valor residual (se houver), onde: 
Depreciação total = Valor da compra \u2013 Valor residual 
Depreciação total = R$ 4.000,00 \u2013 R$ 500,00 
Depreciação total = R$ 3.500,00 
 
3º) A depreciação anual é resultado da divisão da depreciação total pelo tempo, em anos, de vida útil do 
equipamento, onde verificamos: 
Depreciação anual = Depreciação total / tempo de vida útil 
Depreciação anual = R$ 3.500,00 / 10 
Depreciação anual = R$ 350,00 
 
Resposta: letra D 
 
\uf0e8 Uma Unidade de Alimentação e Nutrição que funcione de segunda-feira a sexta-feira e forneça 500 refeições 
por dia, sendo o tempo de produção de cada refeição igual a 15 minutos, deve ter, no total, o seguinte número 
de funcionários em regime de 44h semanais: 
(a) 15 
(b) 16 
(c) 18 
(d) 20 
(e) 22 
 
Comentário: 
 
1º) Devemos inicialmente verificar a jornada de trabalho proposta. Com base no enunciado verificamos que a carga 
horária proposta é de 44h semanais e a UAN funciona 5 dias na semanas, logo: 
Jornada diária: carga horária semanal / dias de trabalho por semana 
Jornada diária: 44h semanais / 5 dias na semana 
Jornada diária: 44/5 
Jornada diária = 5,5h 
 
2º) Temos que transformar a jornada diária de horas em minutos, onde temos: 
Jornada diária (em minutos) = Jornada diária (em horas) x 60 
Jornada diária (em minutos) = 5,5 x 60 
Jornada diária (em minutos) = 528 minutos 
 
3º) Neste ponto calcularemos o indicador de pessoal fixo (IPF), que é uma função do número de refeições totais 
multiplicado pelo tempo de preparo de uma refeição e seu resultado é dividido pela jornada diária em minutos, 
conforme a seguinte equação: 
 
IPF = (Número de refeições totais) X (tempo de preparo de uma refeição) 
Jornada diária em minutos 
 
IPF = 500 X 15 
 528 
 
IPF = 14 funcionários fixos 
 
4º) Agora temos que calcular o indicador de pessoal substituto (IPS). Para isso levamos em consideração a jornada 
de trabalho e os períodos de descanso (ISD), visto que o IPS é uma relação do Indicador de pessoal fixo (IPF) 
dividido pelos períodos de descanso (ISD), sendo teóricos os seguintes ISD: 
Jornada de 44h semanais \uf0e0 3,06 períodos de descanso 
Jornada 12/36 \uf0e0 0,84 períodos de descanso 
 
IPS = IPF/ISD 
IPS = 14/3,06 
IPS = 4 funcionários substitutos 
 
5º) Por último devemos calcular o Indicador de pessoal total (IPT), que reflete o número de funcionários totais para 
esta nossa UAN fictícia. O IPT é a soma do indicador de pessoal fixo com o indicador de pessoal substituto, logo, a 
nossa UAN necessitaria de: 
IPT = IPF + IPS 
IPT = 14 + 4 
IPT = 18 funcionários 
Resposta: letra C 
Saúde Coletiva 
\uf0e8 A VIII Conferência Nacional de Saúde (1986) criou a base para as propostas de reestruturação do sistema de 
saúde brasileiro e moldou as diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). Assinale a alternativa que se refere a 
uma diretriz que fundamenta corretamente o SUS. 
(a) Atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços 
assistenciais. 
(b) Centralização, objetivando o aproveitamento máximo dos recursos existentes e o bem-estar social. 
(c) Atendimento especializado, considerando o tratamento especializado das enfermidades do paciente. 
(d) Decisão profissional, eliminando a existência de variáveis como a comunidade na tomada de decisões. 
(e) Lógica de decisões, agilizando a tomada de decisões e a centralização do atendimento, objetivando o bem-
estar social. 
 
Comentário: 
 
1º) Esta questão trabalha com os princípios constitucionais do Sistema Único de Saúde, logo, deveremos observar o 
que é descrito em nossa constituição. O capítulo sobre a saúde se estende dos Artigos 196 a 200, da Constituição 
Federal, onde se lê: 
 
\u201cArt. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que 
visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para 
sua promoção, proteção e recuperação. 
 
Art. 197. São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da 
lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de 
terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado. 
 
Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um 
sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: 
I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo; 
II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; 
III - participação da comunidade.\u201d 
 
Resposta: letra A 
\uf0e8 Uma instituição médica privada pretende atuar na área do Sistema Único de Saúde. Consoante os termos da 
Constituição Federal, a atuação da iniciativa privada nessa área é 
(a) vedada, pois a prestação à saúde é estatal. 
(b) permitida onde não houver assistência pública. 
(c) vedada nas áreas gerais da Medicina. 
(d) vedada, salvo autorização especial mediante concessão. 
(e) permitida, de forma complementar ao Estado. 
 
Comentário: 
 
1º) Esta questão aborda as relações do SUS com a iniciativa privada, onde se lê: 
 
\u201cArt. 199. A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. 
 
§ 1o - As instituições privadas poderão participar de forma complementar do sistema único de saúde, segundo 
diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo preferência as entidades filantrópicas e 
as sem fins lucrativos.\u201d 
 
Resposta: letra E. 
\uf0e8 Com base na Lei nº 8.080/90, assinale a afirmativa INCORRETA acerca do financiamento do Sistema Único de 
Saúde \u2013 SUS. 
(a) O processo de planejamento e orçamento do SUS é ascendente. 
(b) Os planos de saúde são a base das atividades e programações de cada nível de direção. 
(c) Em situações emergenciais, é permitida a transferência de recursos para o financiamento de ações não 
previstas nos planos de saúde. 
(d) Orçamento da seguridade social destinará ao SUS os recursos necessários à realização de suas finalidades. 
(e) É permitida a destinação de subvenções e auxílios a instituições prestadoras de serviços de saúde com 
finalidade lucrativa. 
 
Comentário: 
 
Esta questão aborda a Lei nº 8080/1990, no que tange ao planejamento e orçamento. Atualmente é um assunto 
extensamente cobrado em concursos públicos e processos seletivos de Residência Multiprofissional em Saúde! 
 
O processo de planejamento e orçamento é colocado na Lei nº 8080/1990 nos artigos 36 a 38, onde se lê: 
 
\u201cArt. 36. O processo de planejamento e orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS) será ascendente, do nível local 
até o federal, ouvidos seus órgãos deliberativos, compatibilizando-se as necessidades da política de saúde com a 
disponibilidade de recursos em planos de saúde dos Municípios, dos Estados, do Distrito Federal e da União. 
 
§ 1º Os planos de saúde serão a base das atividades e programações de cada nível de direção do Sistema Único de 
Saúde (SUS), e seu financiamento será previsto na respectiva proposta orçamentária. 
 
§ 2º É vedada a transferência de recursos para o financiamento de ações não previstas nos planos de saúde, exceto 
em situações emergenciais ou de calamidade pública, na área de saúde. 
 
Art.