Unidade I - Evolução e Medições
24 pág.

Unidade I - Evolução e Medições


DisciplinaAnálise e Desenvolvimento de Sistemas5.436 materiais25.680 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Organização de 
Computadores
Material Teórico
Responsável pelo Conteúdo:
Prof. Ms. Fábio Peppe Beraldo
Revisão Textual:
Profa. Esp. Márcia Ota
Evolução e Medições
\u2022 Organização de Computadores
\u2022 Evolução e Arquiteturas dos Computadores
\u2022 Sistema de Numeração
\u2022 Medição de Desempenho de Computadores
\u2022 Métricas de Medição de Desempenho
 · Nesta unidade, o aluno terá conhecimento de um breve histórico 
da evolução tecnológica e, então, passará a estudar os conceitos de 
sistemas de numeração. Dessa forma o aluno estará apto a realizar 
distinções tecnológicas e também a fazer conversões matemáticas 
entre sistemas numéricos.
OBJETIVO DE APRENDIZADO
Nesta Unidade, aprenderemos um pouco mais sobre o que é a Organização 
de Computadores, sua evolução e importância, bem como iniciaremos o 
nosso primeiro tópico de estudo: as formas de medição de desempenho.
Desse modo, leia o material com atenção e, se sentir necessidade, releia 
para que sua absorção seja adequada. Fique atento (a) nessa etapa, pois é 
o momento oportuno para registrar suas dúvidas; por isso, não deixe de 
registrá-las e transmiti-las ao professor-tutor.
Além disso, para que a sua aprendizagem ocorra num ambiente mais 
interativo possível, na pasta de atividades, você também encontrará as 
atividades de avaliação, uma atividade reflexiva e a videoaula. Cada material 
disponibilizado é mais um elemento para seu aprendizado, por favor, estude 
todos com atenção!
ORIENTAÇÕES
Evolução e Medições
UNIDADE Evolução e Medições
Contextualização
A Organização de Computadores ocorreu devido à necessidade constante de 
se evoluir a tecnologia para melhor servir aos usuários e, por sua vez, com a 
gama gigantesca de elementos computacionais, fez-se necessário criar formas de 
identificação e organização desses elementos.
A Organização de Computadores se preocupa com aspectos que relacionam 
as tecnologias de hardware, permitindo uma maneira vantajosa de uso das 
informações.
Nesta unidade da disciplina, caminharemos desde uma introdução ao assunto, 
abordando, primeiramente, a visão sobre tecnologia no passado e a evolução desse 
conceito, até os dias de hoje, trazendo, ao nosso estudo, também conceitos de 
informação, tecnologias e as formas de medição de desempenho das máquinas.
6
7
Organização de Computadores
ORIGENS
Antes de falarmos sobre a organização em si, precisamos entender \u201co que\u201d 
estamos organizando e, para isso, precisamos estudar um pouco os conceitos de 
máquina, dados, informação e sua evolução até os dias de hoje.
Hoje, a sociedade entende por computador, uma máquina composta por partes 
eletrônicas que possuem a função de processar informações para os usuários. 
Porém, essa conceitualização contém algumas falhas lógicas que profissionais da 
área devem reconhecer.
Mas o computador não processa informações? Na verdade, não!
Evidentemente, um computador tem a função de coletar, manipular e fornecer 
resultados na forma de informações, ou seja, as informações são o resultado e 
não o método. O método ou elemento de trabalho são dos dados e estes sim 
são manipulados de diversas formas para gerar uma informação, daí o nome 
processamento de dados associado a cursos de tecnologia.
O processamento de dados é uma sequência de trabalhos sobre os dados com 
a função de produzir uma quantidade de informação relevante. Partindo dessa 
explicação, dados são a matéria-prima coletada de uma ou diversas fontes e a 
informação é o resultado da manipulação ou processamento do dado.
Além do dado, do processamento e da informação, há ainda o conhecimento, 
que é conceitualizado como o objetivo final da necessidade da informação. 
Normalmente, essa palavra \u201cconhecimento\u201d é substituída para \u201ctomada de decisão\u201d 
que se faz importante em diferentes níveis hierárquicos de praticamente todas as 
empresas/organizações e dentro dessa hierarquia a ideia de que, para algumas 
pessoas, o elemento de trabalho ou método é um dado que para outra pessoa é 
uma informação.
Podemos exemplificar o PED (processamento eletrônico de dados) em uma 
empresa pelo seu estoque. A princípio, o objetivo é apenas o de atualizar as 
informações dos materiais estocados. Para tanto, ou seja, para gerar essa informação 
de estoque, são necessários dados vindos de diversos outros departamentos 
recebidos diariamente.
Seguindo esse raciocínio, o que seria o processamento dos dados em informações? 
Simplesmente, seriam operações aritméticas de soma ou subtração para saber as 
quantidades atuais estocadas.
Mas, nesse exemplo, qual o objetivo do controle de estoque? Seria a tomada de 
decisão (ou conhecimento) de quando e quanto recompor o estoque da empresa 
em frente dos cenários de escoamento de produtos (no caso de vendas) ou consumo 
na empresa.
7
UNIDADE Evolução e Medições
A crescente avalanche de dados a serem processados, com o passar dos anos, 
foi o elemento que alavancou o avanço tecnológico e, por sua vez, a dependência 
cada vez maior de computadores e sistemas eletrônicos em várias áreas de trabalho. 
Outra área que foi extremamente evoluída em paralelo à computacional foi a de 
telecomunicações, uma vez que essa foi percebida como o meio de interligar 
empresas e banco de dados, público ou privados, tornando, praticamente, infinito 
o universo de coleta de dados para processamento. Alguém pensou em internet?
Obviamente, a primeira coisa que vem à mente, com esse exemplo, é a internet 
que permite a comunicação e troca de dados de forma global, o que aumenta não 
só a quantidade de dados, mas as possibilidades de informações a serem geradas e 
também os fins, aos quais serão utilizadas essas informações.
A organização de computadores faz parte da grande área de ciência da 
computação, porém voltada para a visão do programador porque seus estudos 
sobre o hardware interferem diretamente na elaboração e comportamento de 
um software. Esse conhecimento que o programador deve ter envolve elementos 
de instruções de processadores, frequência, endereçamento, tamanho de dados, 
entre outros, que serão estudados mais à frente em nossa disciplina. Antes disso, 
veremos, brevemente, a evolução das arquiteturas de computadores, conforme a 
necessidade de cada época até hoje.
Evolução e Arquiteturas dos Computadores
A divisão das gerações de computadores é realizada diferenciando a tecnologia 
de hardware empregada em cada geração, fornecendo-lhe maior velocidade de 
processamento, capacidade computacional, memória e etc. Vamos ver, agora, 
cada geração de arquiteturas.
1° Geração: Introdução da tecnologia de válvulas
Entre os anos de 1943 e 1946, foi construído na Universidade de Pensil- 
vânia o Computador Analisador e Integrador Numérico Eletrônico, do inglês, 
Electronic Numerator, Integrator, Analyzer, and Computer ou como ficou 
mais conhecido, ENIAC.
Sua construção se deu exclusivamente pela necessidade de cálculos mais rápidos 
e precisos sobre balística e trajetória, uma vez que tais cálculos se demonstram de 
extrema importância e igualmente dificuldade de realização. Dessa forma, uma 
máquina, que fizesse tais cálculos, se demonstrou de incrível necessidade em uma 
situação semelhante no futuro.
8
9
Figura 1 \u2013 Foto original do ENIAC sendo utilizado
Fonte: Wikimedia Commons
O projeto do ENIAC foi realizado por John W. Mauchly, J. Presper Eckert 
e centenas de outros cientistas. Além disso, pesava por volta de 30 toneladas, 
ocupando aproximadamente 140 m2, continha mais de 18 mil válvulas e consumia 
cerca de 140 quilowatts de energia.
O ENIAC é considerado pela comunidade como o primeiro computador efetivo 
da 1° Geração, porém há profissionais e estudiosos da área que consideram a 
Máquina de Turing como primeira máquina computacional. A Máquina de Turing foi 
um dispositivo chamado de Máquina Universal, construída pelo gênio matemático 
e criptoanalista Alan Turing durante a 2° Grande Guerra para descriptografar os 
códigos alemães gerados pela Máquina Enigma que criava códigos indecifráveis 
pelas forças