direito_dos_contratos_20132
231 pág.

direito_dos_contratos_20132


DisciplinaDireito Civil IV10.119 materiais72.967 seguidores
Pré-visualização50 páginas
DIREITO DOS CONTRATOS 
 
 
 
 
 
Produzido por 
Carlos Affonso Pereira de Souza, Rafael Viola, Carolina 
Sardenberg Sussekind, Cristiano Chaves de Melo, Gisela 
Sampaio da Cruz, Laura Fragomeni e Monique Geller 
Moszkowicz 
 
 
 
 
 
 
Graduação 2013.2 
FGV DIREITO RIO 
 
 
 
 
 
 
 
Direito dos Contratos 
2 
 
SUMÁRIO: 
 
 
 
 
 
Método de Avaliação .......................................... p. 03 
 
Programa da Disciplina .......................................... p. 07 
 
Roteiro das Aulas .......................................... p. 09 
 
 
 
 
Direito dos Contratos 
3 
MÉTODO DE AVALIAÇÃO 
 
A avaliação de desempenho do aluno na disciplina Direito dos Contratos será 
realizada através do somatório de três notas, correspondentes às seguintes atividades: (i) 
uma prova escrita a ser realizada no meio do semestre; (ii) uma prova escrita a ser realizada 
na última aula do curso; além de (iii) um trabalho em grupo escrito e apresentado em sala 
sobre contratos em espécie. 
À primeira prova escrita será conferida nota de 0 (zero) a 10 (dez). A segunda prova 
escrita, por sua, vez, valerá 07 (nove) pontos. Os demais 3 (três) pontos decorrem do 
trabalho. 
O aluno que obtiver nota inferior a 07 (sete) e superior ou igual a 04 (quatro) 
pontos, deverá fazer uma prova final. O aluno que obtiver nota inferior a 04 (quatro) pontos 
estará automaticamente reprovado na disciplina. 
Para os alunos que fizerem a Prova Final, a média de aprovação a ser alcançada é 06 
(seis) pontos, a qual será obtida conforme fórmula constante no Manual do Aluno / Manual 
do Professor. 
 
 
 
Direito dos Contratos 
4 
PROGRAMA DA DISCIPLINA: 
 
 
 
Aula 1: APRESENTAÇÃO DO CURSO 
 
Parte I: Princípios Fundamentais do Direito dos Contratos 
 
Aula 2: AUTONOMIA PRIVADA E FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO 
Aula 3: CONTORNOS DA BOA-FÉ OBJETIVA 
Aula 4: RELATIVIDADE E SUA FLEXIBILIZAÇÃO 
 
Parte II: Teoria Geral dos Contratos 
 
Aula 5: ANTES DO CONTRATO: RESPONSABILIDADE PRÉ-CONTRATUAL E CONTRATO PRELIMINAR 
Aula 6: FORMAÇÃO DO CONTRATO 
Aula 7: CLASSIFICAÇÃO DOS CONTRATOS 
Aula 8: INTERPRETAÇÃO DOS CONTRATOS 
Aula 9: VÍCIOS REDIBITÓRIOS E EVICÇÃO 
Aula 10: REVISÃO DOS CONTRATOS 
Aula 11: EXTINÇÃO DOS CONTRATOS 
Aula 12: ASPECTOS DA CONTRATAÇÃO ELETRÔNICA 
 
Parte III: Contratos em espécie 
 
Aula 13: COMPRA E VENDA 
Aula 14: COMPRA E VENDA (CLÁUSULAS ESPECIAIS) 
Aula 15: DOAÇÃO 
Aula 16: LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS 
Aula 17: EMPRÉSTIMO - COMODATO 
Aula 18: EMPRÉSTIMO \u2013 MÚTUO 
Aula 19: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS E EMPREITADA 
Aula 20: DEPÓSITO 
Aula 21: MANDATO 
Aula 22: FIANÇA 
Aula 23: SEGURO 
 
 
 
 
 
 
 
 
Direito dos Contratos 
5 
ROTEIRO DAS AULAS: 
 
 
\uf0de Aula 1 
 
Título: APRESENTAÇÃO DO CURSO 
 
 
1. Caso Gerador: 
O caso gerador narrado abaixo ilustra a conexão necessária entre as duas primeiras 
disciplinas de Direito Civil lecionadas no curso de graduação (Introdução ao Direito Civil e 
Obrigações e Responsabilidade Civil). A lide em questão foi baseada em caso julgado pelo 
Superior Tribunal de Justiça. Com base nas lições apreendidas, e com a intuição natural do 
bom profissional jurídico para descobrir onde estão os pontos controvertidos de um caso 
concreto e, principalmente, para buscar a sua solução, leia a seguinte questão: 
Três famílias de baixa renda viviam juntas, há mais de dez anos, em uma casa de 
madeira construída em terreno de sua propriedade na sua periferia de Porto Alegre. Com 
a expansão dos limites da cidade, uma empresa construtora procurou as três famílias com 
interesse de construir no local um edifício de apartamentos. Em troca pela cessão do 
terreno, as famílias receberiam dois apartamentos do edifício a ser construído. O contrato 
foi devidamente celebrado entre as partes, formalizado em cartório, tendo ainda sido 
oferecida em garantia do cumprimento do acordo, por parte da construtora, o imóvel onde 
residia a família do proprietário da empresa. 
As três famílias passaram a residir, de forma precária, na casa de amigos e 
conhecidos. Os anos foram se passando e o edifício jamais foi construído. Após cinco anos 
de espera, as três famílias ingressaram em juízo pleiteando que o imóvel dado em garantia 
fosse levado a leilão para pagamento do valor relativo ao terreno, acrescido de eventuais 
atualizações e indenização por dano moral decorrente do inadimplemento da construtora. 
Nos autos do referido processo, o advogado da construtora alegou que o imóvel 
dado em garantia não poderia ser objeto de execução, pois estaria protegido pelo regime 
do \u201cbem de família\u201d (Lei n° 8.009/90). 
 
 
Direito dos Contratos 
6 
Com base no caso acima responda: 
(i) Quais princípios da teoria geral das obrigações e dos contratos estão envolvidos 
na questão? Existe algum conflito entre os mesmos? 
(ii) No caso narrado, como você decidiria o processo? Justifique a sua decisão com 
argumentos jurídicos e com base na legislação pertinente. 
O caso acima foi baseado na seguinte decisão do Superior Tribunal de Justiça: 
IMPENHORABILIDADE. BEM DE FAMÍLIA. BOA-FÉ. 
Três famílias de baixa renda viviam juntas em uma pequena casa de madeira construída em 
terreno de sua propriedade. Sucede que aceitaram permutá-lo por dois apartamentos a 
serem edificados por uma empresa construtora, que deu em garantia do negócio 
(formalizado em cartório) o imóvel em que morava a família do proprietário da firma, 
sabidamente protegido pela Lei n. 8.099/1990. Desalojados, esperaram em vão pela 
construção e, por onze anos, pelejaram em juízo, até que, às vésperas da praça, houve a 
alegação de o imóvel dado em garantia ser bem de família. Isso posto, a Turma não 
conheceu do especial, ao acompanhar o entendimento do Min. Relator de que, nessa 
peculiar hipótese, a impenhorabilidade do bem de família há que ser tratada com 
temperamentos, cedendo frente ao princípio da boa-fé. O Min. Relator anotou, também, não 
se cuidar aqui do hipossuficiente que, impensadamente, dá seu bem impenhorável em 
garantia de negócio (hipótese albergada pela jurisprudência), mas sim de parte que tinha 
consciência do que estava fazendo. O Min. Carlos Alberto Menezes Direito, por sua vez, 
aduziu, em apertada suma, que, diante desse específico cenário, é possível entrever a 
renúncia à impenhorabilidade, renegada pelos Tribunais, mas incidente ao caso pela 
peculiaridade da hipótese, e ao final, está-se, justamente, a proteger o bem de família 
daqueles que foram lesados. Resp 554.622/RS, Rel. Min. Ari Pargendler, julgado em 
17/11/2005. 
 
 
 
 
 
Direito dos Contratos 
7 
Parte I: Princípios Fundamentais do Direito dos Contratos 
 
\uf0de Aula 2 
 
 
Título: AUTONOMIA PRIVADA E FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO 
 
Ementário de temas: Autonomia Privada e Função Social do Contrato 
 
Leitura obrigatória: MARTINS-COSTA, Judith. \u201cReflexões sobre o princípio da função 
social dos contratos\u201d, in Revista Direito GV nº 01 (maio/2005); pp. 41/66. 
 
Leituras complementares: SALOMÃO FILHO, Calixto. \u201cFunção social do contrato: 
primeiras anotações\u201d, in Revista de Direito Mercantil nº 132; pp. 07/24. BUENO DE GODOY, 
Cláudio Luiz. Função Social do Contrato. São Paulo: Saraiva, 2004; pp. 110/130. 
 
 
1. Roteiro de aula: 
Ao se iniciar o estudo da teoria e prática dos contratos, é fundamental ter-se em 
mente a transição pela qual atravessa esse específico e importante campo do Direito Civil. 
Tradicionalmente vinculada à soberania da vontade individual (autonomia da vontade), 
insculpida nos preceitos