DIREITO DO CONSUMIDOR
3 pág.

DIREITO DO CONSUMIDOR


DisciplinaDireito do Consumidor10.467 materiais41.930 seguidores
Pré-visualização2 páginas
04/06/2020 Estácio: Alunos
simulado.estacio.br/alunos/?user_cod=2318166&matr_integracao=201902675304 1/3
PROC/SP/2005 - Considerando que a entrada em vigor do Novo Código Civil é posterior à promulgação do
Código de Defesa do Consumidor, é correto afirmar que:
 as novas regras do Código Civil passam a reger as relações de consumo, devendo o Código de Defesa do
Consumidor ser aplicado complementarmente e subsidiariamente.
o novo código civil revogou o Código de Defesa do Consumidor no que diz respeito à responsabilidade
civil.
não existe qualquer relação entre esses dois diplomas legais, uma vez que o Código Civil regula as
relações cíveis e o Código de Defesa do Consumidor regula as relações de consumo.
 as novas regras do Código Civil se aplicam às relações de consumo, desde que seja para ampliar a
proteção do consumidor.
as novas regras do Código Civil revogam a aplicação de todas as regras em contrário do Código de
Defesa do Consumidor.
Respondido em 04/06/2020 18:41:38
Acerto: 1,0 / 1,0
A Constituição menciona que o Estado promoverá a defesa do consumidor. Quando o poder constituinte
originário faz tal afirmação significa dizer que:
assim como tantos outros direitos mencionados na Constituição sua aplicabilidade ou não caberia ao
apelo social, não passando de mera faculdade do Estado
não há que se falar em dever do Estado uma vez que o Direito do Consumidor regula as relações de
direito privado
mesmo com a determinação da Constituição, não se pode esquecer que o Estado é soberano, logo, não
há que se falar em dever.
 não é uma mera faculdade e sim um dever do Estado
Respondido em 04/06/2020 18:44:21
Acerto: 1,0 / 1,0
Para traduzir o interesse social da segurança das relações jurídicas, diz-se, como está expresso no código civil
alemão, que as partes devem agir com lealdade e confiança recíprocas(...). Indo mais adiante, aventa-se a ideia
de que entre o credor e devedor é necessária a colaboração, um ajudando o outro na execução do contrato. A
tanto, evidentemente, não se pode chegar, dada a contraposição de interesses, Mas é certo que a conduta,
tanto de um como de outro, subordina-se as regras que visam a impedir dificulte uma parte a ação da outra.
(Orlando Gomes ¿ Contratos. 26a ed. RJ. Forense, 2008, p. 43). Nesse texto, pode-se afirmar que o autor
refere-se:
à equidade que deve ser utilizada na interpretação dos contratos.
apenas à boa-fé subjetiva.
à vedação da lesão nos contratos bilaterais.
à matéria pertinente ao direito alemão e estranha ao direito brasileiro.
 à boa-fé objetiva.
Respondido em 04/06/2020 18:46:04
Acerto: 1,0 / 1,0
Sobre o princípio da vulnerabilidade do consumidor, indique a opção correta:
A vulnerabilidade só possuí caráter socioeconômico, portanto, um consumidor que também possua
grandes fortunas não poderá arrogar para si a condição de vulnerável
Um consumidor pode ser considerado hipossuficiente sem ser considerado vulnerável
Pode-se afirmar que existe presunção absoluta de vulnerabilidade e hipossuficiência em toda relação de
consumo
Afirmar que o consumidor é vulnerável significa dizer que este também é hipossuficiente
 A vulnerabilidade da pessoa física será sempre de presunção absoluta, ao passo em que a
vulnerabilidade da pessoa jurídica depende de comprovação
Respondido em 04/06/2020 18:48:12
 Questão2a
 Questão3a
 Questão4a
04/06/2020 Estácio: Alunos
simulado.estacio.br/alunos/?user_cod=2318166&matr_integracao=201902675304 2/3
Acerto: 1,0 / 1,0
Analise as assertivas e, em seguida, marque a alternativa CORRETA. Com relação ao direito do consumidor e ao
CDC:
Para revisão de cláusulas contratuais em favor do consumidor, é preciso comprovação de fato
superveniente que as tornem excessivamente onerosas, além de demonstração, ao juiz, da
inexperiência do consumidor ou da necessidade deste de contratar.
A tutela da informação ao consumidor decorre da boa-fé subjetiva e é resguardada pela necessidade da
prestação de informação clara e adequada pelo fornecedor acerca dos produtos e serviços
disponibilizados no mercado de consumo.
O princípio da vulnerabilidade, que orienta a aplicação do CDC e tem como fundamento a fragilidade dos
consumidores no mercado de consumo, restringe-se ao aspecto econômico.
O CDC relativiza a autonomia privada dos contratantes e autoriza o Poder Judiciário a conhecer de ofício
a abusividade de cláusulas contratuais nos contratos bancários.
 A proteção do consumidor como direito fundamental aplica-se ao consumidor pessoa física, pois, em
relação à pessoa jurídica consumidora, há o limitador da livre inciativa da atividade econômica.
Respondido em 04/06/2020 18:48:20
Acerto: 1,0 / 1,0
Com relação ao conceito de consumidor é possível afirmar que o ordenamento jurídico adota qual teoria?
Adota-se a teria do domínio final do fato.
Adota-se a teoria maximalista para conceituar o destinatário final.
 Adota-se a teoria finalista atenuada para conceituar o destinatário final.
Adota-se a teoria finalista para conceituar o destinatário final.
Adota-se a teoria da quebra da base do negócio jurídico.
Respondido em 04/06/2020 18:49:49
Acerto: 1,0 / 1,0
(TJES - 2011 - CESPE/JUIZ DE DIREITO - adaptada) Na Lei n.º 8.078/1990, Código de Proteção e Defesa do
Consumidor, consta expressamente o conceito de consumidor e o conceito de fornecedor, denominados
elementos subjetivos da relação jurídica de consumo. Entretanto, nem sempre é possível certificar-se da
existência de relação de consumo somente pela análise literal dos artigos do CDC, de modo que o julgador deve
conhecer o entendimento dominante dos tribunais superiores. Nesse sentido, segundo a jurisprudência
dominante do STJ, o CDC se aplica a:
Pagamento de contribuição de melhoria, crédito educativo custeado pelo Estado ao aluno e na
relação entre condomínio e condôminos.
Serviços notariais, contrato de serviços advocatícios e contrato de plano de saúde.
Contrato de locação, perícia judicial e contrato de trabalho.
 Serviço de fornecimento de água, contrato bancário e contrato de previdência privada com entidades
abertas.
Contrato de cooperação técnica entre empresas de informática, contrato de franquia e envio de produto
gratuito como brinde.
Respondido em 04/06/2020 18:51:26
Acerto: 1,0 / 1,0
Com relação à responsabilidade civil do fornecedor, assinale a alternativa correta:
não há responsabilidade solidária entre os fornecedores pelos danos sofridos pelos consumidores.
a responsabilidade civil do fornecedor pelo vício do produto ou serviço demanda comprovação de culpa;
o fabricante e o comerciante sempre respondem solidariamente pelo fato do produto
o produto defeituoso é pressuposto do vício de qualidade;
 a insuficiência ou inadequação de informação sobre a utlização e riscos dos produtos enseja a
responsabilidade civil do fabricante pelo acidente de consumo;
 Questão5a
 Questão6a
 Questão7a
 Questão8a
04/06/2020 Estácio: Alunos
simulado.estacio.br/alunos/?user_cod=2318166&matr_integracao=201902675304 3/3
Respondido em 04/06/2020 18:54:01
Acerto: 1,0 / 1,0
Assinale a alternativa Incorreta. O direito à informação, como um direito básico do consumidor está justificado
devido a (ao):
Intervencionismo estatal adotado pelo legislador pátrio nas obrigações oriundas das relações de
consumo.
Hipossuficiência do consumidor que consiste nas suas carências mentais e econômicas frente ao
fornecedor.
 Fato do povo brasileiro não ter um nível mínimo de educação comparado ao dos países desenvolvidos.
Dever legal do fornecedor de prestar esclarecimentos, informações e até educação ao consumidor.
Opção do legislador brasileiro em proteger a parte mais fraca da relação em alguns ramos do direito,
como também ocorre no Direito do Trabalho.
Respondido em 04/06/2020 18:56:21
Acerto: 1,0 / 1,0
05 FCCTJ-SE Juiz Substituto (0,5) Assinale a alternativa que atende, com fundamento nos princípios do direito
do consumidor, ao enunciado que decorre do ¿princípio da informação¿:
c)O Princípio da