A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
45 pág.
Administração Financeira e Orçamentária - AULA 3 AVALIAÇÃO E PLANEJAMENTO FINANCEIRO DE CURTO PRAZO

Pré-visualização | Página 5 de 10

o ciclo operacional (CO) vai do momento da 
compra do estoque até o momento do recebimento das vendas. 
Observe o Quadro 13 a seguir: 
Quadro 13 ‒ Demonstração do ciclo operacional (CO) e do ciclo financeiro (CF) 
Quadro 8 ‒ Prazos médios, ciclo operacional (CO) e ciclo financeiro (CF) 
Compra Vende Paga Recebe 
 
PMRE = 30 dias PMRV = 60 dias 
PMPC = 60 dias CF = 30 dias 
Ciclo operacional (CO) = 90 dias 
Onde: 
 PMRE = prazo médio de rotação dos estoques 
 PMRV = prazo médio de recebimento das vendas 
 PMPC = prazo médio de pagamento das compras 
 CO = ciclo operacional 
 CF = ciclo financeiro 
O Quadro 13 mostra que a empresa leva, em média, 60 dias para realizar 
financeiramente (transformar em dinheiro) as suas vendas. Se considerarmos 
também o prazo médio de rotação dos estoques (PMRE), concluímos que o seu 
ciclo operacional (CO) é de 90 dias: 
 
 
20 
𝐶𝑖𝑐𝑙𝑜 𝑜𝑝𝑒𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 (𝐶𝑂) = 𝑃𝑀𝑅𝐸 + 𝑃𝑀𝑅𝑉 → 𝐶𝑂 = 30 + 60 → 𝐶𝑂 = 90 𝑑𝑖𝑎𝑠 
O ciclo financeiro (CF) também foi demonstrado no Quadro 13 para que 
todos os prazos médios ficassem evidenciados. O ciclo financeiro (CF) é dado 
por: 
𝐶𝐹 = 𝐶𝑖𝑐𝑙𝑜 𝑜𝑝𝑒𝑟𝑎𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 − 𝑃𝑀𝑃𝐶 ∴ 𝐶𝐹 = 90 − 60 ∴ 𝐶𝐹 = 30 𝑑𝑖𝑎𝑠 
Logo, o ciclo financeiro (CF) é o tempo que vai do momento da compra da 
mercadoria até o momento do recebimento da venda (ou ciclo operacional), 
menos o tempo que vai da compra da mercadoria até o pagamento da compra. 
É bom lembrar que a indústria possui um processo a mais em relação à 
empresa comercial – o processo de fabricação ‒, o que pode alongar o seu ciclo 
operacional (CO), pois precisa fabricar o produto antes de efetuar a venda. 
2.7 Uso do DVR, ou do PMVR, como medida de cálculo do investimento 
em valores a receber (conta clientes ou duplicatas a receber) 
Ross et al. (2015, p. 1004) dizem que “o investimento de qualquer 
empresa em suas contas a receber depende do montante das vendas a prazo e 
do prazo médio de recebimento ‒ PMR [podemos chamar também de PMRV ou 
DVR]. Se o PMR é de 30 dias, em uma data qualquer, haverá 30 dias de vendas 
pendentes de recebimento [conta clientes]”. 
Para exemplificar, uma empresa que venda R$ 360 mil no ano terá uma 
venda média diária de R$ 1 mil por dia (360 mil/360 dias). Considerando-se que 
o prazo médio de recebimento das vendas (PMRV) da empresa seja de 30 dias, 
tem-se que o investimento em valores a receber (conta clientes) é de R$ 30 mil. 
Utilizando as fórmulas demonstradas até aqui, temos: 
𝑃𝑀𝑅𝑉 =
𝑐𝑙𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠
𝑣𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠
× 360 𝑑𝑖𝑎𝑠 ∴ 30 =
𝑐𝑙𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠 × 360
360.000
∴ 10.800.000,00 = 𝑐𝑙𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠 × 360 
→ 𝑐𝑙𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠 =
10.800.000,00
360
∴ 𝑐𝑙𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠 = 𝑅$ 30.000,00 
O mesmo resultado poderá ser obtido utilizando-se a fórmula: 
𝐷𝑉𝑅 =
𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎 𝑟𝑒𝑐𝑒𝑏𝑒𝑟 𝑎𝑜 𝑓𝑖𝑛𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜
𝑉𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑚é𝑑𝑖𝑎𝑠 𝑑𝑖á𝑟𝑖𝑎𝑠 𝑑𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜
 
 
 
21 
Basta substituir DVR por 30 (dias) e vendas médias diárias do período por 
1 mil (360 mil / 360 dias). 
30 =
𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎 𝑟𝑒𝑐𝑒𝑏𝑒𝑟 𝑎𝑜 𝑓𝑖𝑛𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜
1.000,00
∴ 
𝑉𝑎𝑙𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎 𝑟𝑒𝑐𝑒𝑏𝑒𝑟 𝑎𝑜 𝑓𝑖𝑛𝑎𝑙 𝑑𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜 (𝑐𝑜𝑛𝑡𝑎 𝑐𝑙𝑖𝑒𝑛𝑡𝑒𝑠) = 𝑅$ 30.000,00 
TEMA 3 – ADMINISTRAÇÃO DE CRÉDITO 
3.1 Relaxamento dos padrões de crédito 
Os padrões de crédito dizem respeito à política adotada pela empresa 
com relação aos controles de crédito. Por exemplo, ampliar os prazos de 
recebimento das vendas significa relaxar os padrões de crédito, pois o tempo de 
entrada de dinheiro no caixa ficará alongado, além de poder ocorrer aumento de 
perdas com créditos incobráveis. Portanto, o relaxamento dos padrões de crédito 
pode aumentar o risco de liquidez da empresa. 
Veja a seguir um exemplo prático sugerido por Gitman (2010, p. 559) 
(lembre-se de que quando tratamos do lucro da empresa, devemos considerar 
o conceito de “gastos”, que inclui “custos” e “despesas”. Neste caso, como é 
comum nas obras de finanças, o autor se refere a custos variáveis e custos fixos 
como se fossem gastos [custos e despesas]): o produto fabricado por uma 
empresa industrial é vendido ao preço de R$ 10,00 por unidade. A política da 
empresa é que toda a sua venda seja feita a prazo. No ano passado, a empresa 
vendeu 60.000 unidades. Os custos da empresa foram: R$ 6,00 de custo variável 
unitário e R$ 120.000,00 de custo fixo total no ano. 
Essa empresa pretende implementar um relaxamento dos padrões de 
crédito de acordo com os seguintes parâmetros: (I) um aumento de 5% na 
quantidade vendida do produto em relação ao ano anterior, o que equivale a uma 
quantidade vendida de 63.000 unidades para o novo ano; (II) o prazo médio de 
recebimento das vendas (PMRV) passará de 30 dias ‒ ano anterior ‒ 
para 45 dias no novo ano; (III) as perdas referentes a créditos incobráveis 
passarão de 1% ‒ ano anterior ‒ para 2% no novo ano; (IV) o custo de 
oportunidade dos recursos alocados nas contas a receber é de 15%, ou seja, a 
empresa desejará obter o mesmo retorno (15%) que teria caso optasse por um 
investimento alternativo de mesmo risco. 
 
 
22 
Perguntamos: a empresa deve ou não relaxar os seus padrões de crédito? 
Ou seja, ela deve adotar a nova política de crédito, aumentando o prazo para 
seus clientes? 
O que define se a empresa deve ou não relaxar os seus padrões de 
crédito é o lucro líquido da empresa obtido com o plano proposto, ou seja, 
aumento de 5% na quantidade vendida ‒ para 63.000 unidades – e ampliação 
do prazo de recebimento das vendas ‒ para 45 dias. E para obter o lucro líquido 
será necessário calcular: (I) o efeito da contribuição das vendas adicionais ao 
lucro da empresa; (II) o custo do investimento marginal em contas a receber; (III) 
as perdas marginais com créditos incobráveis. 
Logo, o lucro líquido pode ser representado da seguinte forma: 
Contribuição das vendas adicionais ao lucro da empresa 
(-) Custo do investimento marginal em valores a receber 
(-) Perdas marginais com créditos incobráveis 
(=) Lucro líquido 
Mostraremos agora como Gitman (2010, p. 559) propõe a solução do 
caso. 
Primeiro passo 
Calcular a contribuição das vendas adicionais ao lucro. 
𝐶𝑜𝑛𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑑𝑎𝑠 𝑣𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑎𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑖𝑠 = 3.000 𝑢𝑛𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 × 𝑅$ 4,00 𝑝𝑜𝑟 𝑢𝑛𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 ∴ 
𝐶𝑜𝑛𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑑𝑎𝑠 𝑣𝑒𝑛𝑑𝑎𝑠 𝑎𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑖𝑠 = 𝑅$ 12.000,00 
Sendo: 
> 3.000 → 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑛𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 𝑎𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑖𝑠 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑧𝑖𝑑𝑎𝑠 𝑛𝑜 𝑛𝑜𝑣𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜(∗) 
(∗) 60.000 𝑢𝑛𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 × 5% (𝑎𝑢𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑝𝑟𝑜𝑝𝑜𝑠𝑡𝑜) ∴ 
 3.000 𝑢𝑛𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 (𝑞𝑢𝑎𝑛𝑡𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑎𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑙 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑛𝑜𝑣𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜) 
> 𝑅$ 4,00 → 𝑚𝑎𝑟𝑔𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑎(∗) 
(∗) 𝑚𝑎𝑟𝑔𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖 = 𝑝𝑟𝑒ç𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑜 − 𝑐𝑢𝑠𝑡𝑜 𝑣𝑎𝑟𝑖á𝑣𝑒𝑙 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑜 
 
 
23 
 𝑚𝑎𝑟𝑔𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑎 = 𝑅$ 10,00 − 𝑅$ 6,00 
 𝑚𝑎𝑟𝑔𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑡𝑟𝑖𝑏𝑢𝑖çã𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑎 = 𝑅$ 4,00 
Comentários: 
 Podemos notar que o valor dos custos fixos, mencionado no enunciado 
do problema, não foi considerado no cálculo da contribuição das vendas 
adicionais em razão de não sofrer alteração com a variação da 
quantidade de um período para o outro – variação de 3.000 unidades. 
Portanto, somente os custos variáveis foram considerados. 
 Neste exemplo, o autor nos apresenta a margem de contribuição unitária 
como o resultado do preço de venda unitário menos o custo variável 
unitário. No entanto, é possível encontrar

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.