A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Alergias

Pré-visualização | Página 2 de 2

e sem intervenção, a 
proliferação de células Th2 aumenta, 
outras células são recrutadas para o local 
do processo inflamatório (neste caso há 
preferência por eosinófilos), forma-se um 
edema celular através de uma reação 
tardia. 
Observação: usualmente temos a fase imediata gerando um edema edemaciado, mole e líquido 
(exemplo: picada de pernilongo), que ocorre por extravasamento de líquido no espaço 
intersticial através de fenestras e com prurido. Quando sistêmico, ocorre na glote, resultando 
em choque anafilático. Na reação tardia o edema é duro devido a um infiltrado celular 
composto por eosinófilos, linfócitos T e outras células, permanecendo de 24-72h. 
A asma, quando na reação tardia, gera remodelamento, que é um processo irreversível. Por 
isso é importante tratar a asma na fase aguda. Ainda na fase crônica, os eosinófilos migram 
para os brônquios e por produzir enzimas e proteínas tóxicas para o brônquio, gera um 
processo agressor e constante, extremamente danoso. A diminuição de eosinófilos na fase 
crônica é importante para reduzir os danos do processo inflamatório que está ocorrendo. 
 As células importantes para o processo alérgico são os linfócitos T, Th2, basófilos, células B 
produzindo IgE, mastócitos e eosinófilos 
 Os mediadores mais importantes são a histamina, leucotrienos, prostaglandina, algumas 
citocinas, quimiocinas para recrutar eosinófilos e aminas vasoativas 
[ ALÉRGENOS ] 
Os alérgenos são um tipo de antígeno especial, já que são proteínas que devem ser 
reconhecidas por células T. Algumas de suas características: 
 A maior parte desses alérgenos vão ter atividade de proteases 
 Atuam em baixas doses, sensibilizando a pessoa em pequenas quantidades 
 São altamente solúveis em água 
 São estáveis na natureza, ou seja, não são degradados pelo frio ou calor 
 Contém, em sua estrutura, vários peptídeos que vão se ligar ao MHC II 
Observação: por terem estruturas diferentes de um antígeno normal, são chamados de 
alérgenos e não de antígeno. 
B i a n c a L o u v a i n I m u n o l o g i a C l í n i c a | 4 
 
Alguns tipos de reações alérgicas: 
 Ao entrarmos em contato com esses alérgenos por via endovenosa ou gastrointestinal, 
usualmente drogas, veneno, comida ou soros, podemos ter reação anafiláticas 
 Ao entrar em contato pela pele, mais comum com pelo de animal e picada de insetos, é 
possível desenvolver urticária aguda, onde ocorre aumento do fluxo sanguíneo, aumento da 
permeabilidade vascular 
 Ao inalar esses alérgenos, normalmente pólen ou fezes do ácaro, pode resultar em rinite ou 
asma, a depender do local 
 Se for por via oral, castanha, camarão, peixe, ovo, pode causar alergia alimentar, 
resultando em diarreia, prurido, urticária 
[ TRATAMENTO ] 
Com relação ao tratamento, quando a pessoa é alérgica a diversos antígenos, o tratamento vai 
ser sintomático com administração de anti-histamínicos, drogas que neutralizam os 
leucotrienos e corticoides. 
Se for oligossensibilizado, ou seja, alergia a pouco antígeno, podemos realizar o tratamento até 
sua cura através de três procedimentos: 
 Realizar sensibilizações do alérgeno por via subcutânea, para induzir uma resposta 
Th1 e produção de IgG. Ao produzir IgG, na maior parte dos casos, a pessoa está livre da 
alergia. A molécula de IgG também tem receptores nos mastócitos e quando é ligada junto 
a IgE, o sinal que a IgG vai mandar é inibitório 
 Vacinação profilática, chamada de imunoterapia ou sensibilização específica. Exemplo: 
pais extremamente alérgicos e que tem uma alta probabilidade do filho ter as mesmas 
alergias. Para isso, pegamos os antígenos que os ais eram alérgicos e fazemos, 
preventivamente, um esquema de imunização para gerar IgG. Mesmo que a pessoa 
produza um pouco de IgE, com a IgG presente ela não consegue desenvolver o quadro 
completo de alergia 
 Indivíduo alérgico desde pequeno e que usualmente é oral por um alimento e normalmente 
por leite (caseína). Nesses casos, ou ela para de tomar leite por toda vida ou se inicia uma 
tentativa de tolerância oral. Começamos com uma dose pequena e extremamente diluído 
e este vai sendo aumentando progressivamente até que sua IgE desapareça 
Quanto mais para frente tratamento de uma resposta alérgica, menor a chance de cura. 
[ OMALIZUMABE ] 
O anticorpo monoclonal omalizumabe é um 
anticorpo anti-IgE, que se liga na região 
constante da IgE e com o uso continuado (uma 
injeção por mês), ele depleta a IgE. 
É muito utilizado no tratamento da asma e só 
funciona para quem tem menos de 3mg de IgE. 
[ INTERLEUCINA 33 ] 
A IL-33 é uma interleucina secretada pelas células da mucosa, induzindo a diferenciação das 
células T em Th2. Ou seja, é fundamental para que o sistema imune reaja contra parasitoses 
extracelular e processos alérgicos, já que aumenta Treg. 
Podemos afirmar então que a inibição da IL-33 é eficiente em dermatite atópica e 
provavelmente em outras alergias.