A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
PROVA A2 EMEGERNCIA

Pré-visualização | Página 1 de 6

EXERCÍCIOS – EMERGÊNCIA – A2
1. Diante de uma restrição financeira, qual fluido consegue ajudar no tratamento de um paciente com proteína baixa e distúrbios de coagulação?
a. Solução hipertônica 
b. Coloide 
c. Solução de albumina 
d. Sangue total 
e. Plasma 
2. Qual a conduta correta para atendimento de um cão traumatizado com hemorragia ativa com 180bpm, 40 mrm, TPC = 4s, PAS = 70 mmhg, débito urinário de 0,5 ml/kg/hora?
a. Oxigenioterapia, teste de carga com ringer lactato associado a concentrado de hemácias e a medida da necessidade fármacos vasoativos
b. Oxigenioterapia, teste de carga com ringer simples, para evitar piora do lactato, associado a concentrado de hemácias e a medida da necessidade fármacos vasoativos
c. Oxigenioerapia, analgesia e teste de carga com concentrado de hemácias sem ringer lactato para evitar hemodiluição e a medida da necessidade fármacos vasoativos
d. Oxigenioterapia, teste de carga com ringer lactato ou hipertônica e a medida da necessidade fármacos vasoativos
e. Oxigenioterapia, teste de carga com glicose 5% associado se concentrado de hemácias e a medida da necessidade fármacos vasoativos
3. A respeito da monitorização de paciente pela escala de SOFA, podemos afirmar que:
I. Quanto maior o valor melhor prognóstico do paciente 
II. É a escala mais moderna para monitorização de sepse na Medicina Veterinária
III. O QUICK SOFA a substitui para avaliação ambulatorial
a. Somente I e III estão corretas 
b. Somente II está correta 
c. Somente II e III estão corretas 
d. Somente I está correta 
e. Somente I e III estão corretas 
4. A respeito da estabilização pressórica, no CHOQUE SÉPTICO, é correto afirmar que: 
I. Valores entre 90mmhg e 120 mmhg são adequados para a espécie canina 
II. Valores próximos de 120 mmhg são mais adequados para cães e gatos
III. Paciente refratários a fluidoterapia e vasoativos devem receber administração de dexametasona para evitar síndrome de esgotamento da adrenal 
a. Somente I e III estão corretas 
b. Somente II está correta 
c. Somente II e III estão corretas 
d. Somente III está correta 
e. Nenhuma está correta 
5. Durante um CHOQUE HEMORRÁGICO é correto afirmar que: 
I. A pressão arterial não deve passar de 90mmhg até que a hemorragia esteja controlada 
II. A pressão arterial deve estar no mínimo 90mmhg durante todo o tratamento emergencial 
III. A pressão arterial é o fator determinante para a realização de transfusão sanguínea em pacientes não anêmicos
a. Somente I e III estão corretas 
b. Somente III está correta 
c. Somente I está correta 
d. Somente II está correta 
e. Somente II e III estão corretas
6. A respeito do CHOQUE SÉPTICO é correto afirmar que: 
I. Em paciente com lactato alto e plaqueta baixa o uso de anticoagulante é indicado para reduzir a formação de trombo 
II. Em pacientes refratários a fluidoterapia e fármacos vasoativos, o uso de hidrocortisona é indicado
III. A associação de cefalosporina e metronidazol se mostrou eficiente na maioria dos pacientes
a. Somente II e III estão corretas
b. Somente I e II estão corretas 
c. Somente III está correta 
d. Somente I e III estão corretas 
e. Todas estão corretas
7. Qual volume sangue total devemos transfundir em gato de 4kg que chegou hipotenso decorrente de uma hemorragia e com 160bpm contatos com certa facilidade pelo pulso femoral? Lembrando que a fórmula é V=70/90 x Peso x % sangramento/100.
a. 84ml
b. 144ml
c. 140ml
d. 112ml
e. 180ml
8. Qual o volume de sangue total a ser transfundido em um cão, de 12kg, hipotenso por hemorragia, cuja frequência cardíaca não conseguimos obter pelo pulso femoral? Lembrando que a fórmula empregada é V=70/90 x Peso x % sangramento/100.
a. 540ml
b. 420ml
c. 324ml
d. 432
e. 336ml
9. Sabendo que trata-se de um caso de evolução de 4 dias. Qual a interpretação do exame abaixo?
	Hemogasometria (arterial)
	Resultado
	Cães
	pH
	7,45
	7,35 – 7,46
	PaO2 (mmHg)
	-
	80,9 – 103,3
	PaCO2 (mmHg)
	28
	30,8 – 42,8 (37)
	HCO3- (mEq/L)
	19
	18,8 -25,6 (22)
LISTA DE FATORES
PROBLEMAS METABÓLICOS: 
Resposta compensatória respiratória
 Δ 1 HCO3- = 0,7 PCO2
PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS:
Resposta compensatória metabólica
· Acidose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,15 HCO3-
· Acidose crônica (5 a 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,35 HCO3- 
· Acidose hipercrônica (> 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
· Alcalose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,25 HCO3-
· Alcalose crônica (> 7 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
a. Acidose metabólica respiratória simples
b. Alcalose respiratória simples
c. Alcalose respiratória com alcalose metabólica mistas
d. Alcalose respiratória com acidose metabólica compensatória 
e. Alcalose respiratória com acidose metabólica mistas
10. Sabendo que trata-se de um caso de evolução de 3 dias. Qual a interpretação do exame abaixo?
	Hemogasometria (arterial)
	Resultado
	Cães
	pH
	7,57
	7,35 – 7,46
	PaO2 (mmHg)
	-
	80,9 – 103,3
	PaCO2 (mmHg)
	30
	30,8 – 42,8 (37)
	HCO3- (mEq/L)
	27
	18,8 -25,6 (22)
LISTA DE FATORES
PROBLEMAS METABÓLICOS: 
Resposta compensatória respiratória
 Δ 1 HCO3- = 0,7 PCO2
PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS:
Resposta compensatória metabólica
· Acidose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,15 HCO3-
· Acidose crônica (5 a 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,35 HCO3- 
· Acidose hipercrônica (> 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
· Alcalose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,25 HCO3-
· Alcalose crônica (> 7 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
a. Alcalose respiratória e acidose metabólica compensatória
b. Acidose respiratória e alcalose metabólica mista
c. Alcalose metabólica e acidose respiratória compensatória
d. Alcalose respiratória e acidose metabólica mista
e. Alcalose respiratória e metabólica mistas
11. Sabendo que trata-se de um caso de evolução de 3 dias. Qual a interpretação do exame abaixo?
	Hemogasometria (arterial)
	Resultado
	Cães
	pH
	7,04
	7,35 – 7,46
	PaO2 (mmHg)
	-
	80,9 – 103,3
	PaCO2 (mmHg)
	30
	30,8 – 42,8 (37)
	HCO3- (mEq/L)
	8
	18,8 -25,6 (22)
LISTA DE FATORES
PROBLEMAS METABÓLICOS: 
Resposta compensatória respiratória
 Δ 1 HCO3- = 0,7 PCO2
PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS:
Resposta compensatória metabólica
· Acidose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,15 HCO3-
· Acidose crônica (5 a 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,35 HCO3- 
· Acidose hipercrônica (> 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
· Alcalose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,25 HCO3-
· Alcalose crônica (> 7 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
a. Alcalose respiratória com acidose metabólica mista
b. Alcalose respiratória com acidose metabólica compensatória
c. Acidose metabólica e alcalose respiratória compensatória
d. Acidose metabólica e acidose respiratória mistas
e. Acidose metabólica e alcalose respiratória mistas
12. SEM ENUNCIADO NA FOTO
	Hemogasometria (arterial)
	Resultado
	Cães
	pH
	7,46
	7,35 – 7,46
	PaO2 (mmHg)
	-
	80,9 – 103,3
	PaCO2 (mmHg)
	44
	30,8 – 42,8 (37)
	HCO3- (mEq/L)
	30
	18,8 -25,6 (22)
LISTA DE FATORES
PROBLEMAS METABÓLICOS: 
Resposta compensatória respiratória
 Δ 1 HCO3- = 0,7 PCO2
PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS:
Resposta compensatória metabólica
· Acidose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,15 HCO3-
· Acidose crônica (5 a 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,35 HCO3- 
· Acidose hipercrônica (> 30 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
· Alcalose aguda (3 a 5 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,25 HCO3-
· Alcalose crônica (> 7 dias)
 Δ 1 PCO2 = 0,55 HCO3- 
a. Alcalose metabólica com alcalose respiratória mista
b. Alcalose metabólica simples
c. Alcalose metabólica com acidose respiratória mista
d. Acidose respiratória simples
e. Alcalose metabólica com acidose respiratória compensatória
13. A respeito dos coloides, podemos afirmar que:
I. Reduzem a necessidade de critalóides para perto de 50% e são mais eficientes para estabilização pressórica
II. Aumentam a mortalidade se utilizado de maneira precoce nos grandes processos inflamatórios
III. Só devem ser empregados em pacientes refratários a outros fluidos para controle de pressão arterial
a. Somente I