URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
14 pág.

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

Pré-visualização4 páginas
URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS
12/02/20
· Moral
· Sempre existiu
· Conjunto de normas que regulam o comportamento do homem em sociedade
· Estas normas são adquiridas pela educação, pela tradição e pelo cotidiano 
· Ética
· Modo de ser
· Conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vive, garantindo, o bem-estar
· Lei
· Regras jurídicas que permitem...
INTRODUÇÃO
· Caso Karen Ann Quinley (1975)
BIOÉTICA
· PRINCIPIOS DA BIOÉTICA
· Autonomia
· Confere ao paciente o direito de ouvir e ser ouvido
· As pessoas tem o direito de decidir sobre as questões relacionadas ao seu corpo e a sua vida
· Quaisquer atos médicos devem ser autorizados 
· Beneficência
· Promover o bem em relação ao paciente ou familiar
· O médico tem obrigação ética de maximizar o benefício e minimizar o prejuízo 
· O profissional deve ter maior convicção e informação técnica possível, que assegurem ser o ato médico benéfico ao paciente (ação que faz o bem)
· Não maleficência
· Abster-se de prejudicar, procurando prevenir o mal: risco/ beneficio 
· A ação do médico deve causar prejuízo ou agravo à saúde do paciente
· Primum non nocere (primeiro não prejudicar)
· Justiça 
· Se refere a igualdade de tratamento e à justa distribuição das verbas do estado para saúde, pesquisa e etc
· Dar a cada pessoa o que lhe é devido segunda as suas necessidades, ou seja, incorpora-se a ideia de que as pessoas são diferentes e que, portanto, também são diferentes as suas necessidades
· O médico deve atuar com a imparcialidade, evitando ao máximo que aspectos sociais, culturais, religioso, financeiros ou outros interfiram na relação médico-paciente
· RESPONSABILIDADE ÉTICA, PROFISSIONAL E JURÍDOCA DO MÉDICO
· No exercício de sua profissão, o médico está sujeito às normas estabelecidas pelo CRM \u2013 pelo código de éticas médica, pelos códigos civil e penal e pelo código de defesa do consumidor 
· Prontuário bem feito e bem escrito, como se fosse apresentar perante a um juiz
· CÓDIGO ÉTICA MÉDICA 
· Imprudência:
· Realizar algo sem a cautela necessária, de forma intempestiva
· Negligência 
· INDOLÊNCIA, DESLEIXO, PASSIVIDADE:
· Abandono ao doente
· Omissão de tratamento
· Negligencia de um médico pela omissão de outro
· Prática ilegal por estudantes de medicina 
· Letra do médico
· Esquecimento de corpo estranho em cirurgia 
· Alta médica prematura \u2013 o médico que da alta ao paciente que ainda necessita de tratamento hospitalar também pode ser considerada negligente quando em razão de seu ato vem o paciente sofrer danos à saúde, sofrer sequelas ou falecer
· Amputar uma perna quando que outra é que estava doente. É falta de atenção, cuidado, é ilícito penal e ilícito civil, cabe ação de indenização, independente da ação penal em razão da lesão corporal
· Imperícia 
· Falta de observação das normas por despreparo prático ou insuficiência de conhecimento técnico
· Realização inadequada de procedimento médicos invasivos
· Médicos tem todos os sintomas que indicam claramente uma determinada doença e, por falta de prática, prescreve tratamento para outra doença (TEPXPNM)
· Tem que saber fazer os diagnósticos diferenciais
· ESFERA CIVIL E PENSAL 
· Danos morais	
· Quando uma pessoa se acha afetada em seu ânimo psíquico, moral e intelectual 
· Danos materiais
· Quando uma pessoa acha que sofreu um prejuízo patrimonial com relação aos seus bens e valores
· Danos físicos
· A pessoa entende que aquela ação gerou lacerações, cortes, golpes que afetaram o corpo
· Danos estéticos
· É aquele que se configura como uma perda de um aspecto corporal tido como bonito 
· CÓDIGO DO CONSUMIDOR
· O médico é um prestador de serviço sujeito a obrigações que incluem o direito do paciente de informação, esclarecimento e fidelização
· Este último aspecto, que veta ao médico de abandonar seu paciente, pode ser anulado se, por problemas de relacionamento com ele, profissional renunciar ao atendimento, mas sempre após transferir o paciente aos cuidados de outro médico informado e com a anuência deste.
DILEMAS ÉTICOS E LEGAIS NO PRONTO-SOCORRO
1. RECUSA DO PACIENTE CRÍTICO AO TRATAMENTO MÉDICO 
· Princípios da autonomia do paciente x beneficência ou não maleficência do médico
· Situações especiais:
· Sob efeito de droga, demenciados, psiquiátricos: prevalece o dever de atuação do médico em um situação ameaçadora da vida 
· Criança (<18 anos): conselho tutelar, polícia civil (BO)
· Idoso (> 60 anos): conselho do idoso, autoridade sanitária local, polícia civil (BO) não é dever da família, mas deve ter um acompanhante/ tutor
· Individuo mentalmente capacitado:
· Assina um termo de responsabilidade 
· Na emergência, poder de ação apenas em risco iminente de morte
2. TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE CRÍTICO 
· RESOLUÇÃO CFM Nº 1672/2003: DISPOE SOBRE O TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR DE PACIENTES
· Antes de decidir a remoção do paciente, faz-se necessário realizar contato com médico receptor ou direto técnico no hospital de destino, e ter a concordância dos mesmos
· Todas as ocorrências inerentes à transferência devem ser registradas prontuário de origem
· Todo paciente removido deve ser acompanhado por relatório completo, legível e assinado (com número do CRM), que passará a integrar o prontuário no destino. Quando do recebimento, o relatório deve ser também assinado pelo médico receptor 
· RESOLUÇÃO CFM Nº 1672/ 2003: DISPOE SOBRE O TRANSPORTE ... 
3. CUIDADOS DE FIM DE VIDA 
· Pacientes terminal é aquele que vai morrer em um período relativamente curto de tempo, de três a seis meses
· Eutanásia: 	
· Crime por compaixão 
· Inafiançável 
· Reclusão: 3-6 anos
· Se a morte não consumar: 2-3 anos 
· Distanásia:
· Morte lenta, ansiosa e com muito sofrimento
· Ortotanásia 
· Atuação correta frente a morte. 
· \u201cMorte a seu tempo\u201d
· Duplo efeito: a morte é acelerada como consequência indireta das ações médicas que são executadas usando o alivio do sofrimento de um paciente em final de vida
· Religiosidade 
· Mistanásia 
· Eutanásia social 
· Morte miserável, fora ou antes do tempo
· Doentes que por motivos políticos, sociais e econômicos não conseguem ser pacientes
· Paciente vítimas de iatrogênica (efeito adverso ou complicações causadas por um resultantes do tratamento médico)
· Paciente vítima de má pratica por motivos econômicos, científicos e sociopolíticos 
· CUIDADOS PALIATIVOS:
· Respeito a integridade da pessoa e buscam garantir ao paciente:
· Seja mantido livre de dor tanto quanto possível
· Escutar os medos e valores religiosos
· Possa escolher onde deseja morrer
· Ordem de não reanimação:
· Colocado no prontuário 
· Diretivas antecipadas de vontade:
· Instruções que uma pessoa dá, antecipadamente, relativas aos tratamentos que deseja ou não receber no fim da vida, para o caso de ser tornar incapaz de exprimir sua vontade ou tomar decisões por e para si próprio. Elegendo um ou mais procurados de saudade 
· Testamento vital
4. DECLARAÇÃO DE COMPARECIMENTO E ATESTADO MÉDICO
· Atestado médico: 
· Ato médico e direito inalienável do paciente 
· Registrar apropriadamente sua emissão 	
· Deve conter de forma legível o tempo da dispensa
· Apenas o paciente e o juiz pode exigir o CID 
· Declaração de comparecimento 
5. CONSENTIMENTO INFORMADO 
· Imprescindível diante de qualquer procedimento médico, ato de elucidação diagnostica ou terapêutica 
6. DECLARAÇÃO DE ÓBITO
· Causa natural e não violenta: o médico deve sempre conferir todas as informações de identificação do paciente, preencher de forma legível, sem rasuras ou emendas, o bloco de condições e causas de óbito 
· Não morreu no hospital: 
a. Achar o médico assistente/ PSF
b. Serviço de certificação de óbito 
c. Procurar hematomas para ter certeza que não foi morte por violência 
· Se sinais de violência externa: SVO/IML 
· Nunca fazer o atestado de óbito sem um exame detalhado do corpo
ATENDIMENTO PRÉ HOSPITALAR 
19/02/20
BLS \u2013 BASIC LIFE SUPPORT (SUPORTE BÁSICO A VIDA)
· CONCEITOS GERAIS:
· Inicialmente a cadeia de sobrevivência
· Cumprimento as compressões