A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
63 pág.
TCC_calandra

Pré-visualização | Página 5 de 8

rolos são girados devido às engrenagens de 25 dentes afixadas em seus eixos movidas pela engrenagem de 16 dentes. 
Existem ainda os mancais da máquina que serão considerados individualmente nos cálculos dos rendimentos dos sistemas de transmissão.
	
Figura 15: Esquema de transmissão
Fonte: Elaborado pelo autor
5.5.3 – Transmissão por correias
Conforme descrito no item 5.5.2, a transmissão por correias da máquina está localizada na saída do motor e é constituída por cinco correias com formato em V. 
Figura 16: Transmissão por correias
Fonte: Elaborado pelo autor
A relação de transmissão pode ser calculada dividindo-se os diâmetros das polias, conforme Melcoian (2004, p.43). 
 							(4)
Onde:
Aplicando os valores no conceito tem-se:
Conforme Melconian (2004, p.27) tem-se rendimento das correias em V: 
0,97 
 
 
 0,98
Conforme Nieman (1971, p.90) tem-se rendimento das correias em V:
0,94 
 
 
 0,97
Conforme Ishida (1995 p.F1.11) deve-se calcular o ângulo de abraçamento das correias antes de se calcular o rendimento do sistema, através da eq.(4) abaixo:
 (5)
Onde:
ângulo de abraçamento da polia motora
diâmetro nominal da polia motora
diâmetro nominal da polia movida
Aplicando os dados da máquina tem-se:
Com o ângulo de abraçamento das correias conhecido e aplicando a interpolação com os dados da tabela 2 – Fator de correção do arco de contato (Ishida,1995, p.F1.11), tem-se:
Portando, será utilizado como rendimento da transmissão por correias da máquina o valor de 0,97.
correias = 0,97
5.5.4 – Potência na entrada do redutor
Com o rendimento da transmissão por correias definido, pode-se calcular a potência disponível na entrada do redutor da máquina conforme abaixo:
Onde:
= Potência de entrada do redutor
Potencia do Motor
Rendimento das correias
	
Assim, tem-se:
	
5.5.5 – Cálculo do rendimento do redutor
Para se calcular o rendimento do redutor foi necessário determinar a relação de transmissão do mesmo para que fosse aplicado o conceito da tabela 24.13 de Niemann (1971,p.49). Para se determinar a relação de transmissão do redutor foi necessário calcular a rotação dos eixos de entrada e saída à partir das rotações do motor (entrada) e dos rolos (saída), com as determinadas relações de transmissão situadas entre esses componentes e o redutor.
Conforme a relação da transmissão por correias calculada no item 5.5.3 desse relatório, tem-se na entrada do redutor:
Rotação da polia maior = 
Rotação da polia maior = 
A rotação na entrada do redutor é a mesma da polia maior: 1182 rpm.
A rotação na saída do redutor foi calculada a partir da rotação dos rolos inferiores, medida com a máquina em funcionamento. Para tal, utilizou-se o método da contagem de voltas dos rolos inferiores por minuto, encontrada igual a 4 rpm. Com a rotação dos rolos inferiores determinada iniciou-se a verificação de cada par engrenado à partir dos mesmos.
Na figura 17 pode-se observar que o sistema de transmissão de potência da saída do redutor até os rolos da máquina foi dividido em duas partes. A primeira parte à partir dos rolos foi denominada de “par 1”, que é composta por dois pares engrenagens de dentes retos com número de dentes de 25 e 16. A segunda parte, denominada de “par 2” é composta por um par de engrenagens de 80 e 17 dentes. A engrenagem de 17 dentes é acoplada ao eixo de saída do redutor da máquina, o qual pretende-se determinar a rotação de saída.
Conforme Melconiann (2004,p.80) a relação de transmissão de um par engrenado é determinado através da eq.(6):
 									(6)
Onde:
Z2 = Número de dentes da engrenagem movida
Z1 = Número de dentes da engrenagem motora
Como para esse caso a relação de transmissão será calculada à partir dos rolos, tem-se
 	
0,64
Com a relação de transmissão do par engrenado pode-se determinar a rotação:
Rotação do par 1 = 
Rotação do par 1 = 
Figura 17: Transmissão potência da saída do redutor até os rolos
Fonte: Elaborado pelo autor
Utilizando-se da eq.(6) pode-se determinar a relação de transmissão do par 2:
0,2125
Com a relação de transmissão do par engrenado pode-se novamente determinar a rotação:
Rotação do par 2 = 
Rotação do par 2 = 
Enfim, definiu-se a rotação de entrada (1182 rpm) e a rotação de saída (29,5 rpm) do redutor. Assim é possível calcular a relação de transmissão do mesmo, que conforme Melconian (2004,p.80) pode ser definido por:
 										(7)
Onde:
n1 = rotação de entrada
n2 = rotação de saída
Atribuindo os dados à eq.(7):
A relação de transmissão do redutor é 40.
Conforme informado no item 5.5.2 desse relatório, o redutor da máquina é do tipo de parafuso cilíndrico. Com base no lay-out mostrado por Melconiann (2004,p.35), informações da tabela 24.13 (Melconiann,2004,p.49), lay-out mostrado na figura 18 desse relatório e dos dados de entrada listados abaixo, adotaremos como rendimento do redutor da máquina o valor de 0,845. 
Dados de entrada da tabela 24.13 Melconian(2004,p.49):
- distância entre eixos (parafuso e coroa) = 400 mm
- diâmetro primitivo da rosca do parafuso = 140 mm (estimativa pelo diâmetro do eixo = 60 mm)
- rotação de entrada = 1000
- relação de transmissão = 40
 
 Figura 18: Lay-out do redutor
 Fonte: Elaborado pelo autor
5.5.6 – Cálculo da potência na saída do redutor
Com o rendimento do redutor definido, pode-se calcular a potência disponível na saída do mesmo, conforme abaixo:
Onde:
 Potência na entrada do redutor
Potência na saída do redutor
rendimento do redutor
Aplicando os dados, tem-se
5.5.7 – Cálculo da potência de serviço da máquina
No item 5.5.6 desse relatório definiu-se a potência disponível na saída do redutor da máquina. Para se determinar a potência de serviço é necessário conhecer os rendimentos das transmissões existentes entre o redutor e os rolos inferiores. 
Figura 19: Transmissão potência do motor até os rolos
Fonte: Elaborado pelo autor
Conforme a figura 19 acima, à partir do redutor, existe um par de engrenagens de dentes retos (denominadas nesse relatório de par 2) seguida de um mancal que as interliga a um trio de engrenagens de dentes retos (denominadas de par 1), sendo duas delas ligadas aos rolos inferiores da máquina. Conforme Melconian (2004,p.27) o rendimento de transmissão por engrenagens usinadas e mancais de deslizamento por buchas está entre 0,96 e 0,98. Assim será adotado o valor de 0,97, que considerando o par engrenado (0,97), o trio engrenado (0,97²), o mancal entre par e trio (0,97) e os mancais dos rolos temos (0,97²):
- Rendimento total dos componentes mostrados na figura 18 é de 0,97 x 0,97² x 0,97 x 0,97² = 0,833.
A potência de serviço da máquina (Potência disponível nos rolos) é a potência de saída do redutor considerando o rendimento do conjunto mostrado na figura 18, cujo valor será:
5.6 – Cálculo do torque disponível na máquina
A potência disponível na máquina gera o torque (Momento Torçor) disponível para operação que conforme Melconiann (2004,p.15) pode ser calculado pela eq.(8) a seguir:
 				(8)
Onde:
Momento torçor 
Potência disponível na máquina
Rotação dos rolos
Aplicando os dados na eq.(8), tem-se:
Como na entrada da máquina o movimento é divido pelos dois rolos inferiores, tem-se em cada rolo:
5.7 – Cálculo da capacidade de tração da máquina em função da potência disponível
Em função do torque disponível na máquina (Momento Torçor calculado