Saúde do idoso
26 pág.

Saúde do idoso


DisciplinaGeriatria1.630 materiais5.673 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA
APS -7ª etapa
2020
1
Objetivos:
 Avaliação Multidimensional como primeira avaliação integral do idoso.
Doenças Crônicas mais frequentes.
\u201cEfeito cascata\u201d / apresentações atípicas 
Sexualidade
 Polifarmácia
Calendário Vacinal
Avalição Multidimensional dos idosos 
Sinônimos
(COMPREHENSIVE GERIATRIC ASSESSMENT)
Avaliação geriátrica ampla (AGA)
Avaliação geriátrica global
Avaliação geriátrica multidimensional
Avaliação geriátrica abrangente
Avaliação Global (multidimensional) do Idoso
Alimentação e Nutrição
Acuidade Visual
Acuidade Auditiva
Incontinência Urinária
Sexualidade
Vacinação
Avaliação Cognitiva
Depressão
Mobilidade
Quedas
Avaliação Funcional
Suporte Familiar
Avaliação Multidimensional Rápida da Pessoa Idosa
	ÁREA AVALIADA	AVALIAÇÃO BREVE	ENCAMINHAMENTOS
	NUTRIÇÃO	O/A Sr/a perdeu mais de 4 kg no último ano, sem razão específica? _____ Peso atual: ____ kg Altura: _____ cm IMC = ______
IMC Menor ou igual a 22: Baixo Peso
Entre 22 e 27: Eutrófico
Maior ou igual a 27: Sobrepeso
	Refere perda de peso ou apresenta IMC alterado nos extremos (desnutrição ou obesidade).\ud83e\udc7a Investigar a causa
	VISÃO	O/a Sr/a tem dificuldade para dirigir, ver TV ou fazer qualquer outra atividade de vida diária devido a problemas visuais? Se sim, aplicar o cartão de Jaeger: Olho Direito: ______ Olho Esquerdo:________ 	Se houver incapacidade de ler além de 20/40 no cartão de Jaeger, encaminhar ao oftalmologista
	ÁREA AVALIADA	AVALIAÇÃO BREVE	ENCAMINHAMENTOS
	AUDIÇÃO	Aplicar o teste do sussurro. A pessoa idosa responde a pergunta feita?
Ouvido Direito: __ 
Ouvido Esquerdo: _____ 
Se não, 
verificar a presença de cerume. OD: _____ OE: _____	Na ausência de cerume e caso a pessoa idosa não responda ao teste \ud83e\udc7a investigar a causa 
	INCONTINÊNCIA	O/A Sr/a, às vezes, perde urina ou fica molhado/a? 
Se sim, pergunte: Quantas vezes? ___ 
Isso provoca algum incomodo ou embaraço? ___
 Definir quantidade e frequência.	Pesquisar a causas
	ÁREA AVALIADA	AVALIAÇÃO BREVE	ENCAMINHAMENTOS
	COGNIÇÃO E MEMÓRIA	Solicitar à pessoa idosa que repita o nome dos objetos: 
Mesa, Maça Dinheiro 
Após 3 minutos pedir que os repita.	Se for incapaz de repetir os nomes, aplique o MEEM 
	SUPORTE SOCIAL
	Alguém poderia ajudá-lo/a caso fique doente ou incapacitado? ___ 
Quem poderia ajudá-lo/a? ____ 
Quem seria capaz de tomar decisões de saúde pelo/a Sr/a caso não seja capaz de fazê-lo? ___
	Identificar, com o agente comunitário de saúde ou em visita domiciliar, a família/rede de pessoas que possam apoiá-lo/a. Realizar APGAR de família e ECOMAPA .
	ÁREA AVALIADA	AVALIAÇÃO BREVE	ENCAMINHAMENTOS
	Função dos MMII
(avalia perturbação de marcha e equilíbrio em idosos)	Teste get up and go
Ver se a pessoa idosa é capaz de: Levantar da cadeira: ___ Caminhar 3,5m: ___ Voltar e sentar: ___ Atenção para dor, amplitude de movimentos, equilíbrio e avaliação da marcha.
	 A conclusão do teste em menos de 10 seg representa nenhum risco e é esperada de idosos não frágeis. 
Um escore de:
 10-19 seg representa risco mínimo; 
 20 -29 seg, risco moderado; 
 mais de 30 seg, um risco definitivo de cair. O encaminhamento para fisioterapia é necessário para 20 seg ou mais.
	ÁREA AVALIADA	AVALIAÇÃO BREVE	ENCAMINHAMENTOS
	ATIVIDADES DIÁRIAS	Sem auxílio, o/a Sr/a é capaz de:
 Sair da cama? ___
Vestir-se? ___ 
Preparar suas refeições? ___
 Fazer compras? ___ 
Se não > Determinar as razões da incapacidade (comparar limitação física com motivação), solicitar informações junto aos familiares.
	 Se não, Determinar as razões da incapacidade (comparar limitação física com motivação), solicitar informações junto aos familiares, e aplicar escala de avaliação de vida diária (escala de Katz) e escala de avaliação de atividades instrumentais de vida diária (escala de Lawton). 
A incapacidade no desempenho das atividades de vida diária constitui fator de risco para quedas e institucionalização
	ÁREA AVALIADA	AVALIAÇÃO BREVE	ENCAMINHAMENTOS
	 HUMOR/ DEPRESSÃO	O/A Sr/a se sente triste ou desanimado/a frequentemente?	Se sim, Aplicar a Escala de Depressão Geriátrica 
Comorbidades
Doenças crônicas mais frequentes
Hipertensão arterial sistêmica
Diabetes mellitus
Tabagismo
Depressão
Dislipidemia
Osteoporose
Osteoartrose
Neoplasias
Tireoidopatias.
Comorbidades
Doenças crônicas mais frequentes
Efeito \u201ccascata\u201d
Conceito de \u201cdoença única\u201d não se aplica
Diversos sinais e sintomas > várias doenças concomitantes
Um sistema insuficiente pode comprometer outro e nenhuma doença domina o quadro clínico.
Efeito \u201ccascata\u201d
Queda > Fratura de fêmur > Idoso muito tempo internado > importante perda funcional
Infecções (as vezes, não diagnosticadas) > confusão mental
Perda auditiva ou visual / dor / incontinência > isolamento social > depressão
Apresentações atípicas
Muitas doenças podem apresentar a mesma sintomatologia
Sintomas inespecíficos de \u201cmal estar\u201d de difícil diagnóstico
A apresentação das doenças ocorre de forma distinta que nos adultos jovens (sintomas atípicos);
Sintomas que em um indivíduo jovem podem corresponder a um refluxo gastroesofágico no idoso podem corresponder a um carcinoma
Apresentações atípicas
Infarto sem dor
Infecção sem febre 
Muitos problemas ou doenças têm manifestação tardia.
Uso de múltiplos medicamentos pode complicar o tratamento
Relevância dos problemas sociais na manifestação e manejo das doenças
Sexualidade
74% dos homens e 56% das mulheres casadas mantêm vida sexual ativa após os 60 anos
Questionar diretamente!
Investigar DSTs nos sexualmente ativos
Questionar disfunções e sintomas climatéricos.
POLIFARMÁCIA
Multimedicamentos
Medicamentos Prescritos
X
Automedicação
Tratamento Medicamentoso
Interação Medicamentosa
Função Renal
Função Hepática
Cascata Iatrogênica (medicação para Efeito Colateral)
Educar/Orientar (Paciente + Cuidadores)
Esquema Simples
Maximizar a eficácia terapêutica
Considerações sobre a prescrição
A medicação vai alterar o curso clínico da doença
Qual o fármaco mais indicado?
Como deve ser administrado?
Está em uso de outro fármaco?
Quais os efeitos esperados?
Poderá ser usado para outro fim?
Está disponível na rede de distribição do SUS?
Vacinação
	VACINA	DOSES	INTERVALO
	HEPATITE B	3 DOSES (CHECAR SITUAÇÃO)	0, 1 E 6 MESES
	FEBRE AMARELA	1 DOSE E 1 REFORÇO	A CADA 10 ANOS
	INFLUENZA SAZONAL	1 DOSE	ANUAL
	PNEUMO 23 VALENTE	1 DOSE	DOSE ÚNICA
	DUPLA ADULTO	3 DOSES + REFORÇO	0, 2 E 4 MESES + A CADA 10 ANOS
Calendário Nacional de Vacinação, 2018
Reflexões 
Não faça ao paciente aquilo que não gostaria que fizessem à você.
Procure sempre estabelecer diagnóstico preciso antes de iniciar a terapêutica.
Se o que está fazendo não surtiu efeito, saiba abandoná-lo no momento oportuno. Não seja um terapeuta teimoso.
Se o que está fazendo é útil e eficaz, continue a fazê-lo. Não seja um terapeuta nervoso. 
Reflexões
Se não souber o que deve ser feito, nada faça. Muitas doenças iatrogênicas são provocadas por profissionais que usam drogas poderosas apenas com o propósito de fazer alguma coisa. 
Prefira, sempre que possível, o uso de drogas de ação farmacocinética e farmacodinâmica bem conhecidas, com as quais tenha experiência sem se preocupar se os medicamentos são \u201cnovos\u201dou \u201cvelhos\u201d.
Reflexões
Até hoje a vida é finita! Muitas doenças crônicas não transmissíveis vão levar nossos pacientes a óbito independente do que façamos. Prolongar a vida biológica sem perspectiva de melhora na qualidade de vida ou dignidade se chama DISTANASIA e é proibido pelo Código de Ética Médico.
A morte é um tabu na sociedade e é natural dos pacientes quererem falar sobre ela. Dê espaço para falar sobre isso!
 BRASIL. Ministério da Saúde. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. (Cadernos de Atenção Básica, 19)
Duncan BB at al \u2013 Medicina Ambulatorial- Condutas de Atenção Primária Baseadas em Evidências. Capítulo