A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Atualidades: Cuba pós Fidel Castro - hexag

Pré-visualização | Página 2 de 2

de 
sua morte, apenas a vontade do líder de ser cremado. 
Suas cinzas percorrerão 13 das 15 províncias da ilha 
em uma caravana de cerca de mil quilômetros, que se 
estenderá por quatro dias e terminará com seu sepulta-
mento, daqui a uma semana, na cidade de Santiago de 
Cuba, a 960 km de Havana.
O comandante já não mandava, pelo menos não 
diretamente. Foi seu irmão, Raúl, o grande responsável 
pelas mudanças recentes no país, após a histórica rea-
proximação com os Estados Unidos, em 2014. Mas sua 
presença pairava de um extremo a outro da ilha, após 
mais de meio século de um governo controverso – ama-
do por uns e odiado por outros. 
A aproximação diplomática 
entre Cuba e os Estados 
Unidos
O dia 17 de dezembro de 2014 marcou mais um capí-
tulo na história das relações de Cuba com os Estados 
Unidos, na ocasião, o presidente Barack Obama, reali-
zou um pronunciamento em rede nacional que acena-
va para o início da retomada diplomática do país com 
Cuba e o possível fim do embargo econômico que vigo-
ra desde a década de 1960.
A condição para a retomada diplomática estava 
na troca de presos políticos acusados de espionagem, 
tanto Cuba como Estados Unidos deveriam liberar seus 
presos para seus respectivos países. Feito isso, os ame-
ricanos se comprometeriam em reabrir a embaixada 
cubana nos estados unidos.
A reabertura da embaixada cubana em solo es-
tadunidense, marcou o início da aproximação entre os 
dois países. Sobre o assunto, o presidente Raúl Castro 
declarou: "Acertamos o reestabelecimento das relações 
diplomáticas. Isto não quer dizer que o principal tenha 
sido resolvido: o bloqueio econômico" .
O futuro Incerto das relações 
entre Cuba e Estados Unidos
6
Se durante o governo de Barack Obama a aproximação com a ilha cubana parecia possível, no atual governo de 
Donald Trump, eleito em 6 de novembro de 2016, o futuro é incerto.
As primeiras declarações do controverso presidente americano apontavam para um eventual rompimento 
nas relações da aproximação entre os países, contudo, a tática do novo presidente parece ser a de dificultar o 
turismo estadunidense, o que deve gerar um grande impacto na economia cubana.
O certo é que as relações entre Cuba e Estados Unidos ainda estão sendo traçadas pela nova gestão do país.
bibliografia
Oglobo.globo.com
Istoe.com.br
redelatinamerica.cartacapital.com 
Brasil.elpais.com