A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
159 pág.
A Roupa, a Moda e a Mulher na Europa Ocidental

Pré-visualização | Página 37 de 39

os Padres: Damas do século XII. São Paulo: Companhia das Letras, 
2001. 
 
ECO, Umberto. História da Beleza. Rio de Janeiro, São Paulo: Editora Record, 2004. 
 
ERNER, Guillaume. Vítimas da Moda? Como a criamos, por que a seguimos. São Paulo: 
Editora Senac São Paulo, 2005. 
 
FONTANEL, Béatrice. Support and seduction: a history of corsets and bras. New York: 
Abradale Press, 2001. 
 
FRUTIGER, Adrian. Sinais e símbolos. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 
 
GOMBRICH, E. H. História da arte. São Paulo: Zahar Editora, 1972. 
 
HARVEY, John. Homens de preto. São Paulo: Fundação da Editora da UNESP, 2001. 
 
HAUSER, Arnold. História da literatura e da arte. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1982. 
 
HILL, Margot Hamilton; BUCKNELL, Peter. The Evolution of Fashion: Pattern and cut 
from 1066 to 1930. London: Batsford, 2004. 
 
JANSON, H. W.; JANSON, Anthony E. Iniciação à História da Arte. São Paulo: Martins 
Fontes, 1971. 
 
JONES, Sue Jenkyn. Fashion Design. Manual do estilista. São Paulo: Cosac Naify, 2005. 
 
KÖHLER, Carl. História do Vestuário, 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 
 
LAMAISON, Pierre. Atlas de la civilization occidentale: généalogie de l’Europe. Paris: 
France Loisirs, 1995. 
 
LAVER, James. A Roupa e a Moda. Uma história concisa. São Paulo: Companhia das Letras, 
1989. 
 
LE GOFF, Jaques. História e memória. São Paulo: Editora Unicamp, 2003. 
_______________ A civilização do Ocidente Medieval. São Paulo: EDUSC, 2005. 
_______________ Em busca da Idade Média. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 
 
LEITE, Adriana Sampaio; VELLOSO, Marta Delgado. Desenho Técnico de Roupa Feminina. 
Rio de janeiro: Editora Senac Nacional, 2004. 
 
LIPOVETSKY, Gilles. A terceira mulher: permanência e revolução do feminino. São Paulo: 
Companhia das Letras, 2000. 
__________________ O Império do Efêmero: a moda e seu destino nas sociedades 
modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 
 149
LIPOVETSKY, Gilles; ROUX, Elyette. O Eterno Luxo: da idade do sagrado ao tempo das 
marcas. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. 
 
MANCHESTER, William. Fogo sobre a Terra. A mentalidade medieval e o Renascimento. 
Rio de Janeiro: Ediouro Publicações, 2003. 
 
MCDERMOTT, Catherine. C. 20th DESIGN. Design Museum. London: Carlton Books 
Limited, 1997. 
 
MELLO E SOUZA, Gilda de. O Espírito das Roupas. A moda no século dezenove. São Paulo: 
Companhia das Letras, 2001. 
 
MIRKIN, Toby Fisher. O código do vestir: os significados ocultos da moda. Rio de Janeiro: 
Editora Rocco, 2001. 
 
MOUTINHO, Maria Rita; GONÇALVES, Maria Helena Barreto; KRITZ, Sonia. A Moda no 
século XX. São Paulo: Editora Senac, 2001. 
 
NAKAO, Jum. A costura do invisível. São Paulo, Editora Senac, 2005. 
 
NÉRET, Gilles. 1000 Dessous: A History of Lingerie. London: Taschen, 1998. 
 
OATES, Phyllis Bennet.História do Mobiliário Ocidental. Lisboa: Editorial Presença, 1991. 
 
O´HARA, Georgina. Enciclopédia da Moda. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. 
 
PILOSU, M. A Mulher, a Luxúria e a Igreja na Idade Média. Lisboa: Estampa, 1995. 
 
PLANCHÉ, James Robinson. An Illustrated Dictionary of History Costume: from the first 
century B.C. to C. 1760. New York: Dover Publications, 2002. 
 
POIRIER, Jean. História dos Costumes. O homem e o objeto. Lisboa: Editora Estampa, 1999. 
 
RIGUEIRAL, Carlotas; RIGUEIRAL, Flávio. Design & Moda: como agregar valor e 
diferenciar sua confecção. São Paulo: IPT- Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 2002. 
 
ROSSETI, Ana. Roupas Íntimas, o tecido da sedução. São Paulo: Martins Fontes,1995. 
 
ROUSSEAU, René-Lucien. A linguagem das cores. São Paulo, 1995. 
 
SEELING, Charlotte. Moda. O século dos estilistas, 1900-1999. Italy : Könemann, 2000. 
 
STEELE, Valerie. Fetiche. Moda, sexo e poder. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1995. 
______________. The Corset. A cultural history. London: Yale University Press, New Haven 
& London, 2004. 
 
YALOM, Marilyn. A história da esposa: da Virgem Maria a Madonna: o papel da mulher 
dos tempos bíblicos até hoje. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. 
 
 150
Léxico 
 
Abrigo masculino para cabeça: capuz com liripipe* comprido; capuz com borda adornada 
em volta da cabeça como um turbante* e amarado com o liripipe*. 1380 
 
Acastelado: ornato que imitava as ameias dos castelos na época medieval. O formado 
acastelado foi aplicado em punhos, golas, etc. 
 
Adorno borboleta: estrutura presa a um pequeno chapéu* ou touca que escondia os cabelos. 
Ficava alta na cabeça e servia de apoio a um véu diáfano* com a forma das asas de uma 
borboleta. Foi uma moda muito popular até aproximadamente 1485. 
 
Adorno corniforme: em forma de chifres de uma vaca (1410). 
 
Adorno hennin* ou campanário: foi muito usado na França. Na Inglaterra, cone estilizado, 
"vaso de plantas". 
 
Adorno nébula: véu pregueado, feito de um semicírculo de linho emoldurando o rosto, Às 
vezes tinha várias camadas, lembrando o rufo* da segunda metade do século XVI, exceto no 
fato de, evidentemente, não ser usado ao redor do pescoço, mas em volta do rosto. 
 
Adorno turbante: feito em formato de turbante*, estofado com tecido precioso, com a coifa* 
bordada, apresentando um formato rígido e muitas vezes usado com um véu transparente. 
 
Aglet: assim denominada a forma de atar o gipon* ou doublet* a uma basque ou a uma parte, 
enlaçando alças em buracos feitos de ambas as partes. Foi usada por homens e mulheres no 
século XVI e XVII. 
 
Aguilhó: antigo toucado feminino. 
 
Anágua [do esp., enaguas]: antes da Idade Média era assim chamado um colete acolchoado 
com comprimento até o quadril usado pelos homens. Na Idade Média foi usado pelas 
mulheres e logo substituído pela camisa íntima, que era mais leve e feita de cambraia. 
 151
Chamada de petitcoalt desde o século XVI a anágua* passou a ser a saia de baixo, 
confeccionada com ricos tecidos, para ser visto através da fenda frontal dos amplos vestidos. 
 
Anel: aro de osso, madeira ou, geralmente de metal nobre, usado no dedo como adorno ou 
distinção de dignidade, profissão, estado civil, etc. Guarnecido de pedras preciosas. 
 
Anquinhas: armação* de arame com que se alteava a saia das mulheres na altura do quadril 
(altura das ancas). 
 
Armação: guarnição de arame ou fio maleável, uma, dupla ou tripla, com formato cilíndrico, 
ou cilindro cônico, usada por baixo das roupas para dar volumes as ancas ou no derrière 
(traseiro) ou a saia toda. Usada desde o final do século XV era também chamada verdingale 
(saiote armado) ou farthingale. 
 
Armadura: invólucros de parte do corpo feito de peças metálicas unidas articuladas entre si, 
usado pelos guerreiros da Antigüidade e sobretudo da Idade Média. 
 
Arminho: pele macia e muito alva dum mamífero em extinção, das regiões polares. Essa pele 
foi muito usada em punhos, golas, foros e bainhas das vestimentas dos reis. 
 
Aro: os aros foram usados sempre para prender ou adornar. Grandes aros foram usados como 
armação* das saias vertugado na Espanha do século XV. 
 
Banda: tira presa em volta da testa ou do queixo. Na Idade Média era chamada de 
chimbande, usada para prender toucados. 
 
Barbette: véu cortado em formato oval ou circular, que cobria a cabeça feminina no século 
XVIII na França. Era confeccionado normalmente em tecido fino, que caia num serpentear 
pelas laterais do rosto, contornando-o e moldurando-o. Era uma faixa de linho passada sob o 
queixo e puxada sobre as têmporas. 
 
Barrete: espécie de boné sem pala. Tipo de chapéu* quadrado com quatro bicos, partindo do 
centro, foi usado originalmente por membros da Igreja Católica, padres e bispos. 
 152
Beca: vesti talar (até o calcanhar) preta usada por funcionários do judiciário e magistrados.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.