Aula_3_introdução de estudo ambiental
16 pág.

Aula_3_introdução de estudo ambiental


DisciplinaGestão da Produção Industrial2.808 materiais9.912 seguidores
Pré-visualização3 páginas
CIÊNCIAS DO AMBIENTE E 
SUSTENTABILIDADE 
AULA 3 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Prof.ª Cristiane Lourencetti Burmester 
 
 
2 
CONVERSA INICIAL 
Olá! Seja bem-vindo(a) a esta aula, na qual abordaremos a poluição da 
água, do solo, do ar e sonora. Veremos também como a poluição atinge e 
provoca danos sobre a água, o solo e o ar. 
TEMA 1 \u2013 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA POLUIÇÃO AMBIENTAL (CICLO DA 
POLUIÇÃO E MAIORES POLUENTES) 
A poluição ocorre quando o meio ambiente fica contaminado por diversas 
substâncias e situações \u2013 popularmente, diz-se o \u201clixo\u201d que polui. Entre as 
principais formas de poluição estão a da água, do solo, do ar e sonora. 
Pela Política Nacional do Meio Ambiente (Lei nº 6.938/81) tem-se como 
poluição \u201ca degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que 
direta ou indiretamente: 
a) Prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população; 
b) Criem condições adversas às atividades sociais e econômicas; 
c) Afetem desfavoravelmente a biota; 
d) Afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente; 
e) Lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais 
estabelecidos\u201d. 
A poluição agride desde a contaminação da água, do solo, a retirada de 
florestas e até a poluição atmosférica, que envolvem tudo o que está a sua volta 
\u2013 uma verdadeira degradação ambiental. Preservar a vida e seus recursos 
naturais para a sobrevivência é uma tarefa difícil e requer vários setores 
envolvidos, principalmente na Era Moderna, após a Revolução Industrial somada 
ao avanço da urbanização. Em 2013, durante um evento da Organização das 
Nações Unidas (ONU-Habitat), a chamada já estampava o seguinte: \u201cONU: mais 
de 70% da população mundial viverá em cidades até 2050\u201d. 
Assim, a influência da população nas cidades acarreta uma superpoluição 
aos centros urbanos e um certo desequilíbrio ao meio ambiente por não 
comportar tanta tecnologia às questões ambientais, que estão em constante 
mutação. Veja a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
(IBGE), publicado em Diário Oficial em 2019: 17 municípios possuem população 
 
 
3 
superior a um milhão de habitantes e concentram 21,9% da população do país 
(46,08 milhões). Dos 17, 14 são capitais. Veja a lista a seguir: 
1. São Paulo: 12.252.023 
2. Rio de Janeiro: 6.718.903 
3. Brasília: 3.015.268 
4. Salvador:2.872.347 
5. Fortaleza: 2.669.342 
6. Belo Horizonte: 2.512.070 
7. Manaus: 2.182.763 
8. Curitiba: 1.933.105 
9. Recife: 1.645.727 
10. Goiânia: 1.516.113 
11. Belém: 1.492.745 
12. Porto Alegre: 1.483.771 
13. Guarulhos (SP): 1.379.182 
14. Campinas (SP): 1.204.073 
15. São Luís: 1.101.884 
16. São Gonçalo (RJ): 1.084.839 
17. Maceió: 1.018.948 
Com a Revolução Industrial, alguns estudiosos relacionam ao termo 
Revolução Ambiental, que é a degradação do meio ambiente crescente e 
desenfreada durante os Séculos XIX e XX, quando acelerou a poluição 
atmosférica, a contaminação da água e do solo, retirada de florestas etc., o que 
tornou uma incógnita as previsões futuras para a vida no planeta (Figura 1). 
Figura 1 \u2013 A Era Moderna após Revolução Industrial e Ambiental 
 
Créditos: Jeff Zehnder/Shutterstock. 
 
 
4 
Conforme publicação no site Mundo Educação, por Wagner de Cerqueira 
e Francisco, surge também a expressão Revolução Verde, criada em 1966, em 
uma conferência em Washington, por William Gown, que disse a um pequeno 
grupo de pessoas interessadas no desenvolvimento dos países com déficit de 
alimentos \u201cé a Revolução Verde, feita à base de tecnologia, e não do sofrimento 
do povo\u201d. \u201cRevolução verde \u2013 um jeito capitalista de dominar a agricultura.\u201d 
(Zamberlam; Fronchet, 2001, p. 13). 
No site Educação.Globo, Roberta das Neves apresenta a listagem com 
os principais gases altamente tóxicos que são o óxido de enxofre, óxido de 
nitrogênio, monóxido de carbono, compostos orgânicos voláteis (como o metano 
e o xileno) e partículas finas ou inaláveis (por exemplo, fuligem, poeira, fumaça, 
dentre outros). Assim, os riscos por esses poluentes vão desde a escassez de 
recursos naturais até as mais variadas doenças, como as respiratórias que se 
agravaram após a Revolução ou com a Era Moderna. E, para o meio ambiente, 
os maiores prejuízos são a inversão térmica, chuva ácida, ilha de calor, 
destruição da camada de ozônio e o efeito estufa. 
A classificação da poluição ambiental apresenta-se quanto à origem 
(natural e artificial), localização (atmosférica, hídrica e edáfica), forma (química, 
térmica, orgânica e radioativa) e aspecto econômico (miséria e tecnológica). 
Na atualidade apontam-se dois conceitos para a avaliação da poluição 
ambiental, que são o indicador de poluição (calcular o nível de poluição) e o 
padrão de qualidade ambiental (check-up da poluição). Segundo dados do 
Painel de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), as atividades humanas têm 
provocado uma maior concentração de gases causadores do efeito estufa, 
intensificando o problema do aquecimento global. 
Pelo Relatório de Desenvolvimento Humano apresentado pela 
Organização das Nações Unidas (ONU), o mundo pode viver uma \u201cCatástrofe 
Ambiental\u201d em 2050, levando em conta o Índice de Desenvolvimento Humano 
(IDH) e os números apresentados de pessoas vivendo em extrema pobreza 
decorrente dos problemas ambientais, e, ainda, apontando as mudanças 
climáticas e pressões, desastres naturais, desafios mundiais, acordos e 
investimentos. 
Na atualidade, vamos salientar uma visão sistêmica e de gestão 
ambiental, integrando o homem com o meio ambiente, da produção em que se 
respeita a limitação ambiental, a extração de recursos considerando que são 
 
 
5 
escassos, e que as ações humanas podem alterar o equilíbrio ecológico. Assim, 
busca-se a sustentabilidade socioeconômica, e o novo gerenciamento 
organizacional é ambiental. 
Saiba mais 
Vale a leitura - Alguns autores mencionam o livro Primavera Silenciosa 
(1962), de Rachel Carson, como percursor das análises e debates ambientais 
em âmbito internacional. 
TEMA 2 \u2013 POLUIÇÃO DA ÁGUA 
A água é um recurso natural renovável, mas, pode se tornar escassa, 
principalmente a potável, que é a própria para o consumo. Assim, que a água é 
essencial para a vida já se sabe e que os recursos hídricos são limitados 
também, e como manter a qualidade da água ideal ou própria para consumo? A 
Agência Nacional de Águas (ANA) divulgou em 2019 uma pesquisa sobre a 
conjuntura dos recursos hídricos, que aponta que o Brasil é detentor de 12% da 
oferta de água do planeta, porém, apenas 4% é considera de ótima qualidade. 
Segundo aponta-se, o governo vem executando programas em saneamento 
básico com o objetivo de tentar minimizar e/ou zerar a poluição das fontes 
hídricas, mas, mesmo assim, ainda metade das cidades brasileiras não 
apresentam sistemas de tratamento de esgoto. 
A utilização inadequada e a poluição, por exemplo, são ainda mais 
prejudiciais a esses recursos hídricos tão essenciais à vida, assim como outros 
fatores causados após a Revolução Industrial. A África, a Ásia Central e o 
Oriente Médio são alguns dos continentes mais atingidos pela falta de água. 
Legislação oficial - No Brasil, o domínio das águas doces e marítimas 
apresenta-se na Constituição Federal (1988), e existe uma Política Nacional do 
Meio Ambiente baseada na Lei nº 6.938/81, \u201cque entende como princípio a 
racionalização do uso da água\u201d; e a Resolução CONAMA nº. 20 (18/6/86), \u201cque 
constitui normas e padrões para a qualidade das águas e o lançamento nos 
corpos de água\u201d. 
A poluição hídrica é um problema socioambiental decorrente em especial 
da deposição inapropriada de rejeitos acrescidos do sistema de esgoto e 
saneamento \u2013 ou seja, forma-se um desequilíbrio ambiental consecutivo da 
contaminação. 
 
 
6 
São muitos os poluentes para a vida e que também interferem na água, 
podemos citar alguns (Figura 2): papel, nylon, pano, plástico,