EBOOK - guia para dentistas DTM
37 pág.

EBOOK - guia para dentistas DTM


DisciplinaBiologia Celular27.012 materiais909.511 seguidores
Pré-visualização4 páginas
1
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
2
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
Olá,
sou Victor Ferzeli,
cirurgião dentista, 
especialista em DTM 
e Dores Orofaciais.
Copyright © 2019 por Victor Ferzeli
Diagramado por Vinícius N. Ferzeli
Com esse ebook, voce\u302 (em 
qualquer especialidade) tera\u301 
mais confianc\u327a na hora de 
avaliar pacientes com DTM. 
Vai estar mais preparado para 
abordar esse tipo de situac\u327ão 
para saber explicar ao paciente 
esses sintomas.
3
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
Conteúdo
O que é ATM?
O que é DTM?
Por que saber identificar uma DTM?
Sinais e sintomas da DTM
Questionário
Prováveis causas dos sintomas
Exames de imagem da ATM
Tratamentos
Tratamento ortodôntico e a DTM
01
02
03
04
05
06
07
08
09
4
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
O que é a ATM?
Uma articulação situada a frente do ouvi-
do de ambos os lados, que você percebe 
seu movimento ao tocar com seus dedos 
indicadores, fazendo qualquer movimento 
com sua boca na abertura ou simule uma 
mastigação e sinta.
Ela é responsável pelos movimentos bu-
cais, desde pequenos até abertura total, 
passando por movimentos de lateralidade 
quando numa mastigação, por exemplo.
 
Encontra-se dentro de uma cápsula, pos-
suindo diversas estruturas internas: A de-
pressão, concavidade ou loja onde ela tra-
balha, denomina-se de fossa mandibular 
(fm) a frente do conduto auditivo (ca) ou 
ouvido.
Articulação
Temporomandibular
[1]
[2]
5
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
O osso que trabalha dentro dessa fossa 
chama-se Côndilo (CO), parte mais alta 
da mandíbula que irá se movimentar para 
frente e para baixo ou para frente, para bai-
xo e para dentro.
CO CO
LC
Para que essa estrutura óssea não se atri-
te com o osso da fossa, existe uma estru-
tura fibrocartilaginosa denominada de dis-
co articular (DA) que se interpõe a essas 
estruturas para facilitar os movimentos.
Existem também estruturas denominadas 
de ligamentos (LG), essas estruturas são 
limitadoras de movimentos cuja função 
evita p.ex. movimentos extensos da man-
díbula.
Todas essas estruturas ficam dentro de 
uma cápsula, chamada de ligamento cap-
sular (LC) que possui um líquido que as lu-
brificam denominado líquido sinovial.
FM
DA
CO
LG
A todo movimento de abertura bucal, es-
sas estruturas estão simultaneamente em 
concordância e em alguns movimentos, 
uma articulação trabalha mais que outra, 
daí a complexidade dessa articulação. 
Desde a fase intrauterina essa articulação 
tem seu início até a fase adulta quando 
todo o complexo está formado.
Todo esse complexo de estruturas é emol-
durado por músculos que atuam direta-
mente na movimentação da mandíbula 
e consequentemente de formas de aber-
turas bucais, exemplo: para bocejar, para 
cortar, mastigar alimentos, para engolir 
(deglutir), etc. Esses músculos devem atu-
ar normalmente sem qualquer atividade 
mais forçada caso contrário desposicio-
nam as estruturas na qual estão ligados.
Existem músculos que atuam na articula-
[4] [6]
[3]
[5]
6
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
ção de forma indireta pois ajudam a po-
sicionar melhor a cabeça para que todo 
esse conjunto \u201cfuncione\u201d corretamente, 
são os chamados músculos cérvico-cra-
niofaciais ou também chamados de mús-
culos posturais.
Eles são importantes, pois uma vez em 
hiperatividade desposicionam a cabeça e 
consequentemente a ATM e podem de-
senvolver sintomas.
Quanto aos músculos chamados elevado-
res uma atenção especial aos músculos 
temporal e masseter, pois são eles, os de 
maior sintomatologia (dor) quando em hi-
peratividade. Esse assunto é melhor abor-
dado em DTM\u201d.
TEMPORAL
MASSETER
[8]
[7]
7
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
O que é a DTM?
Uma vez você se inteirado do que é ATM 
(Articulação Temporomandibular), cabe 
explanar algumas informações sobre as 
desordens que a comprometem.
Elas podem provocar sinais e sintomas ca-
racterísticos, como:
\u2022 Dores de cabeça na região temporal (cefaleias 
primárias do tipo tensional);
\u2022 Cansaço muscular na região do músculo mas-
seter
\u2022 Dor de fundo de olho;
\u2022 Dores no pescoço, nuca, ombros;
\u2022 Dores na região do ouvido;
\u2022 Coceira, além de maior produção de cera no 
ouvido;
\u2022 Pressão e diminuição na audição (barohipoa-
cusia);
\u2022 Zumbido em um ou nos dois ouvidos;
\u2022 Vertigem;
\u2022 Estalos nas articulações;
\u2022 Desvios ou limitação de abertura bucal;
Disfunção/Desordem 
Temporomandibular
Esses sinais e sintomas acima citados po-
dem ter características de Desordens Mus-
culares e/ou Articulares.
Desordens Musculares
Afetam os músculos que fazem parte do 
complexo cabeça-pescoço normalmente 
por hiperatividade, ou seja, usar muitos os 
músculos além do seu limite (ex.: chicletes, 
ou bruxismo em vigília, etc.) ou de forma 
inadequada (ex.: postura errada à frente do 
computador no seu uso estendido, dormir 
sempre sobre o mesmo lado, apoiar a ca-
beça com as mãos, etc.)
A etiologia ou causa, são várias por isso 
diz-se multifatorial. Descrevem-se aqui 
as mais comuns: Emocional que desen-
cadeiam hábitos parafuncionais, e como 
fatores pré-disponentes: Postural, Oclusal 
(mordida) e estrutural (anatômica).
8
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
Em muitas pesquisas observam-se como 
uma das mais frequentes, algum tipo de 
alteração emocional. Normalmente pa-
cientes muito perfeccionistas, altamente 
irritados, com alteração no sono (intran-
quilo), com ansiedade, com depressão ou 
tendência a mesma, ou passando por pro-
blemas emocionais em casa ou no traba-
lho. Observam-se também, muitos jovens 
em fase de concursos (vestibular, etc.) com 
muitas Desordens da ATM, normalmen-
te são pacientes que desenvolvem hábi-
tos parafuncionais como: mordiscar lápis, 
tampa de caneta, roer unha (onicofagia), 
mascar chicletes. Outras questões impor-
tantes são erros posturais (frente a tela de 
computadores por longo período de forma 
incorreta), além de dormir sempre do mes-
mo lado debruçado em cima das mãos. 
Abre-se aqui um parêntese importante so-
bre os hábitos tão nocivos quanto aos aci-
ma citados, são eles: bruxismo excêntrico 
- ato de ranger os dentes friccionando (ran-
gendo) os superiores contra os inferiores. 
Outro é o bruxismo cêntrico - ato de pres-
sionar os dentes superiores e inferiores en-
tre si de forma cêntrica, sem movimentos, 
apenas apertando-os, situação essa muito 
comum em momentos de estresse emo-
cional e tensão.
[9]
9
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
Por que saber 
identificar?
Hoje o estilo de vida está cada vez mais 
estressante. Muitas pessoas estão sendo 
cobradas ou cobrando de si mesmas um 
estilo de vida que acaba desencadeando 
problemas como as DTMs.
Por isso, é preciso aprender e saber explicar 
para os pacientes sobre esses problemas. 
Isso é bom para ele, que não passará, em 
vão, por consultórios médicos ou odonto-
lógicos procurando a solução para suas 
dores; e para você, que terá uma oportuni-
dade de ser bem visto pelo paciente, além 
de, quem sabe, iniciar um tratamento clíni-
co conservador como eu realizo há muitos 
anos.
Voce\u302 precisa estar atento aos pacientes que 
estão chegando, cada vez mais, nas cli\u301nicas 
odontolo\u301gicas com problemas relacionados 
a\u300s Desordens da ATM.
\u201coportunidade de ser 
bem visto pelo paciente 
e, até, de iniciar um 
tratamento cli\u301nico\u201d 
Hoje a falta de profissionais que entendem 
e tratam as Disfunções da ATM abre um 
leque de oportunidades, inclusive financei-
ras para os profissionais que cuidam des-
ses problemas, principalmente cirurgiões-
-dentistas e fisioterapeutas.
10
Guia DTM - Para dentistas e acadêmicos VICTORFERZELI
Duas palavras que a\u300s vezes, 
se referem ao mesmo to\u301pico, 
mas ha\u301 diferenças.
Um sinal é aquilo que é percebido por ou-
tra pessoa (profissional ou próximos do 
paciente) sem a comunicação
do paciente. 
Já um sintoma é a queixa vinda do próprio 
paciente, que