A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
APOSTILA GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA (G

Pré-visualização | Página 2 de 10

fetal. 
- Por isso há um ↑ produção de calcitonina para maior absorção de cálcio pro feto. 
- Na lactente as demandas são ainda maiores devido alto teor de cálcio no leite materno 
que deve suprir as necessidades do recém-nascido. 
- A HEMODILUIÇÃO diminui a albumina no sangue → (que se liga a 50% do cálcio total) 
- Essas alterações levam a um decréscimo de cálcio 
total, porém não altera o cálcio iônico - Dessa forma 
não é necessário reposição, apenas em casos 
específicos (adolescente, intervalo entre partos curtos, 
gemelidade...) 
 
 Hipófise aumenta por hiperplasia e hipertrofia de 
lactótrofos, estimulados pelo estrogênio 
- Sem maiores complicações caso gestação seja 
tranquilo, porém, se ocorrer sangramento ou isquemia 
na glândula pode levar a falência 
(SÍNDROME DE SHEEHAN→ Dificuldade ou 
impossibilidade de amamentar; fadiga; amnorréia; 
perda de pelos pubianos/axilares; hipotensão; 
raciocínio lento, dificuldade de manter a temperatura 
e ganho de peso → consequência do hipotireoidismo) 
 
❖ SISTEMA DIGESTÓRIO 
 
 Resistência a leptina (hormônio da saciedade) → ↑fome 
 Alterações na secreção de ADH (diminui limiar) → ↑sede 
 Náuseas e vômitos (+ no 1º trimestre) e Sialorreia (↑secreção salivar) 
 Desvio do estômago e apêndice para ↑ e → e intestino para ← 
 Compressão do estomago pelo útero (pode gerar hérnia de hiato temporária) 
 Gengivite gestacional (sangramento) e ↓ pH da boca (pode dar ↑cáries) 
 Pirose (refluxo) → perda do tônus do esfíncter esofágico inferior 
 Relaxamento dos músculos liso do TGI (progesterona) → OBSTIPAÇÃO → reduz tempo de 
esvaziamento, motilidade e secreção gástrica (maior tempo de absorver nutrientes) 
 Pica ou malacia → desejos estranhos como vontade de comer sabão, carvão... 
HIPÓFISE TIREOIDE PARATIREOIDE OVÁRIO ADRENAIS 
- ↑ prolactina 
- ↑GH (2º tri) 
- ↑ ACTH 
- ↑ MSH 
- ↑ Ocitocina (parto) 
- ADH (nível mantido, 
mas com ↓ limiar 
para liberação) 
- ↓ TSH (1º tri, 2/3º 
normaliza) 
- ↓ FSH e LH 
 
- ↑ T3 e T4 total 
- ↑ T4 livre 
(normaliza 2/3º) 
- ↑ Calcitonina 
- PTH (↓1º tri, platô, 
↑ discreto 3º tri) 
 
- ↑ Progesterona 
- ↑ Estrógeno 
- ↑ Andrógenos 
- ↑ Relaxina 
- ↑ Cortisol 
- ↑ Aldosterona 
- Andrógenos 
(↓ DHEA-S e 
↑androstenediona 
e testosterona) 
VICTORIA CHAGAS 
❖ METABOLISMO 
 
 
 Redução da sensibilidade à insulina é um fenômeno materno → + evidente >26ª semana 
- Devido a isso, nesse momento qualquer desequilíbrio no metabolismo de carboidratos 
pode levar a DIABETES MELLITUS GESTACIONAL, em especial se a oferta de glicose no sangue 
ultrapassar a capacidade pancreática de produção de insulina 
- Participam desse processo o hLP, prolactina, TNF, peltina e adiponectina. 
- Sensibilidade periférica a insulina reduz de 40-70% na gestação 
 
 Lipídeos → ↑ do colesterol total e suas frações 
- Tecido adiposo produz família de proteínas (ADIPOCINAS – leptina e adiponectina) que 
estão envolvidas no metabolismo lipídico, no centro regulador de saciedade, na 
sensibilidade à insulina e em processos inflamatórios e cardiovasculares. 
- Na gestação a leptina está em maior quantidade (produz saciedade), entretanto apetite 
é maior na gravidez pois desenvolvem uma resistência a leptina 
- A adiponectina está menor na gestação o que contribui para resistência insulínica 
- Aumenta da lipase no 3º trimestre (gordura reduz) para deixar glicose pro feto. 
 
 PROTEÍNAS → aumento do balanço nitrogenado materno 
- Metade desse acúmulo é direcionado ao feto e seus anexos e a outra metade supre 
necessidades da musculatura uterina hipertrofiada, desenvolvimento mamário, 
hipervolemia e hipertrofia dos eritrócitos. 
- Relacionado ao melhor aproveitamento dietético e menor taxa de excreção 
- Insulina tem importante função no armazenamento dos aminoácidos 
- Aumento da albumina total e redução de sua concentração plasmática (devido 
necessidade maior de usar os AAs) 
- ↑ Níveis de gamaglobulina→ ↑relação albumina-globulina 
 
 
 ÁGUA → aumento da retenção hídrica pela queda da 
osmolalidade plasmática induzida pelas alterações dos limiares 
de sede e secreção de vasopressina. 
- Maioria das gestantes se observa edema com cacifo nos 
tornozelos/membros inferiores 
 
 
ANABOLISMO MATERNO 
(1-24ª SEMANA) 
 
CATABOLISMO MATERNO E ANABOLISMO 
FETAL (24-40ª SEMANA) 
- Aporte energético é direcionado para 
reservas maternas 
- ↓ glicemia em jejum e glicemia basal em 
favor do armazenamento de gordura 
- ↑ Glicogênese hepática e transferência de 
glicose para feto 
- Mobilização de reserva materna para o feto 
- ↑ Lipólise, neoglicogênese e resistência 
periférica a insulina 
- Ambiente de hiperglicemia → satisfazer 
necessidade do feto no 3º tri, favorecendo 
transporte de glicose pela placenta. 
- 92 EM JEJUM → acima é diabete 
- Utiliza mais lipídeo como fonte energética 
para deixar glicose para o feto 
- Estado de jejum acelerado → em jejum 
prolongado concentrações de ac. Graxos, 
triglicerídeos e colesterol aumenta e pode 
causar cetonemia mais facilmente 
 
VICTORIA CHAGAS 
 GANHO DE PESO: decorre em grande parte do acúmulo de componente hídrico intra e 
extravascular e em menor proporção de componentes energéticos e estruturais. 
- Se distribui de forma proporcionalmente diferente 
- Necessidade calórica total → 80.000 kcal (demanda difere de acordo com trimestre) 
o 1ª trimestre → 85 kcal/dia adicional 
o 2º trimestre → 285 kcal/dia adicional 
o 3º trimestre → 475 kcal/dia adicional 
 
 
 
 
 
 
❖ PELE E ANEXOS 
 
 Produção placentária de estrógenos leva a angiogênese e vasodilatação periférica. 
 Nisso pode ocorrer: Eritema palmar (manchas vermelhas na mão), telangiectasias 
(aranhas vasculares), hipertricose (aumento de pelos), ↑sudorese 
 Pode ocorrer alopecia (alterações hormonais) 
 Hiperpigmentação (↑progesterona → ↑melanina) pode causar cloasmas ou melasmas. 
 Linha nigra → hiperpigmentação da projeção cutânea da linha alba 
 Distensão do músculo abdominal reto (diástase) 
 Estrias → aumento do cortisol causa ↓hidratação 
- relacionado ao histórico familiar e ganho de peso excessivo 
 
 
❖ MAMAS 
 
 Sinal de Hunter → aumento da pigmentação dos 
mamilos, que torna seus limites imprecisos 
 Doloridas nas primeiras semanas devido ao aumento 
de estrogênio e progesterona e crescimento dos 
ductos mamários – MASTALGIA 
 
 Glândulas de 
Montgomery 
(glândulas sebáceas 
hipertrofiadas) 
 
 Rede de Haller → hipervascularização visível 
VICTORIA CHAGAS 
❖ SISTEMA ESQUELÉTICO 
 
 Relaxamento das articulações com acúmulo de líquido 
(embebição gravídica) 
 
 Aumento da elasticidade das articulações da bacia óssea 
(ação da relaxina – até 2 cm) 
 
 Ligamentos mais frouxos e complacentes ao movimento 
 
 Mudança do centro de gravidade (↑volume abdominal) 
 
 Lordose fisiológica (devido peso) - afastamento dos pés e 
diminuição dos passos (marcha anserina/pato) 
 
❖ SISTEMA RESPIRATÓRIO 
 
 Ingurgitamento e edema da mucosa oral → obstrução, sangramento e rinite 
 Edema na laringe e faringe 
 Elevação do diafragma em 4cm → ↓amplitude do movimento 
 Aumento da caixa torácica 
 ↑ do volume corrente; ↓ da reserva 
expiratória e preservação da inspiratória 
→ não altera capacidade vital 
 Sem alteração significativa na frequência 
respiratória, mas a respiração fica mais 
longa 
 
 Hiperventilação → 
 ↑ do volume corrente 
→ ↓pCo2 (alcalose)→ 
facilita excreção fetal 
 
 Efeito Bohr → oxigênio 
tem mais avidez pela 
hemácia fetal 
 
 Progesterona tem efeito 
na musculatura lisa dos 
brônquios → facilidade 
da movimentação do 
ar nas estruturas 
brônquicas e alveolares 
 
 Alterações causam 
sensação de DISPNEIA 
 
 
 
 
VICTORIA CHAGAS 
❖ SISTEMA URINÁRIO 
 
 Aumento de 1 cm do diâmetro dos rins 
 Elevação do TFG (50-80%) → ↑ volemia