A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
APOSTILA GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA (G

Pré-visualização | Página 5 de 10

RELATIVAS PARA CESÁREA 
- Impossibilidade de ficar em posição de litotomia 
- Feto pélvico (se não mudar de posição até a 39ª semana) 
- Feto prematuro extremo 
- Feto com mal formação em SNC como hidrocefalia 
- Macrossomia fetal 
- Câncer de colo de útero com lesão 
- Gestação gemelar – se o primeiro tem a apresentação pélvica 
VICTORIA CHAGAS 
❖ FÓRCIPE 
 
 Instrumento que auxilia extração fetal por preensão do ponto cefálico 
 Pode ser usado para fazer a rotação do feto 
 
 INDICAÇÕES 
- Maternas: doença cardíaca; comprometimento pulmonar; infecção amniótica; 
comprometimento neurológico; exaustão; falha de progressão após período de espera 
- Fetais: todas as que causam sofrimento fetal; cabeça insinuada cefálica 
 
 COMPLICAÇÕES: episotomia, laceração, incontinência urinal e fecal. No feto pode ter 
lesões agudas (hematoma, hemorragia, 
retina, maior incidência de icterícia). 
 
❖ VÁCUO EXTRATOR 
 
 INDICAÇÕES: trabalho de parto 
prolongado, sofrimento fetal, 
encurtamento eletivo da segunda fase do 
TP, exaustão materna. 
 
 CONTRAINDICAÇÕES: 
- Absolutas: Patologia fetal subjacente; ausência do preenchimento dos pré-requisitos 
(dilatação completa, BR); anomalias no trabalho de parto (má apresentação fetal, suspeita 
de incompatibilidade feto-pélvica); idade gestacional inferior a 34 semanas 
- Relativas: Suspeita de macrossomia fetal (acima de 4 kg); incerteza da posição e 
apresentação fetal; analgesia inadequadas. 
 
EXERCÍCIO FÍSICO NA GESTAÇÃO 
 Todas as mulheres sem contraindicações devem ser instruídas a praticarem exercícios 
aeróbicos, de resistência muscular e alongamento. 
 Escolher atividades com pouca chance de trauma ou perda de equilíbrio. 
 Previne ganho excessivo de peso, melhora função TGI, diminui falta de ar, alivia tensão e 
estresse, reduz cãibras musculares, inchaço e dor lombar, auxilia controle de diabetes, 
reduz risco de laceração do períneo durante parto, ajuda nas questões psicológicas da 
gravidez, facilita trabalho de parto, melhora força e controle do assoalho pélvico, melhora 
disposição, autoestima e reduz risco de incontinência urinaria durante e após parto. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
VICTORIA CHAGAS 
CONCEITOS 
 Gestação a termo: nascido a partir da 37ª semana até 41ª 
- Termo precoce → 37 a 38 semanas e 6 dias 
- Termo propriamente dito → 39 a 40 semanas + 6 dias 
- Termo tardio → 41 semanas + 6 dias 
 Gestação pós-termo: Igual ou mais de 42 semanas 
 Pré-termo: Nascimento antes da 37ª semana de gestação 
- Pré-termo tardio → 34 a 36 semanas 
 
 Duração da gestação: 38 a 42 semanas 
o 1º trimestre: até 13 semanas e 6 dias 
o 2º trimestre: de 14 semanas até 27 semanas e 6 dias 
o 3º trimestre: de 28 semanas até 42 semanas 
 
PRÉ-NATAL 
 Definição → Conjunto de exames realizados durante a gestação que possibilitam que a 
mulher faça um acompanhamento detalhado da sua saúde e do bebê. Esse cuidado 
ajuda a prevenir doenças e complicações como parto prematuro e o aborto. 
 Essas consultas são realizadas na UBS, e, depois do nascimento, o bem-estar da mulher é 
avaliado na maternidade. 
 Caso o teste de gravidez dê positivo, a gestante é cadastrada no programa de pré-natal 
da rede mãe curitibana para a realização das consultas 
 
❖ CONSULTAS PRÉ-NATAL RISCO HABITUAL 
 
 Mãe Curitibana → No mínimo de 7 consultas e uma no puerpério (total de 8) 
 A primeira consulta deve ser realizada o mais precocemente possível (até final do 3º mês) 
 Fazer a estratificação de risco 
 
 COMPONENTES: 
o Anamnese (geral e obstétrico) 
o Exame físico (geral e 
ginecológico/obstétrico) 
- Altura uterina 
- Ausculta dos batimentos fetais 
- Avaliação do peso materno 
- Exame especular 
- Exame das mamas 
 
o Preenchimento completo e legível do prontuário e da carteira da gestante 
o Preenchimento da ficha de identificação e clínica do SISPRENATAL 
o Orientação, avaliação dietética e prescrição, de acordo com a necessidade 
o Exames de rotina = divididos entre os trimestres 
o Ultrassons = respeitam a divisão das semanas 
 
 
VICTORIA CHAGAS 
❖ EXAMES 
 
o HEMOGLOBINA → verificar anemia 
o UROCULTURA → rastrear bacteinúria assintomática 
o TIREOIDE → hipo e hipertireoidismo 
 
VICTORIA CHAGAS 
o TESTE RÁPIDO DE HIV → em todos os trimestres a fim de detectar infecção 
- Objetivo de diminuir risco de transmissão vertical 
- Primeiro teste negativo → amostra não reagente e infecção excluída 
- Primeiro teste negativo, mas alta suspeita → repete em 30 dias (janela imunológica) 
- Primeiro teste positivo precisa fazer outro teste rápido → TR1 e TR2 positivos é HIV+; caso 
seja discordante fazer TR3, se negativo refazer teste em 30 dias. 
- Gestante HIV+ deve ser encaminhada para ambulatória de gestação de alto risco (fazer 
carga viral, tratamento e notificação) 
 
o TESTE RÁPIDO PARA SÍFILIS → em todos os trimestres 
- Treponêmico: dá positivo tanto se ela teve ou tem a sífilis 
- Não treponêmico: só dá positivo se ela tem sífilis atualmente 
- Gestante com sífilis deve ser encaminhada para ambulatório de gestação de alto risco 
(fazer notificação e tratamento) 
 
o PESQUISA FATOR Rh → Se a gestante tiver Rh negativo e o parceiro Rh positivo, deve-se 
solicitar o teste de Coombs indireto. Se for negativo, deve-se repeti-lo a cada 4 semanas, 
especialmente a partir da 24 semana. 
- Quando for positivo, deve-se referir a gestante ao pré-natal de alto risco. 
 
o HEPATITE B → se positivo deve ser encaminhada para ambulatório de gestação de alto risco 
 
o TOXOPLASMOSE 
- IgM e IgG -: paciente suscetível 
- IgG+ e IgM -: paciente já teve faz tempo 
- IgM + e IgG-: infecção aguda 
- IgM e IgG +: teste de avidez 
 
 
o ULTRASSONOGRAFIA → não é 
obrigatório, mas pode dar 
informações do 
desenvolvimento da gestação 
 
 
 
 
 
 
 
❖ PRIMEIRA CONSULTA 
 
 Até a 12ª semana e 6 dias 
 Pedir exames do 1º trimestre (solicitar retorno em 7 dias para avaliar resultados) 
 Orientação alimentar e acompanhamento do ganho de peso 
 Fornecer informações necessárias 
 Orientar sobre sinais de riscos e assistência em cada caso 
 Encaminhar para avaliação odontológica 
 Avaliação do calendário vacinal 
 Precisam ser avaliados e anotados na carteira da gestante: peso, altura, pressão arterial, 
avaliação de mucosas, tireoide, mamas, pulmões, coração, abdome e das extremidades. 
 Deve-se orientar sobre automedicação e remédios anteriores a gravidez e hábitos de vida 
 
 FAZER SUPLEMENTAÇÃO 
o Ácido fólico até o final da gravidez 
o Sulfato ferroso: principalmente a partir do 2° tri, mesmo sem anemia 
o Ômega 3 
VICTORIA CHAGAS 
❖ ANAMNESE COMPLETA E EXAME FÍSICO 
 
 HISTÓRIA CLÍNICA 
- Identificação, características socioeconômicas, grau de escolaridade, 
profissão/ocupação, estado civil, número e idade de dependentes (avaliar sobrecarga de 
trabalho doméstico), renda familiar, condições de moradia e saneamento, distância da 
casa a UBS, violência doméstica. 
 
 ANTECEDENTES FAMILIARES 
- Câncer de mama ou colo, diabetes, doença de Chagas, doenças congênitas, 
gemelaridade, hanseníase, hipertensão, tuberculose e parceiro portador de IST’s 
 
 ANTECEDENTES PESSOAIS 
- Alergias, aneurisma, cirurgia, câncer, cardiopatias, desvios nutricionais, doenças, 
hipertensão, portadora ou não de HIV, psicose, trauma... 
 
 ANTECEDENTES GINECOLÓGICOS 
- Ciclos menstruais, cirurgias ginecológicas, doenças pélvicas, tratamentos, malformação 
genital, mamas (alterações), miomas, último papanicolau, uso de anticoncepcionais... 
 
 SEXUALIDADE 
- Início da atividade sexual, prática sexual nessa gestação, multiplicidade de parceiros sem 
proteção ou uso incorreto... 
 
 ANTECEDENTES OBSTÉTRICOS 
- Imunização (sensibilização) Rh, complicações, idade na primeira gestação, aleitamento, 
intervalo entre gestações, mortes neonatais, abortos,