Resumo de Doenças em Clínica Médica
14 pág.

Resumo de Doenças em Clínica Médica


DisciplinaClínica Médica I6.732 materiais71.106 seguidores
Pré-visualização10 páginas
Nome: Thaila Gomes de Souza Turma: 192E Professora: Diego/Juliana
Enfermagem em Clínica Médica
DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)
É um estado de doença pulmonar no qual o fluxo de ar está obstruído, que pode ser bronquite crônica (inflamação da mucosa brônquica e acúmulo de secreção), enfisema (comprometida troca gasosa) e asma (inflamação das vias aéreas). Os sintomas são dispneia, tosse, aumento no trabalho respiratório, perda de peso, intolerância aos esforços e ruídos adventícios. O tratamento é feito com broncodilatadores, antibióticos, corticosteroides e oxigenoterapia. Os cuidados de enfermagem: monitorar SV, atentar para sinais de infecções, incentivar ingestão de líquidos, evitar ar poluído, umidificar o ambiente, oferecer dieta nutritiva, e orientar o uso de lenços de papel na eliminação de secreções.
RINITE
É a inflamação da mucosa nasal, que pode ser alérgica, que é causada por ácaro, poeira, mofo, pelo e odores, irritativa causada por fumaça de cigarro, perfumes e alimentos ou a infecciosa causada por microrganismos. Normalmente a rinite alérgica vira rinite crônica. Os sintomas são: edema da mucosa oral, obstrução nasal, congestão nasal, prurido nasal, espirros, olhos lagrimejantes, tosse e prurido na garganta. O diagnóstico é feito através de exame físico da mucosa nasal, hemograma completo na elevação de eosinófilos e por rinoscopia e o tratamento é reduzir ou eliminar a exposição aos agentes causadores da alergia e administração de anti-histamínicos, descongestionante nasal e corticosteroides.
SINUSITE
É o processo inflamatório que acomete os seios paranasais e normalmente está associado a rinite alérgica. Pode ser causada por gripes, resfriados e alergias, por bactérias ou por mudança brusca de temperatura. Os sintomas são: congestão nasal, sensação de pressão nos seios da face, presença de sangue ou pus, cefaleia, febre e calafrios, mal estar físico, acúmulo de secreção e drenagem espontânea. O diagnóstico é feito por histórico clínico, exame físico, radiografia e tomografia para ver a extensão da patologia. O tratamento é feito com vaporização para favorecer a drenagem, lavagem das narinas com SF para diminuir a congestão nasal, descongestionante, anti-histamínicos e corticosteroides tópicos, antibióticos, e orientar aumento da ingestão hídrica para fluidificar as secreções.
PNEUMONIA
É uma doença infecciosa e inflamatória que acomete as vias aéreas terminais, espaços alveolares e interstício. Pode ser de duas origens: comunitária que é adquirida na comunidade até 48h ou nasocomial adquirida no hospital após 48h de internação. Possui também dois tipos: a lobar que acomete apenas parte de um ou mais lobos e a broncopneumonia que é forma macular originada em uma ou mais áreas dentro dos brônquios e pode se estender para o parênquima pulmonar adjacente. Os sintomas são: calafrio, febre alta, dor torácica, taquipneia, roncos respiratórios, dispneia, cefaleia, pulso rápido e cheio, face ruborizada com lábios cianóticos, escarro purulento, náuseas e vômitos. O tratamento é feito com antibióticos, analgésicos, repouso e oxigenoterapia. Os cuidados de enfermagem são: encorajar ingestão de líquidos, encorajar atividade física, orientar a tosse eficaz e apoiar o tórax do paciente durante a tosse, realizar ausculta pulmonar, observar SV, e cuidados com a oxigenoterapia.
INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA (IR)
Ocorre quando o organismo não realiza adequadamente a troca gasosa, causando hipóxia. Há dois tipos o agudo e o crônica que dura meses ou anos. O diagnóstico é feito por SV, exames laboratoriais e gasometria. Os sintomas são: Aumento da FC e FR, hipóxia, desorientação, sudorese e uso da musculação acessória. O tratamento é feito por oxigenoterapia. Os cuidados de enfermagem são os cuidados com a oxigenoterapia.
EDEMA AGUDO DE PULMÃO (EAP)
É um aumento na pressão dos capilares pulmonares que leva ao extravasamento de liquido para os alvéolos, causando dispneia e incapacidade de bombeamento do VE que gera acúmulo de liquido nos pulmões. As manifestações clinicas são dispneia, tosse, taquicardia, pele cianótica, fria e úmida e inquietação e ansiedade. O tratamento é feito com morfina, diuréticos, digitálicos e oxigenoterapia. E os cuidados de enfermagem são: Elevar a cama em 45º, monitorar SV e fluxo urinário, e administração de oxigenoterapia e medicações. 
EMBOLIA PULMONAR
É uma obstrução de uma ou mais artérias pulmonares por um trombo e está associada a idade avançada, pós-operatório e imobilidade prolongada, gordura, ar, coagulo de sangue, células cancerosas. Os sintomas são: dor torácica, dispneia, febre, taquicardia, tosse e síncope. O diagnóstico é feito com: raio X do tórax, USG, TC, RM e angiografia e ECG. Pode ocorrer complicações como: hipertensão pulmonar, desgaste do coração e trombose crônica. O tratamento é feito com medicações anticoagulantes, trombolíticas e intervenção cirúrgica (embolectomia). Os cuidados de enfermagem são: realizar oxigenoterapia, monitorização por ECG, instalar CVD, observar sinais de hemorragia e atentar para melena.
ABSCESSO PULMONAR
É uma lesão necrótica localizada no parênquima pulmonar, contendo material purulento. A lesão colaba e forma uma cavidade. São causados por aspiração de material infectado do trato respiratório superior, obstrução brônquica, tuberculose, e traumatismos torácicos. Os sintomas são tosse produtiva com odor fétido, febre baixa, mal-estar geral e dor pleurítica. O tratamento é feito com antibióticoterapia, drenagem postural e fisioterapia respiratória e aspiração broncoscopia.
ATELECTASIA
É a expansão incompleta dos pulmões, pelo colabamento dos brônquios, impedindo a troca gasosa. Causada por acúmulo de secreções brônquicas nas vias aéreas inferiores, pneumotórax, hemotórax, derrame pleural e tumor intratorácico. Os sintomas são: dispneia intensa, cianose, dor torácica e prostração. O tratamento é feito com broncoscopia e remoção da causa, realizar oxigenoterapia e mudança de decúbito.
DERRAME PLEURAL
É uma coleção de líquido no espaço pleural que pode gerar pus é derivada de outras doenças, como tuberculose, pneumonia, ICC, infecções pulmonares virais e tumores neoplásicos. Os sintomas são febre, calafrios, dor torácica, dispneia, tosse, diminuição dos sons respiratórios. O diagnóstico por radiografia, ultrassonografia e exame físico. O tratamento é feito com administração de antibióticos, toracocentese e dreno torácico.
ARTERIOESCLEROSE
É uma patologia que acomete as artérias e se caracteriza por endurecimento, perda da elasticidade, espessamento e envelhecimento das paredes arteriais. As causas pode ser predisposição hereditária, os fatores de risco tensão emocional, hipertensão, obesidade, DM e fumo, também idade, sexo e raça, pois acomete mais homens brancos entre 35 e 44 anos. Os sintomas depende do órgão atingido e pode causar doenças cardíacas e cerebrovascular. O tratamento é será feito no local que ocorrer a afecção principal, e diminuir os fatores de risco.
ATEROSCLEROSE CORONARIANA
É caracterizada por uma obstrução de placa de ateroma ou trombos que diminuem o fluxo sanguíneo para o miocárdio. Existem duas classificações: Angina do Peito (Angina pectoris): é uma síndrome clínica caracterizada por uma diminuição temporária de oxigênio. Causada por distúrbios circulatórios e sanguíneos. Os sintomas são a sensação de aperto ou esmagamento, intensidade, localização, irradiação e duração, palidez, dispneia, sudorese, tonturas, palpitações e distúrbios digestivos. O diagnóstico é feito por anamnese, teste de esforço, ECG, angiografia coronariana. Os tipos são instável (a qualquer momento), estável (esforço físico) e intratável. O tratamento é medicamentos como nitroglicerina e isordil, bloqueadores beta adrenérgicos e de cálcio, dieta adequada, evitar esforços e cirurgia de revascularização do miocárdio (RVM). Infarto Agudo do Miocárdio (IAM): É conhecido como ataque cardíaco, é diminuição abrupta do fluxo sanguíneo, causada pelo estreitamento da artéria coronária e obstrução