A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
Pares cranianos e condições clínicas

Pré-visualização | Página 1 de 8

B i a n c a L o u v a i n | 1 
 
(pares cranianos) 
Os nervos cranianos são feixes de fibras sensoriais, fibras motoras ou ambas (nervos mistos). 
Por exemplo, o X nervo craniano (nervo vago) é um nervo misto que transporta ambas as fibras, 
sensoriais e motoras, para muitos órgãos internos. 
São denominados nervos cranianos porque saem através de forames ou fissuras no crânio e são 
cobertos por bainhas derivadas das meninges cranianas. Eles estão em pares. 
Existem 12 pares de nervos cranianos, que são numerados de I a XII, no sentido rostral – caudal. 
 
 
 B i a n c a L o u v a i n | 2 
 
O tronco encefálico contém diversos corpos de células nervosas, também chamadas de núcleos. 
Muitos desses núcleos estão associados à formação reticular, que são vários de neurônios 
localizados por todo o tronco encefálico. O nome reticular significa “rede” e se origina dos 
entrelaçamentos de axônios que se ramificam para cima, para as divisões superiores do 
encéfalo, e para baixo, em direção à medula espinal. 
Os núcleos do tronco encefálico estão envolvidos em muitos processos básicos, incluindo sono e 
vigília, contração muscular e reflexos de estiramento, coordenação da respiração, regulação da 
pressão arterial e modulação da dor. 
Começando na medula espinal e se deslocando para a parte superior do crânio, o tronco 
encefálico consiste no bulbo, na ponte e no mesencéfalo. 
Alguns autores incluem o cerebelo como parte do tronco encefálico. 
O quarto ventrículo, em forma de losango, percorre o interior do 
tronco encefálico e conecta-se com o canal central da medula espinal. 
• Bulbo: o bulbo contém núcleos autônomos (para funções 
involuntárias) envolvidos no controle da respiração e da pressão 
sanguínea, e na coordenação dos reflexos da deglutição, do vômito, 
da tosse e do espirro. 
• Ponte: a ponte auxilia no controle da respiração. 
• Mesencéfalo: o mesencéfalo contém áreas envolvidas no controle 
do movimento dos olhos. 
As fibras motoras são eferentes enquanto que as fibras sensitivas são aferentes. 
FIBRAS MOTORAS (EFERENTES) 
• Fibras motoras para o músculo voluntário (estriado) – são formadas pelos axônios 
motores somáticos (eferentes somáticos gerais). Quando apropriado, essas fibras são 
chamadas motoras somáticas (branquiais), referindo-se ao tecido muscular derivado dos 
arcos faríngeos no embrião (exemplo, músculos da mastigação). 
• Fibras motoras que participam da inervação de músculos involuntários (lisos) ou 
glândulas – são formadas pelos axônios motores viscerais (eferentes viscerais gerais) que 
formam o efluxo craniano da parte parassimpática da divisão autônoma do sistema nervoso. 
As fibras pré-sinápticas (pré-ganglionares) que emergem do encéfalo fazem sinapse fora do 
sistema nervoso central (SNC) em um gânglio parassimpático. As fibras pós-sinápticas (pós-
ganglionares) continuam para inervar músculos lisos e glândulas (exemplo, o músculo 
esfíncter da pupila e a glândula lacrimal). 
FIBRAS SENSITIVAS (AFERENTES) 
• Fibras que conduzem a sensibilidade geral da pele e túnicas mucosas – são 
formadas pelas fibras sensitivas gerais (aferentes somáticas gerais), conduzidas 
principalmente pelo NC V, mas também pelo NC VII, NC IX e NC X. 
Estão relacionadas ao tato, pressão, calor, frio etc. 
• Fibras que conduzem a sensibilidade das vísceras – são formadas pelas fibras 
sensitivas viscerais (aferentes viscerais gerais) que conduzem informações do glomo e do seio 
caróticos, da faringe, da laringe, da traqueia, dos brônquios, dos pulmões, do coração e do 
sistema digestório. 
• Fibras que conduzem sensações peculiares – são formadas pelas fibras sensitivas 
especiais que conduzem o paladar e o olfato (fibras aferentes viscerais especiais) e aquelas 
que servem aos sentidos especiais da visão, audição e equilíbrio (fibras aferentes somáticas 
especiais). 
 B i a n c a L o u v a i n | 3 
 
Os nervos cranianos somáticos são apenas sensitivos, outros são considerados “exclusivamente” 
motores, e vários são mistos. Algumas características essenciais: 
• O NC III, NC IV, NC VI, NC XI, NC XII e raiz motora do NC V são considerados nervos 
motores. No entanto, esses nervos também contêm um pequeno número de fibras sensitivas 
para propriocepção (percepção não visual de movimento e posição), cujos corpos celulares 
provavelmente estão localizados no núcleo mesencefálico do NC V. 
• A raiz sensitiva do NC V é exclusivamente um nervo sensitivo somático (geral). 
• Quatro nervos cranianos (NC III, NC VII, NC IX e NC X) contêm axônios parassimpáticos 
pré-ganglionares (motores viscerais) quando emergem do tronco encefálico. 
• O NC V, NC VII, NC IX e NC X são nervos mistos com componentes motores somáticos 
(branquiais) e sensitivos somáticos (gerais) e cada nervo supre derivados de um arco faríngeo 
diferente. 
• Com exceção do NC I e NC II, que incluem extensões do prosencéfalo, os núcleos dos nervos 
cranianos estão localizados no tronco encefálico. Ou seja, o NC I e o NC II não se originam 
no tronco encefálico. O NC I, nervo olfatório, é um nervo sensitivo que transmite informação 
do epitélio olfatório localizado no teto das cavidades nasais diretamente ao bulbo olfatório. 
O NC II, nervo óptico, entra no encéfalo no nível do diencéfalo. 
(NC)
 
Para lembrar os 12 pares cranianos: 
OLHA O ÔNIBUS TÃO TRANSADO, A FRENTE VERDE, GIDÃO VERMELHO. É ATÉ HOTEL! 
 
 
 B i a n c a L o u v a i n | 4 
 
(NC I)
• Função: sensitivo especial (aferente visceral especial) — isto é, o 
sentido especial do olfato, que é a percepção de odores. 
Os corpos celulares dos neurônios receptores olfatórios estão 
localizados no órgão olfatório (a parte olfatória da túnica mucosa do 
nariz ou área olfatória), que está localizado no teto da cavidade nasal e 
ao longo do septo nasal e parede medial da concha nasal superior. 
As faces basais dos neurônios receptores olfatórios bipolares da cavidade nasal de um lado dão 
origem a prolongamentos centrais reunidos em aproximadamente 20 filamentos do nervo 
olfatório, constituindo o nervo olfatório direito ou esquerdo (NC I). Eles atravessam os forames 
na lâmina cribriforme do osso etmoide, circundados pela duramáter e aracnoide-máter, e 
entram no bulbo olfatório na fossa anterior do crânio. 
O bulbo olfatório está em contato com a face inferior ou orbital do lobo frontal do hemisfério 
cerebral. As fibras do nervo olfatório fazem sinapse com células mitrais no bulbo olfatório. Os 
axônios desses neurônios secundários formam o trato olfatório. 
Observação: como já dito, os bulbos e tratos olfatórios são extensões anteriores do prosencéfalo. 
Cada trato olfatório divide-se em estrias olfatórias lateral e medial (faixas de fibras distintas). 
A estria olfatória lateral termina no córtex piriforme da parte anterior do lobo temporal e a 
estria olfatória medial projeta-se através da comissura anterior até as estruturas olfatórias 
contralaterais. 
Os nervos olfatórios são os únicos nervos cranianos que penetram diretamente no cérebro. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 B i a n c a L o u v a i n | 5 
 
 
(NC II)
• Função: sensitivo especial (aferente somático especial) — isto é, o 
sentido especial da visão. 
Os nervos ópticos são extensões anteriores pares do prosencéfalo 
(diencéfalo) e, portanto, são, na verdade, tratos de fibras do SNC 
formados por axônios de células ganglionares retinianas. Em outras 
palavras, são neurônios de terceira ordem, cujos corpos celulares estão 
localizados na retina. 
O NC II começa onde os axônios amielínicos das células ganglionares da retina perfuram a 
esclera (“parte