A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Resumão dos pares cranianos

Pré-visualização | Página 1 de 2

B i a n c a L o u v a i n | 1 
 
RESUMO COM O BASICO DOS 
(pares cranianos) 
Para lembrar os 12 pares cranianos: 
OLHA O ÔNIBUS TÃO TRANSADO, A FRENTE VERDE, GIDÃO VERMELHO. É ATÉ HOTEL! 
 
 B i a n c a L o u v a i n | 2 
 
(NC I)
Função: percepção do cheiro. 
Os nervos olfatórios (NC I) têm 
fibras sensitivas relacionadas 
com o sentido especial do olfato: 
1. Os neurônios receptores 
olfatórios estão no epitélio 
olfatório (túnica mucosa 
olfatória) no teto da cavidade 
nasal. 
2. Os prolongamentos centrais dos 
neurônios receptores olfatórios 
ascendem (sobem) através dos 
forames na lâmina cribriforme 
do etmoide para chegar aos 
bulbos olfatórios na fossa 
anterior do crânio. 
3. Esses nervos fazem sinapse em 
neurônios nos bulbos, e os 
prolongamentos desses 
neurônios acompanham os 
tratos olfatórios até as áreas 
primárias e associadas do córtex 
cerebral. 
 
 
(NC II)
Função: visão. 
Os nervos ópticos (NC II) têm fibras sensitivas 
responsáveis pelo sentido especial da visão: 
1. As fibras do nervo óptico originam-se de células 
ganglionares na retina e saem da órbita através 
dos canais ópticos. 
2. As fibras da metade nasal da retina cruzam para 
o outro lado no quiasma óptico. 
3. Depois, as fibras seguem através dos tratos 
ópticos até os corpos geniculados do tálamo, onde 
fazem sinapse em neurônios cujos processos 
formam as radiações ópticas para o córtex visual 
primário do lobo occipital. 
 
 
 B i a n c a L o u v a i n | 3 
 
(NC III).
Função: movimento dos olhos, constrição da pupila, formato do cristalino. 
Os nervos oculomotores (NC III) enviam fibras motoras somáticas para todos os músculos 
extrínsecos do bulbo do olho, exceto o oblíquo superior e o reto lateral. 
Esses nervos também enviam fibras parassimpáticas pré-ganglionares para o gânglio ciliar para 
inervação do corpo ciliar e do músculo esfíncter da pupila. 
1. Esses nervos originam-se do tronco encefálico, emergindo medialmente aos pedúnculos cerebrais, e 
seguem na parede lateral do seio cavernoso. 
2. Esses nervos entram na órbita através das fissuras orbitais superiores e dividem-se em ramos 
superiores (que supre os músculos reto superior e levantador da pálpebra superior) e inferiores 
(que supre os músculos retos inferior e medial e oblíquo inferior). 
3. A divisão inferior também conduz fibras parassimpáticas pré-ganglionares (eferentes viscerais) para 
o gânglio ciliar, onde fazem sinapses. As fibras pós-ganglionares desse gânglio seguem até o bulbo 
do olho nos nervos ciliares curtos para inervar o corpo ciliar e o músculo esfíncter da pupila. 
 
(NC IV)
Função: gira o olho para baixo. 
Os nervos trocleares (NC IV) enviam fibras motoras somáticas para os músculos oblíquos superiores, 
que abduzem, deprimem e giram medialmente a pupila. 
1. Os nervos trocleares emergem da face posterior do tronco encefálico. 
2. Após, seguem um trajeto intracraniano longo, seguindo ao redor do tronco encefálico para atravessar 
a dura-máter na margem livre do tentório do cerebelo. 
3. Em seguida, os nervos passam na parede lateral do seio cavernoso, entrando na órbita através das 
fissuras orbitais superiores. 
Observação: visualizar imagem do NC III. 
(NC VI)
Função: movimento lateral dos olhos (para a direita e esquerda). 
Os nervos abducentes (NC VI) conduzem fibras motoras somáticas para os músculos retos laterais 
dos bulbos dos olhos. 
Os nervos originam-se da ponte, perfuram a dura-máter no clivo, atravessam o seio cavernoso e as 
fissuras orbitais superiores e entram nas órbitas. 
Observação: visualizar imagem do NC III. 
 B i a n c a L o u v a i n | 4 
 
 
(NC V)
Função: informação sensorial da face e da boca e sinais motores para a mastigação. 
O nervo trigêmeo (NC V) conduz fibras motoras para os músculos da mastigação, milohióideo, 
ventre anterior do músculo digástrico, tensor do tímpano e tensor do véu palatino. 
Também distribui fibras parassimpáticas pós-ganglionares da cabeça até seus destinos. 
NC V é sensitivo para a duramáter das fossas anterior e média do crânio, pele da face, dentes, 
gengiva, túnica mucosa da cavidade nasal, seios paranasais e boca. 
Eles formam três nervos ou divisões: o nervo oftálmico (NC V1), o nervo maxilar (NC V2) e o 
componente sensitivo do nervo mandibular (NC V3). 
• Nervo oftálmico – as fibras sensitivas somáticas (gerais) do NC V1 são distribuídas para a pele, 
túnicas mucosa e conjuntiva da parte anterior da cabeça e nariz. 
• Nervo maxilar – saindo da cavidade craniana através do forame redondo, suas fibras sensitivas 
somáticas (gerais) são distribuídas para a pele e as túnicas mucosas associadas à maxila. 
• Nervo mandibular – é a única divisão do NC V a conduzir fibras motoras somáticas (branquiais), 
distribuídas, basicamente, para os músculos da mastigação. 
 
1. NC V origina-se na superfície 
lateral da ponte por duas 
raízes: motora e sensitiva. 
2. Essas raízes cruzam a parte 
medial da crista da parte 
petrosa do temporal e entram 
na cavidade trigeminal da 
dura-máter lateralmente ao 
corpo do esfenoide e ao seio 
cavernoso. 
3. A raiz sensitiva leva ao 
gânglio trigeminal e a raiz 
motora segue paralelamente 
à raiz sensitiva, depois passa 
ao largo do gânglio e torna-se 
parte do nervo mandibular 
(NC V3). 
 
(NC VII)
Função: sensorial gustatório, sinais eferentes para as glândulas lacrimais e salivares e expressão facial. 
O nervo facial (NC VII) emerge da junção da ponte com o bulbo como duas divisões: 
• Raiz motora – maior (nervo facial propriamente dito), inerva os músculos da expressão facial. 
• Nervo intermédio – menor, conduz fibras sensitivas somáticas, parassimpáticas e do paladar. 
Com isso, os nervos faciais (NC VII) enviam fibras motoras para os músculos estapédio, ventre 
posterior do músculo digástrico, estilo-hióideo, faciais e do couro cabeludo. Também enviam 
fibras parassimpáticas pré-ganglionares através do nervo intermédio (raiz menor do NC VII) destinadas 
aos gânglios pterigopalatino e submandibular através dos nervos petroso maior e corda do tímpano, 
respectivamente. 
NC VII é sensitivo para parte da pele do meato acústico externo e, através do nervo intermédio, é 
sensitivo para o paladar dos dois terços anteriores da língua e o palato mole. 
Durante seu trajeto, o NC VII atravessa a fossa posterior do crânio, o meato acústico interno, o canal 
facial, o forame estilomastóideo do temporal e a glândula parótida. Após atravessar o meato acústico 
interno, o nervo prossegue por uma curta distância anteriormente no temporal e depois faz uma volta 
abrupta posteriormente para seguir ao longo da parede medial da cavidade timpânica. 
 B i a n c a L o u v a i n | 5 
 
A curva aguda, o joelho do nervo facial, é o local do gânglio geniculado, gânglio sensitivo do NC VII. 
Ao atravessar o temporal dentro do canal facial, NC VII dá origem ao: 
• Nervo petroso maior 
• Nervo para o músculo estapédio 
• Nervo corda do tímpano. 
Em seguida, o NC VII emerge do crânio através do forame estilomastóideo e dá origem ao ramo 
auricular posterior. Ele entra na glândula parótida e forma o plexo intraparotídeo, que dá origem aos 
seguintes cinco ramos motores terminais: temporal, zigomático, bucal, marginal da mandíbula e 
cervical. 
 
 
(NC VIII)
Função: audição e equilíbrio. 
Os nervos vestibulococleares (NC VIII) conduzem fibras relacionadas com os sentidos especiais da 
audição, do equilíbrio e do movimento. 
1. Os nervos originam-se do sulco entre a ponte e o bulbo. 
2. Atravessam o meato acústico interno e dividem-se nos nervos coclear e vestibular.