Mate-me Por Favor - Legs McNeil
505 pág.

Mate-me Por Favor - Legs McNeil


DisciplinaMúsica5.880 materiais33.607 seguidores
Pré-visualização50 páginas
\u201cLer é aprimorar seus conhecimentos e
compreender a vida ao seu redor.\u201d
~ e-Livros.SITE, e-Livros.XYZ, e-Livros.WIN ~
Apresentação 1
Mate-me por favor é a história definitiva e nunca antes contada sobre os anos
70 e a Blank Generation. Narrando o nascimento do que hoje se chama punk,
desde a Factory de Andy Warhol até o Max\u2019s Kansas City nos anos 60 e 70,
chegando ao Reino Unido nos anos 80, os autores, Legs McNeil e Gillian
McCain, apresentam a explosiva trajetória do mais incompreendido
fenômeno pop. Fluentemente construído a partir de um coro de vozes, Mate-
me por favor é uma história oral que possui todo o ritmo narrativo e a
excitação de um romance.
Em centenas de entrevistas com todos os personagens originais, incluindo
Iggy Pop, Patti Smith, Dee Dee e Joey Ramone, Debbie Harry, Nico, Wayne
Kramer, Danny Fields, Richard Hell e Malcolm McLaren, penetra-se nos
camarins e nos apartamentos para reviver o que começou nas entranhas de
Nova York como uma pequena cena artística e se tornou um verdadeiro
momento revolucionário da música. Mate-me por favor começa quando o
CBGB\u2019s e o Bowery eram uma legítima terra de ninguém; revive os dias de
glória do Velvet Underground, Ramones, MC5, Stooges, New York Dolls,
The Doors, Television e Patti Smith Group e disseca a morte do punk \u2013
quando este se torna manchete de jornais e uma nova onda para os
retardatários.
McNeil e McCain conversaram com todos que estavam lá: estrelas, groupies,
empresários, ex-mulheres e namoradas, fotógrafos e repórteres alternativos,
todos contribuíram com suas versões daquele tempo inesquecível. Suas
histórias \u2013 que às vezes contradizem umas às outras \u2013 sempre evocam
brilhantemente um momento único da história e tornam mais fácil vislumbrar
aqueles dias lendários. Mate-me por favor celebra o autêntico sexo, drogas e
verdadeiro rock & roll que dominou o que provavelmente será visto como a
última era em que tantas pessoas se divertiram tanto matando a si mesmas.
LEGS McNEIL batizou o movimento de \u201cpunk\u201d em 1975, ao dar este nome a
uma revista de música e cultura pop dos anos 70. Ele foi editor da Spin e
editor-chefe da Nerve . GILLIAN McCAIN era coordenadora de
programação do Poetry Project na St. Mark\u2019s Church, onde Patti Smith fez
suas primeiras leituras e os diários de Jim Carroll foram descobertos. Ela é
autora de Tilt , uma coleção de poemas em prosa.
1 Mate-me por favor saiu pela L&PM Editores em 1997. Em 2004, com a consolidação no mercado
brasileiro da Coleção L&PM POCKET, foi publicado no formato de bolso em 2 volumes. Em 2013, a
editora republicou o livro em formato convencional (14x21cm), inclusive mudando a cor da capa: a
edição de 1997 tinha a capa com um fundo laranja fosforescente; já na edição de 2013 foi feita uma
\u201ccorreção\u201d histórica e o fundo passou a ser verde fosforescente, cor que \u2013 na década de 70 \u2013 era a
adotada pelos punks. Em março de 2014 a editora lançou esta edição, agora num volume só, com a
mesma capa adaptada ao formato de livro de bolso. (N.E.)
Nota dos autores
A esmagadora maioria do material de Mate-me por favor é resultado de
centenas de entrevistas originais realizadas pelos autores. Em alguns casos,
entrevistas e textos foram extraídos de outras fontes, incluindo antologias,
revistas, diários, entrevistas publicadas e inéditas, e outros livros. Uma lista
destas fontes e das páginas nas quais elas aparecem neste livro está na
página 406. Gostaríamos de agradecer as contribuições desses autores e
editores, que enriqueceram o conteúdo de nosso livro.
Agradecimentos
Um bom número de pessoas se envolveu com este livro e nos encorajou com
seu amor, apoio e humor. Os autores gostariam de expressar seus
agradecimentos às seguintes:
Legs McNeil e Gillian McCain: a Susan Lee Cohen, nossa agente literária,
por sempre atuar acima e além do chamado do dever; e Dawn Manners,
nosso transcrissor de plantão, que tomou conta da gente ao longo do percurso
e cuja inteligência e discernimento foram sempre uma inspiração.
Agradecimentos especiais igualmente a todos os outros copistas: Liz
McKenna, Ann Kottner, David Vogen, Nora Greening, Filiz Swenson e Allie
Morris.
Agradecimentos ultraespeciais a Richard Hell, por nos deixar roubar o título
de nosso livro da camiseta dele.
Obrigado também a todos os amigos que nos convidaram para suas vidas:
Abbi Jane, Mariah Aguiar, Billy Altman, Callie Angell, Kathy Asheton, Ron
Asheton, Scott Asheton, Laura Allen, Penny Arcade, Al Aronowitz, Bobby
Ballderama, Roberta Bayley, Victor Bockris, Angela Bowie, Pam Brown,
Bebe Buell, William Burroughs, John Cale, Jan Carmichael, Jim Carroll,
James Chance, Bill Cheatham, Leee Black Childers, Cheetah Chrome, Ira
Cohen, Tony Conrad, Jayne County, David Croland, Ronnie Cutrone, Jay
Dee Daugherty, Maria Del Greco, Liz Derringer, Willie DeVille, Ged Dunn,
Mick Farren, Rosebud Feliu-Pettet, Danny Fields, Jules Filer, Cyrinda Foxe,
Ed Friedman, Gyda Gash, John Giorno, David Godlis, James Grauerholz,
Bob Gruen, Eric Haddix, Steve Hagar, Duncan Hannah, Steve Harris, Mary
Harron, Debbie Harry, Richard Hell, John Holmstrom, Mark Jacobson, Urs
Jakob, Garland Jefferies, David Johansen, Betsey Johnson, Peter Jordan, Ivan
Julian, Lenny Kaye, Scott Kempner, Elliot Kidd, Wayne Kramer, Liz
Kurtzman, Mickey Leigh, Richard Lloyd, Matt Lolya, Jeff Magnum, Gerard
Malanga, Handsome Dick Manitoba, Ray Manzarek, Philippe Marcade, Jim
Marshall, Malcolm McLaren, Jonas Mekas, Alan Midgette, Paul Morrissey,
Billy Name, Bobby Neuwirth, Nitebob, Judy Nylon, Pat Olesko, Terry Ork,
Andi Ostrowe, Andy Paley, Patti Paladin, Fran Pelzman, Susan Pile, Dustin
Pittman, Eileen Polk, Iggy Pop, Howie Pyro, Bob Quine, Dee Dee Ramone,
Joey Ramone, Johnny Ramone, Genya Ravan, Lou Reed, Sylvia Reed, Marty
Rev, Daniel Rey, Ed Sanders, Jerry Schatzberg, Andy Shernoff, Kate Simon,
John Sinclair, Leni Sinclair, James Sliman, Gail Higgins-Smith, Patti Smith,
Chris Stamp, Sable Starr, Michael Sticca, Linda Stein, Seymour Stein, Syl
Sylvain, Kevin Teare, Marty Thau, Dennis Thompson, Lynne Tillman, Tish
& Snookie, Maureen Tucker, Alan Vega, Arturo Vega, Holly Vincent, Ultra
Violet, Jack Walls, Russell Wolensky, Mary Woronov, La Monte Young,
Marian Zazeela e Jimmy Zhivago.
Cinco pessoas que entrevistamos ou iríamos entrevistar faleceram durante a
realização de Mate-me por favor . Oferecemos nossas condolências às
famílias e aos amigos de Sterling Morrison, Patti Giordano, Todd Smith, Fred
\u201cSonic\u201d Smith e Rockin\u2019 Bob Rudnick. Esperamos fazê-los voltar à vida
nestas páginas, para aqueles que não tiveram o prazer de saber quão especiais
eles eram.
Agradecimentos especiais a nosso editor e herói, Morgan Entrekin, e a todo o
maravilhoso pessoal da Grove Press \u2013 Carla Lalli, Colin Dickerman e John
Gall.
Agradecimentos especiais também a Gina Bone, Doug Simmons, Mary
Harron, Victor Bockris e Jeff Goldberg por nos deixarem utilizar seu material
original.
Por sua assistência técnica, gostaríamos de agradecer a Tom Hearn, Stephen
Seymour, Drey Hobbs, Christian Berg e Osako Kitaro.
Por seu apoio constante, obrigado a Chris Cush e Arlene, proprietários da
Mojo Guitars, no 102 St. Marks Place, Nova York, onde integrantes do
elenco de Mate-me por favor me mate podem ser encontrados o tempo todo
matando tempo a qualquer hora.
Legs McNeil: por seu amor, paciência e discernimento, gostaria de agradecer
a Mary C. Greening. Por seu amor, paciência e discernimento, gostaria de
agradecer também a Patrice Adcroft, Gary Kott, Jonathan Marder, sra. Ellen
McNeil, Craig McNeil, Rudy Langlais, Adam Roth, Michael Siegal, Tom e
Judy Greening (também por sua hospitalidade em L.A.), Carol Overby, Jeff e
Susan Goldberg, John Mauceri, Danny Alterman, Jim Tynan, Kevin Kurran,
Jack Walls, Yvan Fitch, Lynn Tenpenny, Mim Udovitch, Chris McGuire,
Julia Murphy, Kathy Silberger, Susan Dooley, Carl Geary, Shane Doyle e
Jennifer Smith.
E agradecimentos