PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA - Guia completo
79 pág.

PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA - Guia completo


DisciplinaPatologia Clínica Veterinária981 materiais19.933 seguidores
Pré-visualização19 páginas
Patologia 
Clínica 
5º Semestre 
 
Gabriela Henckes Weber 
2020 
 
 
PATOLOGIA CLÍNICA 
INTRODUÇÃO 
\uf0b7 Patologia clínica: 
Estudo das alterações dos fluídos corporais e celulares 
\uf0b7 Patologia clínica como exame complementar: 
- Quantificação e morfologia de células e estruturas contidas nos fluídos 
- Determinação da concentração dos constituintes dos fluidos 
- Avaliação da dinâmica dos constituintes dos fluídos 
\uf0b7 Patologia clínica: 
- Diagnóstico 
- Prognóstico 
- Acompanhamento terapêutico 
- Monitoramento 
SANGUE URINA LÍQUIDOS 
CAVITÁRIOS 
LÍQUIDO RUMINAL E 
LEITE 
Células sanguíneas 
Componentes do 
soro 
Equilíbrio 
Hidroeletrolítico (HE) 
e acidobásico (AB) 
Células 
Cristais 
Constituintes da 
urina 
Células 
Constituintes 
 
 
HEMATOLOGIA 
\uf0b7 SANGUE: 
Tecido líquido do animal composto por uma parte essencialmente líquida = PLASMA e por 
elementos figurados do sangue = GLÓBULOS BRANCOS, VERMELHOS (hemácias), PLAQUETAS 
O sangue percorre todo o corpo do animal e é ele que faz todas as trocas, desde as gasosas até 
as bioquímicas. Tudo o que é resto, tudo o que é metabólito, passa pelo sangue, assim como o 
que é importante para o organismo. 
- Líquidos corporais: 8% sangue, 92% outros fluídos e tecidos 
- Sangue: 55% plasma, 45% elementos figurados 
- Plasma: água (91,55%), proteína (7%) e outros solutos (1,5) 
 
 
 
\uf0b7 ERITRÓCITO: 
- Hemácia ou glóbulo vermelho \u2192Tem como função o transporte de oxigênio para os tecidos. 
É uma célula bicôncava e anucleada em mamíferos. 
- AVES e RÉPTEIS \u2192O amadurecimento da hemácia não passa pela perda do núcleo, formando 
eritrócitos nucleados = Meia vida menor causando um caso mais grave em qualquer situação 
em que os animais deixam de produzir células vermelhas como por exemplo uma anemia em 
uma ave ocorre de forma mais rápida e pode levar à morte facilmente \u2193 
As hemácias são produzidas por ilhotas produtoras de hemácias associadas aos vasos 
sanguíneos. 
Hemácias jovens: hemácias circulares e basofílicas (azul) 
Hemácias maduras: hemácias elípticas (oval) 
- Número de hemácias circulantes \u2192Varia conforme idade, sexo, altitude e espécie. São 
medidas por quantidade de células por microlitro de sangue (milhões/mm³) 
Animais muito jovens ou muito velhos têm menos hemácias circulantes no sangue \u2192Isto é 
muito importante pois o intervalo de referência não é padronizado pela faixa etária. 
Fêmeas têm quantidade menor de hemácias do que os machos \u2192A testosterona aumenta 
a atividade hematopoiética (aumenta a produção de hemácias). 
o Hemoglobina: representa um terço de conteúdo da hemácia. 
Nem toda a hemácia tem a mesma quantidade de hemoglobina, portanto um exame 
completo tem que ter além da quantidade de hemácias, quanto é a parte funcional 
(hemoglobina) em média que essas hemácias têm. 
É uma proteína quaternária formado por 4 unidades de globina e 4 unidades de 
grupamento heme. 
- Grupamento heme: contém ferro na sua estrutura (Ponto de interação com o 
oxigênio) 
Cada hemoglobina transporta 4 moléculas de O2 por vez, tornando o transporte 
desse gás 60x mais eficiente. 
Nº de hemácias + [ ] hemoglobina (concentração) 
- Coloração do sangue: 
Carboxihemoglobina: CO2 \u2013 sangue venoso 
Oxihemoglobina: O2 - sangue arterial 
 
 
 
 
 
\uf0b7 HEMATOPOIESE MAMÍFEROS: 
Formação, multiplicação e diferenciação das CÉLULAS SANGUÍNEAS. Inicia na vida fetal (saco 
vitelínico, fígado, baço e medula óssea) e após o nascimento ocorre apenas na medula óssea. 
Eritropoiese: formação, multiplicação e diferenciação de HEMÁCIAS. 
- Medula óssea: é o principal órgão hematopoiético. Por dia, ela produz 2,5 bilhões de eritrócitos 
e 1 bilhão de granulócitos. 
 Localiza-se no canal medular dos ossos longos e cavidades dos ossos esponjosos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
\uf0b7 ERITROPOIESE: 
 
Célula tronco que dentro da medula óssea recebe estímulo para se diferenciar em UNIDADE 
FORMADURA DE COLONIA ERITRÓIDE (CFU-E). 
A partir daqui há um processo de diferenciação e amadurecimento da hemácia chamado de 
Eritropoiese. 
Esse processo ocorre em duas fases: 1 \u2013 Proliferação ou multiplicação em que uma célula se 
divide de 16 até 32 cópias | 2 \u2013 Maturação onde ocorre divisão e maturação, aumenta a 
concentração de hemoglobina no seu interior, aumentando seu estoque. 
 
A quantidade de hemoglobina e a qualidade vai depender da condição nutricional do animal e 
dos estímulos que esse animal recebe. \u2192Existem muitas anemias que são causadas por 
deficiência nutricional, causando alterações na morfologia e quantidade de hemácias. 
*Animais com deficiência de B12: falha na fase de multiplicação da hemácia \u2192Falhas na 
proliferação = diminuem o número de cópias 
*Animais com deficiência de ferro: hemácia multiplicam-se bem mas têm formatos diferentes 
 
 
 
 
 
 
 
Substâncias 
essenciais 
para a 
formação 
1. Proliferação do eritrócito: enquanto a célula divide-se, ela começa a diminuir de 
tamanho, núcleo e nucléolo. 
Hemácia começa a deixar de ser uma célula roxa e começa a ficar rosa = cromatina 
torna-se mais condensada. 
Fase de intensa hemoglobinização (rubrícito basofílico \u2192Última fase da proliferação, 
não há mais divisão, apenas amadurecimento). 
2. Maturação: perda de organelas, principalmente mitocôndrias e ribossomos. Acúmulo 
de hemoglobina (Metarrubrícito) \u2192 Expulsão do núcleo que são fagocitados pelos 
macrófagos locais \u2192 Redução do tamanho 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
\uf0b7 Controle da eritropoese 
- Eritropoietina: estimula a eritropoese. 
No nível fisiológico, há a produção de 2bi de hemácia por dia e as interleucinas (IL) mantém esse 
nível fisiológico. Quando o corpo precisa de mais hemácias, ele produz a eritropoietina, que 
mantém uma maior produção de hemácias. 
É um hormônio glicoproteico produzido grande parte nos rins (90/95%) e outros 5 a 10% 
produzidos no fígado. Seu papel é pegar a UFC- E (unidade formadora de colônia - eritróides), 
age acelerando o processo de multiplicação e maturação e aumentando o número de células 
precursoras impedindo a apoptose. 
Rim e fígado produzem eritropoietina quando há uma baixa oxigenação dos tecidos (hipóxia). 
No rim as células intersticiais peritubulares são as que produzem eritropoietina enquanto no 
fígado são os hepatócitos. 
Células jovens, núcleo 
espaçoso. Célula dificilmente 
encontrada no sangue 
Metarrubrícito \u2192Célula jovem, última fase da maturação 
em que a hemácia ainda tem núcleo. Quando presente no 
sangue em grande quantidade no cachorro ou presente 
em outras espécie, significa que a medula está sendo 
exigida, ou seja precisa-se de mais hemácias. Ex: qualquer 
situação que leve à hipóxia 
Núcleo expulso 
posteriormente 
fagocitados por 
macrófagos 
Reticulócito 
Hemácia 
Reticulócito 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Barorreceptores percebem a diminuição de O2 \u2192Rim e fígado são estimulados e liberam pré-
hormônios (eritropoetinogênio \u2013 fígado e proeritropoetina \u2013 rim) \u2192 Alcançam a corrente 
sanguínea eles são ativados através de fatores diferentes = Eritropoietina 
Modos de aumentar a eritropoese: 1. Auxilia na diferenciação dos progenitores eritróides, 2. 
Aumenta o número de mitoses das células eritróides 3. Redução de tempo de maturação (de 7 
para 5 dias) e 4. Recruta hemácias jovens aumentando a permeabilidade dos capilares na 
medula, ou seja, é ela que joga reticulócitos e metarrubrícitos pro sangue 
Participação dos órgãos na eritropoese: 
Baço: órgão responsável pela eritropoiese fetal, amadurecimento de células que 
escapam da medula óssea enquanto outras são destruídas. Armazena e elimina 
hemácias. Elimina hemácias infectadas ou remove inclusões (resto celular, bactéria, 
protozoário) eritrocitárias, além de estocar ferro. 
Fígado: estoque de vitamina B12, ácido fólico e Fe, eritropoiese inicial, produção de 
globina que é a proteína base da hemoglobina \u2192Com lesão no fígado, ocorrem 
problemas na